A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Rodeador
Conselheiro Mata
Barão de Guaicuí
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Vitória a Minas (1911-1923)
E. F. Central do Brasil (1923-1975)
RFFSA (1975-1994)
CONSELHEIRO MATA
(antiga RIACHO DAS VARAS)
Município de Diamantina, MG
Ramal de Diamantina - km 936,771 (1928)   MG-2112
Altitude: 965 m   Inauguração: 12.10.1911
Uso atual: empé e restaurada (2012)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1911?
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Diamantina, que alcançava esta cidade saindo da estação de Corinto, na Linha do Centro da EFCB, foi aberto entre os anos de 1910 e 1913 pela E. F. Vitória a Minas, que, depois, em 1923 o repassou à Central do Brasil. Ele funcionou até o início dos anos 1970, quando teve os trens de passageiros desativados. Oficialmente o trecho somente foi suprimido pela RFFSA em 1994, mas segundo consta os trilhos já teriam sido arrancados antes disso...
 
A ESTAÇÃO: A estação de Conselheiro Mata foi inaugurada em 1911 com o nome de Riacho das Varas. Em 1923, teve o nome alterado para o atual (ver caixa abaixo).

Cem anos depois, na região a maioria das estações estava preservada, aproveitada para repartições, bibliotecas, pequenos museus, como as do ramal de Diamantina, cujos trilhos foram criminosamente arrancados, inaproveitável então para o turismo ferroviário nascente (Informação de Reinaldo Faria Tavares, Belo Horizonte, MG, 12/01/2004).

Em 2005, "O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e o Ministério Público Federal assinaram com a prefeitura de Diamantina, com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e com a Secretaria do Patrimônio da União um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) pioneiro para a preservação da Estação Ferroviária do distrito de Conselheiro da Mata, no município de Diamantina - MG. O prédio da estação ferroviária foi inaugurado em 1911, na antiga linha da estrada de ferro Central do Brasil. O imóvel, reconhecido pelo Iphan como bem cultural, encontra-se em péssimo estado de conservação e necessita de intervenções urgentes para não desmoronar. A prefeitura de Diamantina, vendo a situação, procurou o MPMG e demonstrou interesse em assumir a estação ferroviária para instalar um centro de produção e exposição de artesanatos. Um TAC então foi firmado pelas partes interessadas, e, com a assinatura do acordo, a Secretaria do Patrimônio da União, por meio de sua gerência regional, assumiu a obrigação de entrar com processo administrativo para a transferência da guarda provisória e posteriormente a cessão definitiva do imóvel para o município de Diamantina. Já a prefeitura de Diamantina se comprometeu a executar, no prazo de 30 dias após a efetiva posse do imóvel, medidas emergenciais para preservar a integridade do bem cultural. E, depois de aprovado o projeto pelo Iphan, serão executadas as obras de restauração. O Iphan exercerá fiscalização e expedirá orientações e recomendações de natureza técnica para as intervenções necessárias à restauração, à manutenção, e à adequada destinação do imóvel" (Assessoria de Comunicação do Ministério Público de Minas Gerais - Núcleo de Imprensa, 11/2008). A estação foi, de fato, restaurada depois disso.

Imagine um lugar perdido no meio do sertão, um lugarejo que não deve ter 200 pessoas. Muitas cachoeiras ao redor, trilhas para o pessoal que gosta do “trecking”, vestígios de muitos antigos garimpos, hoje proibidos pelo IBAMA. Pena que mataram a ferrovia, ela encaixaria em tudo que se pensa em turismo numa região agreste, com uma beleza tosca, só pedra, cascalho, mato rasteiro, árvores de pequeno porte.


1923
AO LADO:Mudança de nome para o atual (O Estado de S. Paulo, 30/5/1923)
1923
AO LADO: Incorporação da estação à Central do Brasil (O Estado de S. Paulo, 24/1/1923).
1933
AO LADO: Acidente em Conselheiro Mata (O Estado de S. Paulo, 29/12/1923).
(Fontes: Gutierrez L. Coelho; Ronald Colombini Junior; Reinaldo Faria Tavares; Assessoria de Comunicação do Ministério Público de Minas Gerais - Núcleo de Imprensa, 2008; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928).
     

A estação de Riacho das Varas, sem data. Autor desconhecido

A estação em 04/06/2005. Foto Ronald Colombini Junior

A estação restaurada, em 4/7/2012. Foto Gutierrez L. Coelho
     
Atualização: 27.05.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.