A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Manejo
D. Vasconcelos
Lima Duarte
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...

 
E. F. Central do Brasil (1926-1974)
DIOCLECIANO VASCONCELLOS
Município de Lima Duarte, MG
Ramal de Lima Duarte - km 338,240 (1928)   MG-0196
Altitude: 724 m   Inauguração: 08.12.1926
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Lima Duarte, em bitola de 1,60m, foi aberto ao tráfego em 1914 até a estação de Penido e somente em 1924 chegaria à estação seguinte, Valadares. Em 1926 alcançou sua extensão máxima, em Lima Duarte - 56 km. O projeto previa bitola métrica e para tanto foi construída bitola mista entre as estações de Juiz de Fora e de Benfica, na linha do Centro, pois o trem partia da primeira. Porém, acabou sendo aberto com bitola larga. O ramal deveria alcançar Bom Jardim de Minas, na linha da RMV, mas nunca foi completado, e por isso deveria ter a bitola métrica, que era a da RMV. Em 01/09/1974, o ramal foi suprimido. Porém, aparentemente já desde 1972 os trens de passageiros não mais circulavam no ramal.
 
A ESTAÇÃO: A parada foi aberta em 1926 com o nome de Parada Lima Duarte, nove meses depois da inauguração da estação terminal na cidade. Seu nome depois foi alterado para Diocleciano Vasconcellos, mas o povo a chamava de Paradinha. Ficava

ACIMA: A estação da "Paradinha" em dia de grande movimento. Anos 1940? ABAIXO: A mesma estação já abandonada (Do site www.camarald.mg.gov.br).
próxima à Cooperativa Agropecuária de Lima Duarte. "Tal parada não foi construída em função da Cooperativa Agropecuária, uma vez que esta só passou a existir em 1949. A Parada Deocleciano de Vasconcellos servia ao centro da cidade. Porém, como o terreno ali não oferecia condições para a instalação de um pátio ferroviário amplo, este foi construído 2.600 metros adiante, onde se erigiu a estação dita de Lima Duarte, no Bairro Barreira, inaugurada 4 anos mais tarde (*), em 1930, em terreno pertencente ao Senhor Nominato de Paiva Duque, então Intendente Municipal. Esse fato gerava confusão, já que era muito comum os passageiros passarem direto e descerem na Barreira, julgando ter enfim chegado a Lima Duarte, quando na verdade teriam que retornar dois quilômetros e meio para chegar ao centro. A Parada foi ampliada ao longo do tempo, ganhando plataforma coberta, da qual restam hoje apenas ruínas. Temos na cidade um movimento para restaurá-la" (Marco Antonio da Silva, 11/11/2009). O pequeno prédio foi demolido; a cobertura maior da plataforma manteve-se em pé, mas em total abandono, sem telhas. Quando olhamos para as fotografias acima, vemos que essa cobertura adicional foi colocada depois; a primeira foto não a tinha. Em 2013, tomou-se a decisão de se restaurar a parada, em conjunto com o Ministerio Publico; há de se acompanhar para ver o que aconteceu.
(*) Nota do autor do site: Pode ser que a estação de Lima Duarte tenha sido realmente construída em 1930, mas em 1928 já existia pelo menos o caminho do trem até lá e uma parada; Max Vasconcellos percorreu-o, e cita a data de 1926 como sendo a da inauguração. Já a parada D. Vasconcellos tem a data oficial de inauguração como sendo nove meses após a estação terminal, em dezembro de 1926
(Fontes: Jorge A. Ferreira; Marco Antonio da Silva; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; Câmara Municipal de Lima Duarte (site www.camarald.mg.gov.br); Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A velha parada em 01/2004. Foto Gutierrez L. Coelho

A velha parada em 02/2009. Foto Jorge A. Ferreira
     
     
Atualização: 25.12.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.