A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Laranjeiras
Riachuelo
São José da Mata
...

Linha Norte em Sergipe (1940)
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
Cia. Chemins de Fer Federaux du L'Est Brésilien (1914-1935)
V. F. F. Leste Brasileiro (1935-1975)
RFFSA (1975-1996)
RIACHUELO
Município de Riachuelo, SE
Linha Norte - km 457,063 (1960)   SE-4242
Altitude: 8 m   Inauguração: 22.03.1914
Uso atual: em pé, possívelmente abandonada (2009)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: Inicialmente chamado de ramal de Timbó, a linha que ligaria a estação de São Francisco, em Alagoinhas, a Sergipe foi aberta em 1887 até a localidade de Timbó, atual Esplanada. Dali para a frente foi sendo prolongada aos poucos a partir de 1908, atingindo Aracaju em 1913, Cedron em 1915 e Propriá somente em 1920, às margens do rio São Francisco. Para se ligar com a linha vinda do Recife naquele ponto, então, somente em 1972, quando a ponte sobre o rio foi construída permitindo a interligação ferroviária direta com o Nordeste.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Riachuelo foi inaugurada em 1914, no trecho aberto entre Aracaju e Rosário do Catete. A cidade já existia como município desde 1874

"Devido ao grande crescimento econômico, principalmente pelo cultivo da cana, em 6 de maio de 1872, o povoado Pintos é transformado em Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Riachuelo e dois anos depois seria transformada em Vila de Riachuelo e deixando assim de pertencer ao município de Laranjeiras. Nesta época seu poder econômico superou Maruim e Laranjeiras, vivendo assim uma grande fase na indústria açucareira. Com a implantação da República, a vila passa a ser cidade e vive seus momentos áureos até o início do século passado. Devido à facilidade dos portos e à chegada das ferrovias em Aracaju, Riachuelo entra em declínio tornando-se assim um município decadente, pobre e esquecido.

Em função disso, no censo de 1950 a população de Riachuelo tinha em torno de 8 mil habitantes, e depois de 50 anos a população continuava a mesma. O
município já foi o maior produtor de açúcar cristal, tecido e aguardente de Sergipe, e chegou a possuir três locomotivas para o transporte da cana de açúcar, além de ter possuído ferrovias (sic), era dotada de boa malha viária e transporte através dos rios. Chegou a ter também uma grande produção de farinha de mandioca. (...) Riachuelo também teve um comércio influente no estado, em função da cana. Os armazéns de secos e molhados eram bastante sortidos e considerados os melhores da região do Cotinguiba. Apesar da riqueza, não possuía uma estrutura arquitetônica muito boa e o calçamento das ruas era irregular. Foi a terceiro município a ser eletrificada pela Companhia Hidroelétrica do São Francisco e por isso possuía um excelente Cine-Teatro Municipal
" (Wikipedia, entrada em 19/2/2009).

A estação ficava (fica) a seis quilômetros do centro da cidade, em zona rural, no entroncamento da linha da Leste Brasileiro com o ramal da usina Central Riachuelo. Um pequeno troley com motor a gasolina corria sobre os trilhos da ferrovia particular da Usina Central (ver mapa abaixo) para ligar a cidade à estação, com um horário que obedecia aos horários regulares dos trens da Leste. Foi assim até pelo menos o final dos anos 1950, quando a estrada que ligaria a sede à estação ficou pronta.

Os trens de passageiros na linha pararam em 15 de março de 1977.

Em 1982, foi aberta uma fábrica de fertilizantes da FAFEN no município, às margens do rio Sergipe. Logo então foi construído um ramal para atender à fábrica, no sentido oposto do antigo ramal da usina. Este ainda existe, não se sabe se funcionando ou não.

Depois da privatização em 1987, a concessionária VLI chegou a carregar nessa fábrica, pelo menos até por volta de 2009. A estação de Riachuelo era em 2009 a última da linha por onde passava o trem cargueiro da FCA vindo do sul, pois era ali que eram carregados produtos químicos das fábricas do polo petroquímico. A linha da antiga Leste, da estação para o norte, foi abandonada pela VLI, que tinha sua concessão até a estação de Propriá, fim do ramal, ás margens do rio São Francisco. Se olharmos a fotografia acima, temos a impressão de ainda existir ao fundo um predio de estação. Porém, o pátio estava já bastante abandonado e dando a impressão de pouco uso. Havia vagões estacionados, não se sabendo pela foto de estavam operacionais ou se simplesmente largados ali.

Em 2013, os trens acabaram de vez. Quatro anos depois... "Há vagões abandonados na cidade de Riachuelo. O Ramal que ia até a FAFEN - Fábrica de Fertilizantes de Sergipe, está abandonado. Parte já está coberta de asfalto (Felippe Aracaju, 28/12/2017).

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1914 a 1979. Veja aqui horários em 1964 (Guias Levi).
ACIMA: A linha da Leste Brasileiro vem do sul e em um determinado ponto tem uma bifurcação para oeste no mapa., que era da Usina Central, com ainda uma derivação mais ao sul para um local de nome São José (ponta de outro ramal a sudoeste). A sede do município estava nesta linha. A estação da Leste, por sua vez, estava a seis quilômetros da cidade, na junção das duas ferrovias, não muito distante do rio Sergipe (IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol. n, 1960). ABAIXO: No mapa atual abaixo, o ramal da usina já não mais existe; porém, há pelo menos uma rodovia que liga a cidade à estação. Reparem o pátio desta, em forma de triângulo de trilhos; dele parte, desde 1982, um ramal para a fábrica da FAFEN, na ponte deste, logo após uma curva de 90 graus e junto ao rio Sergipe (Google Maps, 2015).



ACIMA: Fotografia tomada pouco antes da entrada do pátio da estação de Riachuelo. A mancha branca à esquerda da linha parece indicar uma estação (Foto Renata Benia em 15/11/2008). ABAIXO: Foto tomada já dentro do pátio da estação (Foto Marcio Andrei, aproximadamente 2010).


ACIMA: Às margens do rio Sergipe, a fábrica da FAFEN. Entre ela e o rio, o final do ramal que vem da estação de Riachuelo (Autor e data desconhecidos).

(Fontes: Marcio Abreu; Renata Benia; IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, 1958; Wikipedia, 2009; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-79; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     
     
     
Atualização: 28.12.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.