A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Renato Werneck
Cafelândia-nova
Paredão
...

Tronco NOB - 1935

IBGE-1973
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Noroeste do Brasil (1970-1975)
RFFSA (1975-1996)
CAFELÂNDIA-NOVA
Município de Cafelândia, SP
Linha-tronco (variante) - km   SP-0717
Altitude: 433 m   Inauguração: 1970
Uso atual: em reforma (2016)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1970
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Estrada de Ferro Noroeste do Brasil foi aberta em 1906, seguindo a partir de Bauru, onde a Sorocabana havia chegado em 1905, até Presidente Alves, em setembro de 1906. Em janeiro de 1907 atingia Lauro Müller, em 1908 Araçatuba e em 1910 atingia as margens do rio Paraná, em Jupiá, de onde atravessaria o rio, de início com balsas, para chegar a Corumbá, na divisa com a Bolívia, anos depois. O trecho entre Araçatuba e Jupiá, que até 1937 costeava o rio Tietê em região infestada de malária, foi substituído nesse ano por uma variante que passou a ser parte do tronco principal, enquanto a linha velha se tornava o ramal de Lussanvira. Em 1957, a Noroeste passou a fazer parte da Refesa. Transportou passageiros até cerca de 1995, quando esse transporte foi suprimido. Em 1996, a Refesa deu a concessão da linha para a Novoeste, que transporta cargas até hoje.
 
A ESTAÇÃO: Em 1970, com a abertura da variante de Lins, a estação de Cafelândia original foi desativada e na variante foi inaugurada uma nova. É uma das poucas estações da antiga Noroeste que ainda mantém seus desvios, que por sinal abrigam um cemitério de vagões.

Infelizmente em 2009 a ALL, então já concessionária da linha da velha Noroeste, destruiu boa parte da plataforma de embarque da estação de Cafelândia (ver fotos mais abaixo) para que as locomotivas C-30 pudessem passar por ali.

Depois de anos abandonada, a estação estava sendo reformada em novembro de 2016.

(Veja também CAFELÂNDIA-VELHA)
ACIMA: Vista de cima, a distância entre as estações de Cafelândia: a original está 'a esquerda, a "nova", à direita. Vejam que o limite da cidade era o pátio velho; depois da construção do pátio novo, mais distante, a cidade cresceu no sentido dele (Google Maps, 2014).

ACIMA: Na ainda ativa e bem conservada estação de Cafelândia, em 1975, orgulhosos funcionários da Noroeste posam em sua plataforma (O Avaiense, edição de junho de 2008). ABAIXO: (esquerda) Casas ferroviárias no pátio de Cafelândia sobrevivem como moradias... (direita) enquanto a bilheteria do saguão da estação está suja, pichada e depredada (Fotos Daniel Gentili em 14/2/2009).

ACIMA: A ALL destruiu parte da antiga plataforma de embarque da estação de Cafelândia para permitir a passagem das suas locomotivas C-30. A foto é de 12/8/2009 (Foto Artur F. Silva). ABAIXO: Trem da ALL passando pela abandonada e depredada estação em agosto de 2013 (Foto Luciana Bozzo Alves, que morou na casa 16 da vila ferroviária).

(Fontes: Fabio Spagnuolo Caldeira; Luciana Bozzo Alves; Artur F. Silva; José H. Bellorio; Daniel Gentili; Google Maps, 2014; O Avaiense, 2008; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; E. F. Noroeste do Brasil: Relatório anual, 1954; IBGE, 1973; mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Plataforma de Cafelândia em 10/1979. Foto José H. Bellorio

Plataforma de Cafelândia em 10/1979. Esta foi a terceira estação. Foto José H. Bellorio

Ao fundo, a estação de Cafelândia atual (02/2001). Foto José H. Bellorio

Armazém e estação (ao fundo) de Cafelândia (02/2001). Foto José H. Bellorio
FOTO CABEÇALHO: José H. Bellorio, em 15/05/2001

Placa da plataforma da estação de Cafelândia (02/2001). Foto José H. Bellorio

Plataforma e gare da estação em 14/4/2009. Notar as pranchas abandonadas nos desvios. Foto Daniel Gentili

Fachada da estação em 14/4/2009. Foto Daniel Gentili

Foto panorâmica (clique sobre ela) da estação em 8/2013. Foto Luciana Bozzo Alves

A estação em reforma em 2/11/2016. Foto Fabio Spagnuolo Caldeira

A estação em reforma em 2/11/2016. Foto Fabio Spagnuolo Caldeira
   
     
Atualização: 06.11.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.