A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Gal. Miguel Costa
Carapicuíba
Santa Terezinha
...

Tronco EFS-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2014
...
 
E. F. Sorocabana (1921-1971)
FEPASA (1971-1994)
CPTM (1994-)
CARAPICUÍBA
Municípios de Santana de Parnaíba (1921-1949);
Barueri (1949-1963);
Carapicuíba (1963-), SP
Linha-tronco - km 22,304 (1931)   SP-0709
Altitude:   Inauguração: 1921
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1979
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: O "posto telegráfico do km 23" foi aberto em 1921, mas somente aparece a partir de 1923 nos relatórios da Sorocabana e também nos jornais, em horários de trens para Barueri nas festas de Pirapora, como por exemplo em 5/8/1923 (O Estado de S. Paulo). Foi aberto para estabelecer o ponto de embarque de gado, principalmente para o matadouro do km 21, junto à atual estação General Miguel Costa e hoje demolido, e para o embarque de areia do porto pertencente na época a João Zeferino Ferreira Veloso. No ano de 1923, foi renomeado como Carapicuíba, na época pertencente ao município de Santana de Parnaíba. A velha aldeia de Carapicuíba, entretanto, de quase 400 anos de idade na época, distava mais de 10 km da estação. Em 26 de janeiro de 1926 (segundo o historiador Pedro Tenório), foi entregue um prédio novo, que curiosamente no relatório da Sorocabana de 1927 aparece com o nome de Sylviania e não como Carapicuíba. Isto provavelmente se deve ao fato de que o primeiro loteamento perto da estação se chamava Vila Silviania (nome de um loteamento dado em homenagem a Sylvio de Campos, irmão do Presidente do Estado à época, Carlos de Campos). Em volta da estação, começou a se formar o núcleo da vila que, depois de passar para o município de Barueri como distrito quando da

Acima, o pátio da estação de Carapicuíba em 1940. Para a direita, São Paulo. Para a esquerda, Sorocaba (Acervo Stenio Gimenez).
emancipação deste em 1949, tornou-se município em 1964. A velha estação foi derrubada na época de sua substituição pela atual. Ela se situava um pouco além, a oeste. "Nessa plataforma (da estação velha), em especial nas sextas-feiras, aguardava a passagem do LR 3 só para curtir o grande trem que era com seus diversos carros (em geral, 20), exatamente às 18h35. Esse trem partia de Julio Prestes às 18h10, com parada na estação Barra Funda. Naquela época, dava para ver a luz da locomotiva assim que passava pela estação km 21 e vinha fazendo as curvas até entrar na reta da estação Carapicuiba. Claro, essas visões acabaram-se em 1977" (Carlos R. Almeida, novembro de 2008). "Os passageiros dos subúrbios foram remanejados para uma estação provisória de madeira, coberta, permitindo que seja demolida a atual, por onde passarão as futuras linhas do sistema" (Revista Ferroviária, abril de 1978). A partir provavelmente dos anos 1960, passaram a sair

ACIMA: O ramal do IBC, em mapa de 1992: logo após a estação (no canto esquerdo inferior), a linha segue para o norte, acompanhando o lago de extração de areia e cruza o canal do rio Tietê antes de chegar aos depósito da AGEF e do IBC. (Cessão: Rafael Asquini, 2007). ABAIXO: Trens no desvio em 12/2006. O desvio voltou a operar nesse ano depois de 3-4 anos sem tráfego. O depósito ao fundo das fotos é o IBC. Só o IBC ainda opera, o AGEF não (Fotos Ricardo Koracsony).


da estação os trilhos do desvio (ramal) do IBC, que seguem até hoje para o seu depósito do outro lado do Tietê, na entrada do atual bairro do Tamboré, já no município de Barueri. De acordo com a mesma notícia, a estação nova teria duas plataformas com 245 metros de extensão cada. A atual foi inaugurada pela Fepasa em 25/01/1979, e hoje serve aos trens urbanos da CPTM.

ACIMA: Cena um tanto incomum na estação de Carapicuíba: um cargueiro, que está voltando do desvio do IBC, passa ao lado de um TUE que está partindo para Itapevi. Ao fundo, o viaduto que liga o centro de Carapicuíba ao Tamboré (este, para a direita) (Foto Carlos R. Almeida em 22/1/2008). CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR A ESTAÇÃO VISTA DO SATELITE
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Miguel Costa Jr. (in memoriam), 1998; Rafael Asquini; Stenio Gimenez; Carlos Roberto de Almeida; Ricardo Koracsony; O Estado de S. Paulo, 1923; Pedro Tenório: Carapicuíba, Passado e Presente - 1580-2003, Simpress Art, 2003 - p. 91; Revista Ferroviária, abril de 1978; E. F. Sorocabana: Guia, 1967; E. F. Sorocabana: Relatórios anuais, 1910-69; Folha da Região, 1979; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação antiga, 1963. Embora não possa ser bem vista nesta foto, a tipologia é a mesma da de George Oetterer, exceto pelo torreão. Foto cedida por Ricardo Koracsony

A estação antiga em 1967. Notar que comparando com a foto de 1963 é a mesma, mas aqui se vê a estação à frente, com o torreão (cabine de controle?) e a casinha em primeiro plano em 1963, agora em segundo plano (Guia EFS, 1967)

A estação, nos anos 1970, aparentemente durante as obras de construção da estação atual, com linhas e passarela provisórias. Foto Carlos Roberto de Almeida

A estação, no dia da inauguração do prédio atual, em 1979. Foto do jornal local "Folha da Região"

Em 21/05/1998, a fachada da estação da CPTM. Foto Ralph M. Giesbrecht

Saída da estação, em 09/2002. Foto Ricardo Koracsony

A estação em 2002. Foto Ricardo Koracsony
   
     
Atualização: 01.11.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.