A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Eugênio de Mello
Caçapava
Engenheiro Sá e Silva
...

ram. S. Paulo EFCB-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2008
...
 
E. F. do Norte (1876-1890)
E. F. Central do Brasil (1890-1975)
RFFSA (1975-1996)
MRS (1996-2008)
CAÇAPAVA
Município de Caçapava, SP
Ramal de São Paulo - km 365,725 (1928)   SP-0722
Altitude: 557 m   Inauguração: 01.10.1876
Uso atual: abandonada   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1922
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1869, foi constituída por fazendeiros do Vale do Paraíba a E. F. do Norte (ou E. F. São Paulo-Rio), que abriu o primeiro trecho, saindo da linha da SPR no Brás, em São Paulo, e chegando até a Penha. Em 12/05/1877, chegou a Cachoeira (Paulista), onde, com bitola métrica, encontrou-se com a E. F. Dom Pedro II, que vinha do Rio de Janeiro e pertencia ao Governo Imperial, constituída em 1855 e com o ramal, que saía do tronco em Barra do Piraí, Província do Rio, atingindo Cachoeira no terminal navegável dois anos antes e com bitola larga (1,60m). A inauguração oficial do encontro entre as duas ferrovias se deu em 8/7/1877, com festas. As cidades da linha se desenvolveram, e as que eram prósperas e ficaram fora dela viraram as "Cidades Mortas"... O custo da baldeação em Cachoeira era alto, onerando os fretes e foi uma das causas da decadência da produção de café no Vale do Paraíba. Em 1889, com a queda do Império, a E. F. D. Pedro II passou a se chamar E. F. Central do Brasil, que, em 1896, incorporou a já falida E. F. do Norte, com o propósito de alargar a bitola e unificar as 2 linhas. O primeiro trecho ficou pronto em 1901 (Cacheoira-Taubaté) e o trecho todo em 1908. Em 1957 a Central foi incorporada pela RFFSA. O trecho entre Mogi e São José dos Campos foi abandonado no fim dos anos 1980, pois a construção da variante do Parateí, mais ao norte, foi aos poucos provando ser mais eficiente. Em 31 de outubro de 1998, o transporte de passageiros entre o Rio e São Paulo foi desativado, com o fim do Trem de Prata, mesmo ano em que a MRS passou a ser a concessionária da linha. O transporte de subúrbios, existente desde 1914 no ramal, continua hoje entre o Brás e Estudantes, em Mogi e no trecho D. Pedro II-Japeri, no RJ.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Caçapava foi aberta pela E. F. do Norte em 1876. Um ano antes, em 3/7/1922, a revista Portugal-Brasil, A Hora Gloriosa da Raça (ed. Monteiro Lobato e Cia, 1922) publicava o que aconteceu durante as homenagens aos pilotos portugueses Gago Coutinho e Sacadura Cabral, nessa estação: "A estação da Central (em Caçapava), garridamente adornada de flores naturaes e folhagens apresentava bello aspecto, e toda a extensão dos desembarcadouros lateraes, num trecho de trezentos metros, constituía uma avenida de palmeiras com varios arcos de triumpho nos quaes se ostentavam os pavilhões brasileiro, portuguez e das nações européas. Ás 9 horas, o recinto da Central e immediações regorgitava de povo, fazendo parte da numerosa assistência as autoridades civis da cidade e as autoridades militares (...). Á chegada do especial executou optimo numero do

ACIMA: Prédio da Cia. de Força e Luz Norte de S. Paulo, à beira da linha antiga da Central, sentido SP, antes da parada Santa Luzia, num local onde hoje fica o bairro Vila Nossa Senhora Aparecida, em 1922 (nos anos 1950, o leito foi deslocado na construção de uma variante). Segundo Marco Giffoni, ainda existem ruínas do prédio (Autor desconhecido - foto publicada em 1922). ABAIXO: Trem passando pela estação (ainda a velha) em Caçapava, durante o movimento civilista de 1910 (Autor desconhecido).
seu repertorio a corporação musical que ali se achava; foram queimadas varias gyrandolas de foguetes tiro real,e estrondosas palmas festejavam os illustres viajantes (...)
. Um ano depois, em 19 de março (ou abril) de 1924, passou a operar partindo desta estação, que ainda mantinha o seu prédio original, um ramal da Cia. Norte Paulista de Combustíveis, de 12 km e bitola larga (1m60), que transportava linhito das suas minas. O ramal chegava até a

Acima, em foto de 1960, trem especial da Central do Brasil no X Congresso (de que?) trafega pelo ramal e já dentro da Mafersa (47 anos atrás!). Nessa época, o ramal para as minas já estava desativado (Foto Leonardo Bloomfield, 1960).
entrada destas. Segundo Marco Giffoni, parte desse ramal seria (em 2007) o atual desvio que serve à Mafersa e que deve ter (hoje), no máximo, 1 km, pois termina próximo à via Dutra. "Essas minas não existem mais, estou tentando conseguir uma cópia de um mapa onde aparece o traçado do ramal. A linha a partir da Mafersa seguia além de onde hoje se encontra a Dutra e os demais pontos por onde ela passava atualmente são bairros. Acredito que não haja mais nenhum vestígio do ramal depois da Mafersa" (Marco Giffoni, 06/2007). A estação esteve sendo utilizada parcialmente pela MRS, concessionária que opera a linha desde 1997, até 2008. Nesse ano a MRS entregou a estação para a Prefeitura, que mantém o prédio abandonado, sem uso algum desde então.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local, 2001; Rafael Asquini, 2009; Marco Giffoni; Fernando Schimidt; Leonardo Bloomfield; Paulo Jair de Souza; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; Portugal-Brasil: A Hora Gloriosa da Raça, 1922; Brasil Ferrocarril: nro 343, 24/4/1924; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação original. Acervo Paulo Jair de Souza

Estação original de Caçapava, em 1929. Foto do acervo de Juvenal, da relojoaria de Caçapava, cedida por Marco Giffoni

Nas plataformas da estação fechada , uma SD-18, em dezembro de 2000. Foto Fernando Schimidt

Nas plataformas da estação fechada , uma SD-38 da MRS, em dezembro de 2000. Foto Fernando Schimidt

A estação e suas plataformas, em 30/04/2001. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação e suas plataformas, em 30/04/2001. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 8/2009. Foto Rafael Asquini

A estação em 8/2009. Foto Rafael Asquini

O armazém, em 8/2009. Foto Rafael Asquini
     
Atualização: 21.12.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.