A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
(1899?-1924)
Carlos Botelho
Instituto
Barão Geraldo
...
(1924-1960)
Campinas-EFS
Instituto
Barão Geraldo
...

Ramal de P. Salles - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Sorocabana (1899?-1960)
INSTITUTO
Município de Campinas, SP
Ramal de Pádua Salles - km 4,352   SP-2099
    Inauguração: 1899?
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Cia. Carril Funilense foi inaugurada em 18/09/1899 pela Cia. Agrícola Funilense, de Funil (hoje Cosmópolis), com bitola de 60 cm, saindo do centro de Campinas e chegando até a atual Cosmópolis, na época chamada de Barão Geraldo de Rezende. Em 1904, por parte de um empréstimo não honrado, o Governo do Estado ficou com a ferrovia. Em 1906, a bitola foi ampliada para a métrica; em 1913, a ferrovia já chegava ao seu ponto máximo, em Pádua Salles, margem do rio Mogi-Guaçu. Em 01/09/1921, a Sorocabana incorporou a linha, que em 1924 passou a sair da nova estação da EFS em Campinas, e com o nome de Ramal de Pádua Salles, com 93 quilômetros. A linha foi fechada no início de 1960, tendo os trilhos arrancados pouco tempo depois. Hoje são bem poucos os resquícios da velha Funilense.
 
A ESTAÇÃO: Não consegui identificar a data da inauguração da parada Instituto. No jornal O Estado de S. Paulo de 17 de maio de 1911, há a seguinte notícia: "Foi dada, pelo Sr. Secretário da Agricultura, a denominação de "chave do Instituto Agronômico" ao desvio da estrada de ferro Funilense construído nos terrenos desse estabelecimento". Mas ele existia desde quando? Segundo os relatórios da Sorocabana da época, esteve fechada nos anos de 1926 e 1927, porque se pretendia retificar a linha na saída de Campinas, fato que não se consumou. Em 1928, o posto foi reaberto. A foto abaixo mostra o que deve ter sido a estação, em terras da Fazenda Santa Elisa. Foi desativada junto com a linha, em 1960. "A tal da parada Instituto era ao lado do Instituto de Educação que fica (ainda existe) no Km 5 (contado da estação da EFS), era na saída da cidade, no início da estrada (hoje avenida) que vai dar em Barão Geraldo. Logo depois do Instituto Agronômico havia uma chave e a Funilense fazia um curva para a direita e seguia em uma linha quase reta até a parada Instituto, depois era uma festival de curvas e rampas" (Tony Belviso,

ACIMA: Mapa sem data que mostra a Fazenda Santa Eliza, onde estavam instalações do Instituto Agronômico de Campinas e onde em algum ponto localizava-se a parada Instituto. Em verde, a linha da Funilense/Sorocabana (leito aproximado). Em vermelho, a rodovia que liga o centro da Campinas a Barão Geraldo. O mapa pode ser visto em tamanho um pouco maior clicando-se sobre a figura (Diagramação Luiz Souza, 2011).
01/2005
). Já segundo a Profª Marli Marcondes, em seu trabalho digitalizado “Estrada de Ferro Funilense” à disposição no Centro de Memória da Unicamp, "a E. F. Funilense possuiu muitas chaves, ou seja, desvios destinados a atender o transporte de cargas, não sendo parada obrigatória para os trens, e foi a Chave Instituto uma das mais importantes na história da ferrovia. (*Esta Estação, provavelmente, ficava bem próxima de onde é hoje a Av Theodureto de Arruda Camargo no Bairro Vila Nova). Foi criada junto com a linha Campinas-Cosmópolis pois deveria atender às pesquisas da Estação Agronômica de Campinas, criada em 1897, hoje Instituto Agronômico, que fazia experiências agrícolas nas fazendas Santa Elisa e Monjolinho, terras adquiridas pelo governo do Barão Geraldo de Rezende. A Chave Instituto continuou a funcionar mesmo após a incorporação da Cia. Funilense pela Sorocabana em 1924 pois servia para transportar passageiros, principalmente professores e funcionários de regiões distantes". Portanto, há uma série de dúvidas para se localizar exatamente a posição da antiga parada.
(Fontes: Tony Belviso; O Estado de S. Paulo, 1911; Marli Marcondes: Estrada de Ferro Funilense, data desconhecida; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1920-69; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     
A foto ao lado mostra o que deve ter sido a parada, ou estação, de Instituto, aparentemente em final de construção do prédio. Há dúvidas se é isso mesmo, mas no livro no qual ela está inserida... ...afirma-se que ela estava na linha férrea que cortava a Fazenda Santa Elisa, em Campinas. Foto extraída do livro Chão Fecundo, de Vitu do Carmo e Zuleika Alvim, 1987
     
     
Atualização: 17.12.2011
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.