A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Sagrado Coração
Engenheiro Cardoso
Itapevi
...

Tronco EFS-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2010
...
 
E. F. Sorocabana (1951-1971)
FEPASA (1971-1994)
CPTM (1994-)
ENGENHEIRO CARDOSO
(antiga VITÁPOLIS)
Município de Itapevi, SP
Linha-tronco - km 33   SP-0241
Altitude: -   Inauguração: 1951
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1983
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 1920 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: (houve uma nova inauguração em 20/2/1987, pelo governador Franco Montoro - creio que este foi o prédio completamente pronto).

Inaugurada em 1951 como "parada km 33", foi batizada como Engenheiro Cardoso em 1960, de acordo com os relatórios da Sorocabana da época. Há fontes que dão, entretanto, a sua inauguração, com data e tudo, em 10/08/1961. É curioso, pois há também fontes escritas (da RFFSA) que dão conta de que em 17/11/1971, a estação de Vitápolis teve o nome alterado para Engenheiro Cardoso, nome que já aparecia desde o ano de 1960 nos relatórios da Sorocabana (fonte: William Gimenez).

O nome homenageia o Engenheiro João Pedro Cardoso, que tinha um sítio próximo à estação. Gerson Chaluppe conta que "a confusão existe, pois além da plataforma de Vitápolis, existia, entre esta parada e a estação de Itapevi, uma outra parada, desativada na década de 1960, que se chamava Engº Cardoso. Esta plataforma era próxima de uma curva e muito perigosa, sendo desativada quando da construção da primeira plataforma de Vitápolis, aproximadamente um quilômetro à frente, exatamente no local que existe hoje" (G. Chaluppe, 09/2008).

E há de se notar que, na codificação de estações que a FEPASA fez em 1973, já consta o nome da estação como sendo Engenheiro Cardoso.

A história definitiva veio de Reginaldo Assis de Paiva, que conta em 3/8/2011: "Um pouco da história desta estação, em processo que vivenciei. Quando o Consórcio Engevix-Sofrerail foi contratado pelo Governo do Estado para elaborar o Plano de Remodelação dos Subúrbios da Fepasa, em 1973, a estação projetada no local se chamava Vitápolis. Com este nome constou no Plano e na estação implantada. Na década de 1980, já no Governo Montoro, quando a recém criada Diretoria do Trem Metropolitano (DRM) começou os trabalhos de retomar os planos de remodelação dos serviços, já sob a designação de trem metropolitano e não mais subúrbios, houve a proposta de se projetar o chamado Corredor Oeste, aproveitando parte dos terrenos ferroviários remanescentes da reestruturação das vias na região entre Jandira e Itapevi. A diretriz do corredor previa a sua passagem pela estação de Vitápolis em terreno que pertencia à chácara do Comendador Euler, um "sitio bandeirante" ainda hoje existente no local, inclusive com uma casa bandeirante em excelente estado de conservação. Reuniões do grupo de técnicos do corredor se reuniam no sítio em mesas instaladas pelo Comendador sob as mangueiras da propriedade. Foi do próprio Comendador a decisão de doar a faixa lindeira da estação para a passagem do corredor, mas, argumentou ele na época, "o Estado havia prometido que a estação teria o nome de meu sogro", o Engº Cardoso, cartógrafo do Estado e autor de sucessivos mapas do estado de São Paulo nas décadas iniciais do século XX, mapas que ornamentavam as paredes do sítio. Foi então que a Fepasa trocou, oficialmente, o nome da estação Vitápolis para Engº Cardoso".

De qualquer forma, com um novo prédio, entregue em 3/8/1987, a estação serve aos trens urbanos da CPTM. Tem estrutura de ferro aparente, pintado, como a estação anterior, de Sagrado Coração, e, também como esta, não tem um acesso fácil ao centro e às ruas principais de Itapevi, devido aos morros entre a linha e eles. CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR A ESTAÇÃO VISTA DO SATELITE

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Reginaldo Assis de Paiva; Coaraci Camargo; Gerson Chaluppe; Wiliiam Gimenez; O Estado de S. Paulo, 21/2/1987; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1875-1969; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A plataforma da estação de Engenheiro Cardoso, anos 1990. Foto cedida por William Gimenez


A estação da CPTM, em 18/08/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

 
     
     
Atualização: 12.10.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.