A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Cascata
Bauxita
Poços de Caldas
...

ramal de Caldas - 1970
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1943-1971)
FEPASA (1971-1998)
BAUXITA
Município de Poços de Caldas, MG
Ramal de Caldas - km 190,242 (1960)   SP-0983
Altitude: 1.239 m   Inauguração: 15.11.1943
Uso atual: em pé; uso desconhecido (2015)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1943
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Caldas foi inaugurado em 1886, para trazer mercadorias da região de São João da Boa Vista e de Poços de Caldas (na época conhecida como Caldas), já em território mineiro. O ramal seguiu, entretanto, deficitário por muitos anos, chegando a ter, de tempos em tempos, seus trens de passageiros suspenso devido a isso. Porém, acabou por ser o único de todos os ramais da Mogiana que permanece ativo até hoje, por causa do transporte de minério de alumínio da estação de Bauxita, uma antes da de Poços de Caldas. Trens de passageiros circularam pela linha até fins de 1976, quando foram suprimidos. Até meados dos anos 90, um trem turístico ainda percorria em determinadas ocasiões o ramal, mas hoje nem ele existe. Os trilhos, entretanto, foram retirados no trecho terminal em Poços de Caldas.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Bauxita foi aberta pela Mogiana em 1943, com a finalidade expressa de atender às minas de bauxita, minério de alumínio, da região. O Guia Geral de Estradas de Ferro do Brasil, de 1960, dá a data de 11/1/1945 como de sua abertura.

É uma estação pequena, de construção mais moderna, diferente das outras estações da CM.

"De Bauxita em diante o percurso era fabuloso, com precipícios e túneis com nomes sugestivos, como "viaduto do mudo". Era um dos trechos mais lindos das estradas de ferro brasileiras. O serviço de turismo foi cancelado devido à baixa procura, às precárias condições da linha e ao preço abusivo de R$ 20,00 ida e volta... O trem era composto por duas litorinas de inox da Budd da antiga Mogiana que tiveram seus motores arrancados e eram puxados por uma G-12" (Rodrigo Cabredo, 18/12/1998).

A estação, ainda operacional em 2004, foi reformada pouco antes, mas não manobrava mais as composições, que em geral eram "quadras" (quatro em série), para o transporte de bauxita com composições de trinta e dois vagões ou mais. Também havia sido reativado, ali, o depósito de locomotivas. O pessoal ali residia e fazia revisão de vagões, além da faturar ali a mercadoria que eles carregavam. Era uma equipe de manutenção rápida da FCA que atendia os trens que chegavam ao carregamento da bauxita da Votorantim existente no local em 2004: "A linha é fraca, os trens têm em média 20 a 30 vagões. Vi 3 U20C lá, 2 da FCA e uma com as cores da Ferroban, puxando um trem que saía para Aguaí" (Gutierrez L. Coelho, 2004).

A linha do ramal, estendia-se então além da estação de Bauxita, até a chave que dava acesso à ALCOA, e daí até a fábrica. Depois da chave, entretanto, os trilhos foram arrancados.

Em 2017, o prédio não estava mais servindo à ferrovia já havia alguns anos. O dístico com o nome da estação já não existe mais nas paredes laterais do prédio.


ACIMA: Mapa de 1948 mostrando a linha na região de Bauxita. A estação está no canto esquerdo inferior do mapa. PARA VER UMA AREA MAIOR CLIQUE SOBRE O MAPA (Arquivo Publico Mineiro).
ACIMA: Esquema do pátio de Bauxita em novembro de 1968 (Clique sobre a figura para ter maiores informações) (Acervo Museu da Companhia Paulista, Jundiaí, SP - Reprodução Caio Burghi). ABAIXO: vagões-gôndola série QI da Mogiana, já em uso pela Fepasa, em 1988, no pátio da estação de Bauxita, Minas Gerais. Notar as casas da vila ferroviária construídas pela Mogiana (Foto Kelso Medici, 1988).



ACIMA: Pátio da estação de Bauxita, em 2009. O ramal para o canto direito da foto atende à ALCOA. Para o lado da represa ao fundo, sentido Poços de Caldas (Foto Leandro Resende). ABAIXO: Estação de Bauxita, anos 1990 (Foto Vanderley Zago).
(Fontes: Rodrigo Cabredo; Vanderley Zago; Gutierrez L. Coelho; Cesar Augusto Tonetti; Rafael Correa; Leandro Resende; Adriano Martins; Mogiana: relatórios anuais, 1875-1969); FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1986; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - R. M. Giesbrecht)
     

A estação. Relatório de Instalações Fixas da Fepasa, 1986

A estação. Relatório de Instalações Fixas da Fepasa, 1986

A estação em 01/2002. Foto Rafael Correa

A estação de Bauxita, em 12/2003. Foto Gutierrez L. Coelho

A estação de Bauxita em 18/9/2008. Foto Cesar Augusto Tonetti

A estação em agosto de 2017. Foto Vanderley Zago.
     
Atualização: 01.09.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.