A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Quilômetro 177
Campinas-EFS
...
Saída para o ramal de Pádua Salles (1924-1960):
Instituto
...

ramal de Campinas-1935

Guia de Campinas-1990
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 2008
...
 
E. F. Sorocabana (1924-1971)
CAMPINAS-SOROCABANA
Município de Campinas, SP
Ramal de Campinas - km 182,448 (1934)   SP-0643
Altitude: 689 m   Inauguração: 15.04.1924
Uso atual: demolida em 1971   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1924 (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1873, foi entregue pela Ituana a sua linha-tronco ligando a estação de Jundiaí da SPR a Itu, com bitola de 96 cm. A anexação da Ituana pela Sorocabana em 1892 alterou todo a história. O trecho foi prolongado até Mairinque, a bitola foi ampliada para 1 metro e o trecho entre Mairinque e Francisco Quirino foi prolongado até Campinas, dando origem ao ramal de Campinas. Em 1924, o ramal foi unido à partida da ex-Funilense, na nova estação da Sorocabana em Campinas. O ramal transportou passageiros até 1976. O ramal foi abandonado e entre 1991 e 1995 nele funcionou (na parte urbana de Campinas) o VLT, hoje extinto. Os trilhos foram arrancados na primeira década dos anos 2000. Já os do trecho além da área urbana de Campinas sumiram bem antes.
 
A ESTAÇÃO: O ramal de Campinas chegou à estação de Sete Quedas em 1914, mas passou a chegar realmente ao centro de Campinas somente em 1919, utilizando-se da estação principal da Mogiana, Guanabara.

Somente em 1924, a Sorocabana inaugurou a sua estação própria, cerca de um quilômetro antes de Guanabara, no bairro de Bonfim. A partir de 1924, também a Funilense, incorporada pela Sorocabana em 1921, passou a sair dessa estação, e durante alguns anos, a Sorocabana considerou a linha Mairinque-Campinas-Pádua Salles como uma linha somente (ramal de Pádua Salles).

"A 15 de abril de 1924, foi suprimido o trecho de Carlos Botelho a Guanabara, na E. F. Funilense, com 1.200 m e inaugurada a linha de ligação da referida via férrea, com a E. F. Sorocabana, na extensão de 695 m, entre a rua Bonfim e a nova estação desta última, em Campinas" (Mensagem ao Presidente Carlos de Campos, 14/7/1926, p. 96).

A estação, que também era conhecida como Vila Bonfim, foi desativada em 1971 e infelizmente demolida em seguida, situando-se mais ou menos no mesmo ponto onde hoje existe uma estação do VLT de Campinas, de nome Barão de Itapura. Os trens de passageiros vindos de Mairinque nessa época passaram a seguir para a estação de Guanabara, da Mogiana, até 1976, quando foram extintos.

Em 2005 ainda sobravam por ali a casa do chefe da estação e o armazém. "O armazém é utilizado atualmente como albergue da Prefeitura e a casa do chefe ainda tem a mesma finalidade, só que sem estação, rs. A foto do armazém é de agosto de 2004 e a da casa é de janeiro de 2005. A estação foi demolida para aprofundar o nível (uns 8 metros) e dar passagem ao prolongamento da av. Barão de Itapura; vindo por esta via, sentido Centro, o armazém está localizado à esquerda e a casa está à direita, antes da rodoviária" (Carlos A. Filetti, 05/2005).

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1934 - Instalação de ramal de 1a para abastecimento de água na casa do emstre de linha

ACIMA: Nota do jornal anunciando a desativação da estação Carlos Botelho a partir da data de inauguração da estação da Sorocabana (Diario do Povo, 10/4/1924).

ACIMA: Mapa de linhas em Campinas, anos 1980/90. Aparece o pátio da Sorocabana. A linha da EFS segue para oeste e depois segue para sudoeste. O pátio em si está à direita. As linhas se comunicavam com a estação da Paulista (canto doreito inferior) e com a estação de Guanabara, da Mogiana (veja o triângulo acima no mapa; dali saía essa linha, para nordeste) (CLIQUE SOBRE A FIGURA PARA VER O MAPA COMPLETO) (Guia de Campinas). ABAIXO: Pátio (linha verde) da estação da Sorocabana nos seus limites originais (Google Maps - esquema feito por Luiz Sousa, março de 2012).



ACIMA: Pátio da estação de Campinas, no Bonfim, por volta de 1970, não muito antes da desativação e demolição (Acervo Vanderley Zago).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Carlos A. Filetti; José Antonio Vignoli; Diario do Povo, 1924; José David de Castro; O Correio Popular; Mensagem ao Presidente Carlos de Campos, 1926;
E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1920-69; Guia de Campinas, 1990; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Campinas da Sorocabana, sem data. Foto cedida por José David de Castro

A estação, sem data. Autor desconhecido

A estação de Campinas na época de sua desativação, em 1971. Foto cedida pelo jornal O Correio Popular, de Campinas

A casa do chefe da estação ainda sobrevivia em 05/2005...

...e o armazem também. Fotos C. A. Filetti
 
     
Atualização: 24.11.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.