A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Ibirarema
Ceres
Palmital
...

Tronco EFS - 1935

IBGE-1974
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
 
E. F. Sorocabana (1925-1971)
FEPASA (1971-1998)
CERES
Município de Palmital, SP
Linha-tronco - km 562,262 (1924); km 549,331 (1934); km 501,398 (1960) (*)   SP-1138
Altitude: 410 m   Inauguração: 1925
Uso atual: demolida   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolida)
(*) As quilometragens foram alteradas em 1928, devido às retificações feitas entre São Paulo e Iperó neste ano e em 1953, (**) devido às retificações feitas entre Conchas e Manduri neste ano.
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: Aberta como "posto km 562" (no km 562+262) com 580 m de desvios em 1925, recebeu o nome de Ceres em 1926. O motivo da abertura do posto foi o fato de eles serem parte do programa de remodelação para o aumento visado de capacidade do tráfego da estrada. Nesses anos de 1925-26 foram abertos onze novos postos telegráficos nas diversas linhas da Sorocabana.

Em 1934, foi classificada como posto telegráfico de categoria A (*).

Em 1986, a estação estava depredada, sem telhas, portas ou janelas, e com muito mato em volta.

"Ceres era uma estação entre Ibirarema e Palmital, dentro da sede de uma importante fazenda cafeeira do município (Fazenda Natal). Minha mãe, filha de um pequeno sitiante de café, costumava visitar colegas que moravam nas casas da colônia da fazenda, vindo de Palmital sempre no primeiro trem que passasse. Isso significava muitas vezes vir no caboso (como se conheciam os cabooses de então), junto com o chefe do trem. Ela se recorda que às vezes os proprietários da fazenda estavam de visita ao local, e vinham de São Paulo em um carro fretado exclusivo para eles e os convidados, carro esse que ficava desviado na estação enquanto durasse a visita. Era um luxo só, ainda mais aos olhos daquele povo humilde e trabalhador. Hoje, só resta a velha caixa-dágua e alguns montes de entulho, no lugar da antiga estação" (Douglas Razaboni, 2002).

Em 2009, a situação piorou: "No início deste ano (2009) fiz umas fotos lá. Em Ceres só ficou mesmo a caixa dágua, estranhamente à esquerda da antiga estação, ou seja, deveria aparecer na foto antiga (abaixo, no pé da página). Pode ser que a fotografia esteja invertida, sei lá. No mais, decadência em cima de decadência. As antigas fazendas de café que davam suporte à localidade (Natal e Santa Olinda) há muito deixaram de existir como tal, sendo desmembradas em propriedades menores. A sede da Fazenda Santa Olinda ainda resiste perto de Ceres, mas totalmente degradada. Consta que ainda mora lá uma das filhas dos antigos proprietários, que a cada período vende mais um pedacinho de terra para ir se sustentando. De grandes proprietários, produtores e comissários de café, bem pouca coisa sobrou. Preservada, só mesmo a igrejinha local" (Douglas Razaboni, 17/05/2009).

ACIMA: A igreja de Santa Maria, em janeiro de 2009, em Ceres (Foto Douglas Razaboni).

* Segundo o Relatório Anual de 1934 da EFS, "À categoria A ficaram pertencendo os diversos postos que funccionavam como si fossem estações de 4a classe, isto é, onde, além do serviço de trens, havia venda de bilhetes, despachos de encommendas, bagagens, mercadorias, animaes, valores e serviços telegraphico, em trafego proprio e mutuo, com os fretes calculados pela propria distancia".


(Fontes: Douglas Razaboni; Luiz Carlos Almeida; FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1986; E. F. Sorocabana: Relatórios anuais, 1900-69; IBGE, 1974; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Ceres, já abandonada em 1977. Foto Luiz Carlos Almeida

Estação de Ceres, abandonada, em 1986. Foto do relatório da Fepasa, 1986

Somente sobrou mesmo a caixa dágua da antiga estação de Ceres...

...e nem a plataforma escapou de desaparecer. Fotos Douglas Razaboni, em 27/07/2002
   
     
Atualização: 08.11.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.