A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Trabiju
Boa Esperança do Sul
Java
...

Ramal de Rib. Bonito-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2006
...
Sobre o autor
Links
 
C. E. F. do Dourado (1903-1949)
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1949-1969)
BOA ESPERANÇA DO SUL
Município de Boa Esperança do Sul, SP
Tronco CEFD - km 41,744 (1929)   SP-1002
Ramal de Ribeirão Bonito - km 68,394   Inauguração: 09.05.1903
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em maio de 1894, foi entregue o ramal de Ribeirão Bonito pela Cia. Paulista, saindo da estação de São Carlos, no tronco, e com ponto terminal em Ribeirão Bonito, em bitola métrica. Em 1900, a Cia. E. F.
do Dourado (Douradense) abriu uma linha que unia Ribeirão Bonito a
Dourado, com bitola de 60 cm. Em 1910, o tronco da Douradense atingiu Ibitinga e mesmo ano sofreu modificações, aumentando-se a bitola para métrica e alterando a ligação Ribeirão Bonito-Trabiju, colocando a estação
de Dourado como ponta de um curto ramal. Somente em 1939 a Douradense prolongou a linha, chegando até Novo Horizonte. Em 1949, a Paulista adquiriu
a Douradense, adicionando a sua linha-tronco ao ramal de Ribeirão Bonito,
que agora ligaria São Carlos a Novo Horizonte diretamente. Em 1966, a linha entre Ibitinga e Novo Horizonte foi suprimida, e em 3 de janeiro de 1969,
todo o ramal de Ribeirão Bonito foi desativado. Os trilhos foram retirados
pouco tempo depois.
 
A ESTAÇÃO: A estação da cidade e já município, desde 1898, de
Boa Esperança
foi inaugurada em 1903 pela E. F. Dourado, como
ponta de linha, situação que perdurou até agosto de 1906, quando
foram inauguradas as estações seguintes, até Ponte Alta. A cidade
já era município desde 1898. Em 1930, o velho armazém foi demolido, por seu estado "não permitir reforma". Novo armazém e novo desvio foram então construídos. Um dos acidentes relatados pela Dourado ocorreu em 30 de setembro de 1934, matando o maquinista Antonio Carrapato, no km 41, próximo à estação de Boa Esperança, onde "descarrilaram e tombaram na margem direita da linha a locomotiva número 12, duas gôndolas e um vagão vazio da composição do trem M1" (relatório da Cia. Dourado, ref. 1934). Nos anos 40, os

ACIMA: A cidade de Boa Esperança em 1939: Na parte baixa da foto, a Cia. E. F. do Dourado, sua estação e composições paradas junto a ela. Nada mais disso existe, em termos de ferrovia (Acervo Alberto del Bianco). Abaixo: casas da vila ferroviária ainda existentes e remanescentes do antigo pátio da estação de Boa Esperança do Sul (Fotos Adriano Martins, 28 de dezembro de 2008).

nomes da
cidade e da estação foram alterados para Boa Esperança do Sul, por determinação do CNG. Em 1949 passou a fazer parte da Cia. Paulista. Desativada no início de 1969, foi demolida. Por informação de Neuza de Lucca,
moradora da cidade em uma casa que ficava atrás da estação, junto ao pátio da estação existia um poço onde as pessoas retiravam água para beber. A linha passava na divisa do seu terreno e todo o pátio da estação. Mais tarde o leito da linha foi loteado e construídas casas, não sobrando nenhum vestígio daquele local em que um dia foi a estação. A cidade pouco se desenvolveu, e sobraram ainda algumas casas da antiga vila ferroviária, já descaracterizadas, enfim, praticamente nada faz lembrar que algum dia por lá passou uma ferrovia.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Alberto del Bianco; Rudney C. Queiroz; Felippe De Lucca; Neuza de Lucca; Adriano Martins; Cia. Dourado: relatórios anuais, 1900-47; Cia. Paulista, relatórios anuais, 1949-69; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

O trem da Paulista chegando na estação de Boa Esperança, no dia de sua desativação (2/1/1969). Foto Felippe De Lucca, cedida por Neuza de Lucca

O trem da Paulista parado na estação de Boa Esperança, no dia de sua desativação (2/1/1969). Foto Felippe De Lucca, cedida por

Local onde ficava a estação, em foto de 28/12/2008. Foto Adriano Martins
     
Atualização: 06.12.2011
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.