A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Sodrélia
Santa Cruz do Rio Pardo
...

ramal de SCRPardo-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2004
...
 
Sorocabana Railway (1908-1919)
Estrada de Ferro Sorocabana (1919-1966)
SANTA CRUZ DO RIO PARDO
Município de Santa Cruz do Rio Pardo, SP
Ramal de S.C.do R.Pardo - km 486,970 (1924); km 474,664 (1931); km 426,731 (1960)   SP-2849
Altitude: 476 m   Inauguração: 06.04.1908
Uso atual: Museu Histórico e Pedagógico Ernesto Bertoldi (2017)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1908
(*) As quilometragens foram alteradas em 1928, devido às retificações feitas entre São Paulo e Iperó neste ano e em 1953, (**) devido às retificações feitas entre Conchas e Manduri neste ano.
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Santa Cruz foi aberto em 06/04/1908, partindo da estação de Bernardino de Campos, na linha do Tibagy. Foi financiado em boa parte pela Câmara Municipal de Santa Cruz do Rio Pardo. Era na verdade a parte inicial de um projeto que visava chegar com a linha até o rio Paraná, ao norte da foz do rio do Peixe, o que nunca aconteceu. Em 15 de novembro de 1966, o ramal foi desativado. Os trilhos foram retirados e as estações caíram no abandono.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Santa Cruz, hoje do Rio Pardo, foi inaugurada em 1908 como ponta do ramal. Seu projeto, assim como o de Piraju, foi do arquiteto Ramos de Azevedo.

Uma informação bastante intrigante, extraída dos relatórios da Sorocabana da época, diz que em 01/02/28 o posto(?) foi aberto para outros serviços, como bagagens, encomendas, telegramas e venda de bilhetes (não fazia muito sentido ter sido posto até essa época, pois era uma estação terminal e bastante grande em tamanho e em importância, e que não vendesse bilhetes, sendo o fim do ramal!).

"Uma tragédia motivou a mudança de nossa família de Ipaussu para Santa Cruz do Rio Pardo. No ano de
1955, o então chefe da estação de Santa Cruz, num descontrole emocional, durante uma discussão familiar, munido de um martelo, desferiu vários golpes em sua esposa e em seus dois filhos (casal), que interferiram na agressão. Mudamos para Santa Cruz no mês de julho, considerando as férias escolares, como era praxe na ferrovia. Da estação de Santa Cruz, lembro-me: da composição do trem do ramal com a locomotiva nº 419 mais um carro bagagem, carro de 2ª classe e carro de 1ª classe sendo todos do do tipo americano" (Chercy Francisco Gimenez, 07/2006).

A estação foi finalmente desativada em 15 de novembro de 1966, juntamente com as atividades do ramal.

A partir daí, começou o abandono. A estação fica perto dos limites da cidade, muito próxima à saída para Ipaussu (SP-225). Em 1996, uma reportagem de O Estado de S. Paulo denunciava o abandono do prédio.

Em 2000, o abandono continuava, e o esqueleto da velha estação jaz em frente a um enorme pátio descampado, que era justamente o pátio da linha. Ao lado, uma casa da ferrovia, muito bonita, também abandonada. No início de 2017, a estação já estava restaurada e bonita. Abriga um museu desde 2011.

"Em primeira discussão, o projeto nro. 6, de 1907, do Senado (Estadual), autorizando o governo a contratar a construção de uma estrada de ferro que, partindo de Santa Cruz do Rio Pardo e passando por Campos Novos do Paranapanema, vá às terras da fazenda Montalvão, com parecer nro. 78, deste ano".


1909
AO LADO:
Este projeto jamais foi executado. porém, consta no mapa da Sorocabana em 1908 e que pode ser visto mais abaixo nesta página (O Estado de S. Paulo, 19/11/1909).

1916
AO LADO:
O público se queixa dos horários do trem do ramal
(O Estado de S. Paulo, 29/2/1916)

ACIMA: Estação de Santa Cruz do Rio Pardo nos anos 1920 (Acervo Douglas Nascimento, autor desconhecido).

ACIMA: Mapa da Sorocabana em 1908, que mostra o projeto do ramal de Santa Cruz do Rio Pardo até o rio Paraná (CLIQUE PARA AUMENTAR). Além deste ramal, havia outros - basta seguir as linhas rosa claras.Reparar nos nomes de diversas localidades que realmente nem se sabe se realmente existiam em meio à zona desabitada do Estado a oeste da cidade (E. F. Sorocabana, 1908). ABAIXO: Pátio e estação de Santa Cruz do Rio Pardo, em janeiro de 1915 (Revista A Cigarra, 5 de fevereiro de 1915).

TRENS - De acordo com os guias de horários e outras fontes, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1908 a 1966. Ao lado, a situação do ramal em 1956. Clique sobre a reportagem para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em xxxx (Guias Levi).

ACIMA: Perto de fechar o ramal, ou com ele talvez já desativado, a Sorocabana abria concorrencia para transportar encomentas da cidade para a estação de Ipauçu por via rodoviária em novembro de 1966 (Folha de S. Paulo, 17/11/1966).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Edson Rodrigues; Fernanda Botelho; Antonio Rapette; Chercy Francisco Gimenez; Adriano Martins; Folha da Manhã, 15/4/1956; Folha de S. Paulo, 1966; O Estado de S. Paulo, 1909, 1916 e 1996; O Debate, Santa Cruz do Rio Pardo; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1905-69; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Em 1906, dois anos antes de o trem chegar, a estação já estava em construção. Aparecem os peões, os chefes, e... um peru. Foto cedida por Antonio Rapette

O trem na estação, foto sem data. Foto do jornal Debate, de Santa Cruz do Rio Pardo

Em 1996, a estação já ameaçava ruir. Foto de O Estado de S. Paulo

A estação não ruiu, mas limparam o mato em volta (22/10/2000). Foto Ralph M. Giesbrecht

Casa da vila ferroviária, ao lado da estação (22/10/2000). Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 22/10/2000. Foto Foto Ralph M. Giesbrecht

Alguém andou tentando uma reforma, mas...

...apenas uma pintura externa, mesmo. Fotos de 07/2007. por Adriano Martins

A estação restaurada em 01/2011. Foto Edson Rodrigues
     
     
Atualização: 24.09.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.