A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Quartel
Santa Terezinha
Mandaqui
...

Cantareira-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
Cia. Cantareira (1917-1941)
E. F. Sorocabana (1941-1964)
SANTA TEREZINHA
(antiga CHORA MENINO)
Município de São Paulo, SP
Linha-tronco - km 5,243 (1960)   SP-2886
Altitude: 769 m   Inauguração: 1917
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O Tramway da Cantareira foi construído em 1893 para levar materiais para a construção da adutora que traria água do reservatório da Cantareira. No ano seguinte ele já estava funcionando em toda a extensão, da estação do Pari, na SPR, à Cantareira, pouco além do atual bairro do Tremembé. Em 23/09/1895, foram instituídas viagens de recreio para a população nos domingos e feriados e o transporte, poucos anos depois, tornou-se diário. Como a estação inicial de embarque para o público, na rua João Teodoro, era considerada longe do centro, prolongou-se em 1907 os trilhos até o atual Parque Dom Pedro II. Em 1908 iniciou-se a construção do ramal para Guarulhos. Já em 1920, a Cantareira era deficitária e o Governo tentou vendê-la à iniciativa particular, mas não houve interessados. O trem era entretanto o único meio de transporte até os bairros mais afastados e não era possível extingüi-lo. Em 1941, foi incorporado à E. F. Sorocabana, mas a situação não se alterou muito. A bitola estreita (60 cm) somente foi substituída pela métrica em 1947 no trecho mais longo (Tamanduateí-Guarulhos) e em 1959 no trecho original, enquanto a projetada eletrificação nunca veio. Em 1964, foi extinto o trecho original e em 31/05/1965, o trecho que sobrou, Areal-Guarulhos, foi suprimido de vez. No lugar do trecho entre a Luz e Santana existe hoje a linha do metrô, que também segue depois disso, até o Tucuruvi, o trecho aproximado do antigo ramal de Guarulhos.
 
A ESTAÇÃO: A estação do Chora Menino foi aberta em 1917. O prédio da estação, que até então era uma parada, foi inaugurado em 11/07/1927. A região, originalmente povoada por portugueses (existe ali até hoje a Rua dos Portugueses), a partir da epidemia de varíola de 1875 passou a ser chamada de Chora Menino, por causa da existência de uma grande capela, no cemitério da Fazenda Santana e afastado do centro, onde se acendiam velas e se choravam os mortos a ser enterrados, a maioria crianças. Em 1918, a epidemia de gripe espanhola matou milhares de pessoas em São Paulo. A estrada de acesso ao local ganhou o nome de Chora Menino, e a estação também. Logo depois, os padres salesianos ali compraram terras onde construíram a escola e a igreja de Santa

Terezinha, e o nome aos poucos foi se tornando "Chácara dos Padres". Em 1934, a estação ganhou o nome de Santa Terezinha, em razão da mudança do nome do bairro, conseguida por abaixo-assinado dos padres e dos

AO LADO: Desvios sendo construídos em Santa Terezinha em 1958. Seis anos depois, a ferrovia foi fechada (Folha da Manhã, 3/5/1958).
moradores. Ela ficava no largo do mesmo nome, no final da estrada do Chora Menino (hoje alameda Afonso Schmidt), por onde a linha passava, e a diretoria da E. F. Cantareira, num domingo, 21/10/1934, trocou a placa da estação para a de Santa Terezinha, duas semanas após a mudança do nome do bairro. A estação ficava na atual rua Cônego Manoel Vaz, no lado esquerdo do atual sentido do tráfego, poucos metros antes da atual travessa Marechal Hermes da Fonseca ou do início da praça Ricardo Whately. A estação já foi demolida, após sua desativação, e da linha, em 1964.
Fontes: Werner Vana; Orlirio de Souza Tourinho Neto; Revista ZN, nro 62, pág. 54)
     

Festa na estação, provavelmente anos 30. Foto dos arquivos de Orlirio de Souza Tourinho Neto, publicada na revista ZN nro. 40, 2002

A estação, sem data. Na foto maior (clique para obter), aparece o mesmo ponto hoje, sem a estação, demolida. Foto dos arquivos de Orlirio de Souza Tourinho Neto, publicada na revista ZN nro. 40, 2002
 
     
     
Atualização: 07.02.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.