A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Eng. Martins Guimarães
Eugênio de Mello
Caçapava
...

ram. S. Paulo EFCB-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2012
...
 
E. F. Central do Brasil (1898-1975)
RFFSA (1975-1996)
EUGÊNIO DE MELLO
Município de São José dos Campos, SP
Ramal de São Paulo - km 376,064   SP-0343
    Inauguração: 22.03.1898
Uso atual: abandonada   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1925
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1869, foi constituída por fazendeiros do Vale do Paraíba a E. F. do Norte (ou E. F. São Paulo-Rio), que abriu o primeiro trecho, saindo da linha da SPR no Brás, em São Paulo, e chegando até a Penha. Em 12/05/1877, chegou a Cachoeira (Paulista), onde, com bitola métrica, encontrou-se com a E. F. Dom Pedro II, que vinha do Rio de Janeiro e pertencia ao Governo Imperial, constituída em 1855 e com o ramal, que saía do tronco em Barra do Piraí, Província do Rio, atingindo Cachoeira no terminal navegável dois anos antes e com bitola larga (1,60m). A inauguração oficial do encontro entre as duas ferrovias se deu em 8/7/1877, com festas. As cidades da linha se desenvolveram, e as que eram prósperas e ficaram fora dela viraram as "Cidades Mortas"... O custo da baldeação em Cachoeira era alto, onerando os fretes e foi uma das causas da decadência da produção de café no Vale do Paraíba. Em 1889, com a queda do Império, a E. F. D. Pedro II passou a se chamar E. F. Central do Brasil, que, em 1896, incorporou a já falida E. F. do Norte, com o propósito de alargar a bitola e unificar as 2 linhas. O primeiro trecho ficou pronto em 1901 (Cacheoira-Taubaté) e o trecho todo em 1908. Em 1957 a Central foi incorporada pela RFFSA. O trecho entre Mogi e São José dos Campos foi abandonado no fim dos anos 1980, pois a construção da variante do Parateí, mais ao norte, foi aos poucos provando ser mais eficiente. Em 31 de outubro de 1998, o transporte de passageiros entre o Rio e São Paulo foi desativado, com o fim do Trem de Prata, mesmo ano em que a MRS passou a ser a concessionária da linha. O transporte de subúrbios, existente desde 1914 no ramal, continua hoje entre o Brás e Estudantes, em Mogi e no trecho D. Pedro II-Japeri, no RJ.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Eugênio de Mello foi inaugurada em 1898. O nome era uma homenagem a Eugenio Adriano Pereira de Cunha e Mello, diretor da Central de 1889 a 1891. A original era de madeira - a foto abaixo prova isso -, porque de acordo com o relatório da Central de 1925, nesse ano "a estação foi reconstruída em alvenaria", mesmo estando fora do trecho que foi retificado em São José dos Campos. Fica ao lado da estrada velha Rio-São Paulo, no bairro-distrito chamada de rua Sete de Setembro, em volta da

ACIMA: Pátio da estação em 30/11/1986. O guindaste móvel à direita ainda existe, mas, como a estação, está abandonado em 31/3/2009. Os desvios da direita foram cercados e os trens somente entravam, até 2006, para carregamento e descarregamento de containers. Hoje esses desvios estão cobertos de mato (Foto Kelso Medici). ABAIXO: Estação abandonada, vista da estrada velha Rio-São Paulo, em 28/3/2012 (Foto Ralph M. Giesbrecht).
qual se formou o bairro. Até os anos 1990 o seu terminal de containeres era ainda utilizado pela fábrica da General Motors, próxima à estação. Até 2007, a estação estava ocupada pela empresa Transmodal, que reformou com materiais novos o interior da estação, trocando piso, azulejos, pias, vasos etc. Desde a saída da empresa, a estação está abandonada, tendo sido depredada:

ACIMA: Mapa do distrito de Eugênio de Mello. Em vermelho, no canto direito inferior, a via Dutra. No alto, a linha tracejada é a linha da ex-Central do Brasil. A estação, não assinalada, está no final da rua maior que liga o viaduto à rua Sete de Setembro, que é também o leito da Estrada Velha Rio-São Paulo (Guia Vale, 2011). ABAIXO: Croquis da estação - CLIQUE PARA VER MAIS DETALHES (Prefeitura do Municipio de São José dos Campos).
portas e janelas arrancadas, pichações, invasões, incêndios, quebra de pias, vasos, arrancamento de pisos e azulejos. Lá entra e sai quem quiser. A estação está tombada pelo município desde 1996. O prédio da estação, por sua vez, estava abandonado em abril de 2012. Três anos antes, a Prefeitura conseguira a guarda provisória das estações cedidas pelo SPU.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Eliezer Magliano; Wanderley Duck; Kelso Medici; William Martins; E. F. Central do Brasil: Relatório anual, 1925; Prefeitura do Municipio de São José dos Campos; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - R. M. Giesbrecht)
     

A primitiva estação de madeira, ao redor de 1920. Acervo Eliezer Magliano

A estação, anos 1940. Acervo Wanderley Duck

Em 20/01/2000, a estação de Eugênio de Mello. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em 2004. Foto William Martins

A estação depredada em 31/3/2009. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação pichada em 31/3/2009. Foto Ralph M. Giesbrecht
     
     
Atualização: 08.07.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.