A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Grajaú
Varginha
Evangelista de Souza
...

ramal de Jurubatuba-1980
IBGE-1960
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2000
...
 
FEPASA (1992-1994)
CPTM (1994-2001)
VARGINHA
Município de São Paulo, SP
Ramal de Jurubatuba - km 32,939   SP-2954
Altitude: -   Inauguração: 26.09.1992
Uso atual: demolida em 2005   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1992 (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Jurubatuba foi construído entre 1952 e 1957 para encurtar a distância entre a Capital e Santos pela Sorocabana. Partindo da estação de Imperatriz Leopoldina, no tronco, a linha seguia até Evangelista de Souza, na Mairinque-Santos, no alto da serra, para dali descer para o porto. Transportando passageiros e cargas desde a abertura da linha em 1957, o ramal acabou por se tornar uma das linhas de subúrbio da Capital. Por volta de 1980 foi feita a duplicação da linha e a colocação da bitola mista, o que levou à demolição, por causa do óbvio alargamento do leito para comporatr duas linhas, de todas as estações originais que estavam no trecho entre Universidade e Jurubatuba, com a exceção desta última. Uma nova linha com novas estações foi entregue, agora com trens partindo de Osasco e não mais de Julio Prestes, mas somente em 2000 é que ficaram prontas todas as estações previstas para todo o trecho que hoje é atendido pelos TUES metropolitanos da CPTM. Até dezembro de 2001 o transporte de passageiros se resumia ao trecho entre Presidente Altino, no tronco, e Varginha, na entrada da área de mananciais. Nesse mês, o transporte foi suprimido para além de Jurubatuba. Daí até Evangelista a linha hoje está desativada até para cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Varginha foi inaugurada em 1992. É também uma plataforma de madeira coberta, mas, neste caso, no mesmo nível da rua. "A extensão dos trens metropolitanos entre Jurubatuba e Varginha, veio de forma provisória em 1992, devido ao fato de que a via duplicada em bitola larga só vir até Jurubatuba. E na época duplicar a via até Varginha, era um investimento expressivo. Então implantaram o sistema aproveitando a bitola métrica, até então só utilizada para cargas, e nos fins de semana um trem turistico até Santos. Na verdade, copiaram o mesmo sistema entre Amador Bueno e Itapevi. Só que o sistema provisório ficou mesmo definitivo. O maior erro no sistema implantado pela Fepasa, e seguido pela CPTM, é a não cobrança de tarifa entre Jurubatuba e Varginha. Só paga pela

ACIMA: Um dos últimos trens, os Toshiba da antiga Sorocabana, que rodaram até Varginha, em 2001 (Autor desconhecido).
passagem o usuário que segue viagem no sentido Osasco/Júlio Prestes e vice-versa, mas quem desembarca em Jurubatuba vindo de Varginha, ou vai de Jurubatuba até Varginha, anda de graça. Dai imagine: trem de graça na periferia... segundo o pai de um colega meu, que já é falecido e morou boa parte de sua vida aqui no bairro, estes mesmos trens que circulam até Varginha (TUE-TOSHIBA) antigamente circulavam entre a estação Cidade Dutra e a Júlio Prestes, e até Evangelista de Souza circulava um trem de longo percurso, que saia de Evangelista de manhã e retornava da Júlio Prestes à tarde. Veja só: até o final dos anos 70, era possivel pegar um trem daqui da Cidade Dutra direto para o centro na Júlio Prestes. Hoje, temos de ir até Jurubatuba, pegar o trem para Osasco, e fazer a baldeação em Presidente Altino para seguir até Júlio Prestes
" (Anderson Conte, 2001). A estação foi desativada em dezembro de 2001, juntamente com o tráfego no trecho de Jurubatuba a Varginha, segundo a CPTM, por "motivos de segurança". A estação já foi demolida (03/2005).
(Fontes: Ralph Mennucci Giesbrecht, pesquisa local; Anderson Conte; Ricardo Koracsony; William Gimenez; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação, anos 1990. Foto cedida por William Gimenez

A estação em 23/08/1998. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht

A estação já demolida, em 03/2005. Foto Ricardo Koracsony
     
     
Atualização: 21.10.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.