A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Embaú
Cruzeiro
Lavrinhas
...
Saída para o ramal de Três Corações (RMV):
Rufino de Almeida
...

ram. S. Paulo EFCB-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 2004
...
 
E. F. Dom Pedro II (1878-1889)
E. F. Central do Brasil (1889-1975)
RFFSA (1975-1998)
CRUZEIRO
Município de Cruzeiro, SP
Ramal de São Paulo - km 252,382   SP-0025
Altitude: 514 m   Inauguração: 04.09.1878
Uso atual: fechada (2015)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1869, foi constituída por fazendeiros do Vale do Paraíba a E. F. do Norte (ou E. F. São Paulo-Rio), que abriu o primeiro trecho, saindo da linha da SPR no Brás, em São Paulo, e chegando até a Penha. Em 12/05/1877, chegou a Cachoeira (Paulista), onde, com bitola métrica, encontrou-se com a E. F. Dom Pedro II, que vinha do Rio de Janeiro e pertencia ao Governo Imperial, constituída em 1855 e com o ramal, que saía do tronco em Barra do Piraí, Província do Rio, atingindo Cachoeira no terminal navegável dois anos antes e com bitola larga (1,60m). A inauguração oficial do encontro entre as duas ferrovias se deu em 8/7/1877, com festas. As cidades da linha se desenvolveram, e as que eram prósperas e ficaram fora dela viraram as "Cidades Mortas"... O custo da baldeação em Cachoeira era alto, onerando os fretes e foi uma das causas da decadência da produção de café no Vale do Paraíba. Em 1889, com a queda do Império, a E. F. D. Pedro II passou a se chamar E. F. Central do Brasil, que, em 1896, incorporou a já falida E. F. do Norte, com o propósito de alargar a bitola e unificar as 2 linhas. O primeiro trecho ficou pronto em 1901 (Cacheoira-Taubaté) e o trecho todo em 1908. Em 1957 a Central foi incorporada pela RFFSA. O trecho entre Mogi e São José dos Campos foi abandonado no fim dos anos 1980, pois a construção da variante do Parateí, mais ao norte, foi aos poucos provando ser mais eficiente. Em 31 de outubro de 1998, o transporte de passageiros entre o Rio e São Paulo foi desativado, com o fim do Trem de Prata, mesmo ano em que a MRS passou a ser a concessionária da linha. O transporte de subúrbios, existente desde 1914 no ramal, continua hoje entre o Brás e Estudantes, em Mogi e no trecho D. Pedro II-Japeri, no RJ.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Cruzeiro foi inaugurada pela E. F. Dom Pedro II em 1878. (A data é diferente no artigo ao lado). A partir de 1884, passou a ser o ponto de partida da E.F. Minas e Rio - que tinha este nome porque deveria sair de uma estação na Província do Rio de Janeiro e acabou saindo de Cruzeiro mesmo - que levava até Três Corações, em Minas, e daí além.

Essa estrada teve o nome alterado inúmeras vezes,
finalmente, a partir de 1931, passando a fazer parte da RMV - Rede Mineira de Viação.

"Vale a pena citar que o referida estação pelo fato de ficar praticamente na metade do percurso do Ramal de São Paulo era o ponto de cruzamento dos principais trens: DP2 X DP1, DP3 x DP4 e ponto de almoço do SP1 X SP2 - o famoso "expressinho"
(Walter Langbeck, 11/2004).

Depois do fechamento da estação para trens de passageiros, i que se deu nos anos 1980, desta estação de partiu entre 2000 e 2001, tocado pela ABPF, o trem turístico a vapor que seguia para Passa-Quatro, em Minas Gerais. Um desabamento logo após o túnel na divisa dos dois Estados levou o percurso a ser feito somente em território paulista, até o túnel. Em dezembro de 2001, entretanto, o trem a vapor foi suprimido por falta de apoio financeiro da Prefeitura.

Em 24/6/2009, anunciava-se que "a cidade de Cruzeiro foi a primeira do país a ganhar a escritura definitiva dos prédios da antiga rede ferroviária. Os espaços antes abandonados agora vão dar lugar a projetos de turismo e cultura (...) O antigo galpão de 14 mil metros quadrados, que armazenava peças e maquinários, será transformado num centro de convenções. Os outros três, possivelmente serão destinados a instalação de uma faculdade. A estação vai funcionar como Secretaria de Cultura e Turismo, o antigo armazém vai virar um museu ferroviário, além de um espaço reservado para o curso de restauro ferroviário. Mudanças que vão mexer inclusive com o trânsito da cidade (...)" (Extraído da Internet em 24/6/2009, sem citação da fonte, por Marco Giffoni).

A estação estava fechada em 2017.

ACIMA: A estação de Cruzeiro, com o trem ainda ostentando na locomotiva as inscrições "E. F. M. R." (E. F. Minas and Rio). A foto estaria situada em algum momento entre 1890 e 1910, pois no primeiro ano surgiu a Cemtral (a estação tem a sicla EFCB) e, no último, desapareceu a EFMR (Autor desconhecido). ABAIXO: Na estação de Cruzeiro, a recepção ao então candidato à Presidência da República Marechal Hermes da Fonseca, em viagem do Rio a Minas Gerais em novembro de 1909 (O Malho, 11/12/1909).




AO LADO: Furto de malas na estação em 1939 (O Estado de S. Paulo, 30/3/1939).




AO LADO: O "Expressinho", velho trem da Central, oficialmente SP-5, fazia o trajeto Cruzeiro-São Paulo em 1946, saindo às 5 da manhã da cidade e retornando à meia-noite (1946).


ACIMA: Voluntários de Piracicaba posam junto ao carro que os trouxe para a estação de Cruzeiro, de onde partiriam para a batalha (Revista A Cigarra, setembro de 1932). ABAIXO: Antigo armazém da RMV no pátio da estação de Cruzeiro, com as linhas métricas da Rede Mineira em setembro de 2008 (Autor desconhecido).

AO LADO: A estação do Cruzeiro era o ponto inicial da E. F. Minas e Rio. Permutava malas postais diariamente, que seguiam pela Ramal de São Paulo da EFCB para a Administração Regional de São Paulo e para o outro lado, pela mesma linha, para a Administração Federal no Rio de Janeiro (Márcio Protzner, 27/4/2009).
AO LADO: Trem descarrila na estação em 1938 (O Estado de S. Paulo, 29/11/1938).




AO LADO: Um resumo publicado no jornal em 1961 dá outra data para a inauguração da estação (O Estado de S. Paulo, 30/9/1961).

ACIMA: Estação de Cruzeiro (autor desconhecido - provavelmente anos 1940/50).

ACIMA: Trem de passageiros - na verdade, trem turístico que partiria para Soledade, já que esse trem já havia sido extinto em linha regular havia anos - na plataforma da estação de Cruzeiro em 1991 (Foto Flavio Francesconi Lage). ABAIXO: Dois trens "Húngaros" cruzam na estação de Cruzeiro. Ano provável da foto: 1974 (Autor desconhecido).
(Fontes: Thiago Henrique Teixeira; Hermes Y. Hinuy; Flavio Francesconi Lage; Marco Giffoni; William Martins; Sergio Moura; Christofer R.; Carlos Campanhã; Afonso Kohn; Walter Langbeck; Márcio Protzner; O Estado de S. Paulo, 1939; A Vida Moderna, 1918; A Cigarra, 1932; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Cruzeiro em 1908. Foto enviada por Christofer Ray

A estação em 1917. Acervo Afonso Kohn

Em 1918, na plataforma de Cruzeiro, recepção a Antonio Rodrigues Alves, irmão do então Presidente eleito da República. Foto da revista A Vida Moderna, de 1918

A estação em 1920. Acervo Campanhã

Estação de Cruzeiro, 2000. Foto Marco Giffoni

Armazém e pátio da estação, em 2000. Foto Marco Giffoni

Plataforma da estação, 2000. Foto Marco Giffoni

A estação em 2001. Foto Hermes Y. Hinuy

Outro aspecto da estação, em 01/2004. Foto William Martins

Plataformas de Cruzeiro em 11/2008. Foto Sergio Moura

A estação em 1/2010. Foto Thiago Henrique Teixeira
 
     
Atualização: 23.05.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.