A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Miguel Burnier
Usina
Hargreaves
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Central do Brasil (1923-1975)
E. F. Leopoldina (1964-1975)
RFFSA (1975-1996)
USINA
Município de Ouro Preto, MG
Ramal de Ponte Nova - km 501,165 (1928)   MG-1337
Altitude: 1.149 m   Inauguração: 08.12.1923
Uso atual: demolida   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1923? (já demolida)
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Ponte Nova foi construído em 1887 e 1888 para, da estação de Burnier, se atingir Ouro Preto, então capital da Província, de forma que ela se ligasse com o Rio de Janeiro por via férrea. Somente mais tarde, entre 1914 e 1926, é que foi construído o trecho que chegaria até Ponte Nova. Por uma resolução da RFFSA, RI-51 de 2/6/1964, o ramal passou a ser operado pela Leopoldina. Até 1980 ainda havia trens mistos percorrendo o ramal. Atualmente o ramal da Ponte Nova está desativado, tanto para passageiros como para cargas. Seus trilhos foram praticamente todos arrancados.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Usina foi aberta em 1923 (segundo Max Vasconcellos) e seu nome derivava da usina elétrica ali instalada e que fornecia força na época à empresa Wigg, situada em Burnier. Porém, já em 1908 o Guia Levi tinha na relação de paradas no ramal a estação de Usina. Muito confuso, a confusão histórica que estas trocas de nomes no ramal causam dificulta o estudo cronológico das estações do trecho inicial do ramal de Ponte Nova.

"Não conheço a estação de Usina. Já estive no local, que hoje tem o nome de Lafaiete Bandeira, importante pátio ferroviário da EFVM. Vi a linha da Central abandonada em meio ao matagal e um túnel a ceu aberto (a EFVM retirou toda a terra do morro, ficando apenas a estrutura de concreto, similar a uma garagem). Não tive tempo de procurar a estação. Acredito que fica bem perto da Usina da Barra Mansa, ali localizada e abandonada há vários anos" (Pedro Paulo Rezende, 06/2004).

A estação já foi demolida e nem a plataforma sobrou. "De Uzina restaram apenas mínimos vestígios, 2 suportes de sinais mecânicos ainda da era do vapor. As obras do Patrag e do ramal Fábrica da EFVM, no inicio dos anos 1970, mudaram completamente a geografia do local. A estação Uzina, uma parada próxima de Burnier, foi demolida provavelmente nesta época e os entulhos removidos" (Gutierrez L. Coelho, 2004).

"O ramal está operacional até o PATRAG, um pátio de transbordo da efvm para mrs localizado cerca de 500 metros depois da antiga estação de Usina. De fato, a Usina Wigg ainda está lá, abandonada. Também vemos vestígios da antiga estação, como o sinal e a chave de comando manual do mesmo. Procurando mais deve-se encontrar escombros dos alicerces e plataforma" (Pedro Paulo Rezende, 09/2008).

ACIMA: Outra vista das escoteiras iniciando a descida da rampa até Burnier. Se o maquinista der bobeira é morte certa. Elas desceram com o dinâmico ligado e bem devagar. Trata-se das locomotivas 3205 e 3736, no km 499, a cerca de um quilômetro de Miguel Burnier e dois de Usina (Texto e foto de Pedro Paulo Resende, em 28/9/2008).

(Fontes: Pedro Paulo Resende; Marcelo Lordeiro; Gutierrez L. Coelho; __: Estrada de Ferro Central do Brasil, 2o volume, Imprensa Nacional, 1902; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928)
     

A estação de Uzina, nos anos 1920. Foto cedida por Marcelo Lordeiro, Rio de Janeiro, RJ

Aqui ficava a estação de Usina, da qual nada restou. Foto Pedro Paulo Resende, em 30/09/2004
 
     
     
     
Atualização: 21.02.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.