A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Mangueiras
Conrado
Santa Branca
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Melhoramentos (1898-1903)
E. F. Central do Brasil (1903-1965)
E. F. Leopoldina (1965-1975)
RFFSA (1975-1996)
CONRADO
Município de Miguel Pereira, RJ
Linha Auxiliar - km 86,776 (1928)   RJ-1445
Altitude: 61 m   Inauguração: 28.03.1898
Uso atual: desconhecido; em pé (2012)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A chamada Linha Auxiliar foi construída pela E. F. Melhoramentos a partir de 1892 e em 1898 foi entregue o trecho entre Mangueira (onde essa linha e a do Centro se separam) e Entre Rios (Três Rios). O traçado da serra, construído em livre aderência e com poucos túneis, foi projetado por Paulo de Frontin, um dos incorporadores da estrada. Em 1903, a E. F. Melhoramentos foi incorporada à E. F. Central do Brasil e passou a se chamar Linha Auxiliar. Ferrovias foram incorporadas a ela, assim como ramais construídos, dando origem à Rede de Viação Fluminense, que tinha como tronco a Linha Auxiliar, sendo tudo gerido pela Central. Na mesma época, o ramal de Porto Novo, que saía de Entre Rios, teve a sua bitola estreitada para métrica e tornou-se a continuação da Linha Auxiliar até Porto Novo, onde se entroncava com a Leopoldina. No final dos anos 1950, este antigo ramal foi incorporado à E. F. Leopoldina e a Linha Auxiliar passou a terminar de novo em Três Rios, onde havia baldeação. A linha, entre o início e a estação de Japeri, onde se encontra com a Linha do Centro pela primeira vez, transformou-se em linha de trens de subúrbios, que operam até hoje; da mesma forma, a linha se confunde com a Linha do Centro entre as estações de Paraíba do Sul e Três Rios, onde, devido à diferença de bitolas entre as duas redes, existe bitola mista. Nos anos 60, toda a linha passou para a Leopoldina. A linha da Auxiliar teve o traçado alterado nos anos 1970 quando boa parte dela foi usada para a linha cargueira Japeri-Arará, entre Costa Barros e Japeri, ativa até hoje, bem como para trens metropolitanos entre o Centro e Costa Barros. Entre Japeri e Três Rios, entretanto, a linha está abandonada já desde 1996.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Conrado foi inaugurada em 1898. O nome original era Sertão, mesmo nome da fazenda nas terras da qual estava localizada. Um quilômetro antes, havia uma parada com o mesmo nome - Parada Sertão, esta, junto à fazenda.

A estação de Sertão teve o nome modificado para o de Conrado Niemeyer, um comerciante que fora torturado e morto na cadeia de Três Rios, em 1925
.

Em 1986, um trem turístico passou a fazer o trajeto entre esta estação e a de Miguel Pereira (Trem Azul). Não durou muito. Com a privatização em 1996, a farra acabou, mesmo com a linha não tendo sido usada por quem recebeu a concessão. Depois, o trecho de linha entre Conrado e Japeri foi praticamente erradicado. Pontes caídas, aterros destruídos, dormentes e trilhos utilizados para cercas, ou roubados.


ACIMA: Desastre sem vítimas de trem cargueiro na estação em 1930 (Folha da Manhã, 12/8/1930). ABAIXO: Estação de Conrado sendo restaurada e limpa em 1986 (O Estadod e S. Paulo, 1986).

ABAIXO: Ponte próxima a Conrado, em 1985 (Foto Hugo Caramuru).

O "trem mineiro" da Leopoldina fazia a viagem de Barão de Mauá a Recreio. Em 20 de agosto de 1980, era sua última viagem. Ele agora ia somente até Recreio, antes ia até Ubá, Ponte Nova, Caratinga. O jornal registrou a viagem: "São 8h40 da manhã e um galo canta, atrasado como o trem. Na pequena estação de Conrado, os dois telégrafos (Siemens Brothers & Co., Londres) brilham como se tivessem sido feitos ontem. Na parede um velho relógio oito marca o tempo há 100 anos. Um velho severo, de barbas e suíças, olha imperturbável, de um quadro, a plataforma vazia. 'É o Comendador Conrado', dizem sem maiores detalhes. O chefe do trem consulta o relógio (de pulso) e, entre britânico e surrealista, informa que 'a chegada do trem a Três Rios está prevista para as 11h7m".
AO LADO: A última viagem do Trem Mineiro, Jornal do Brasil, 22/8/1980)
(Fontes: Thiago Costa; Newton Carneiro; Halley Oliveira; Cristoffer R.: notas, 2004; Folha da Manhã, 1930; O Estado de S. Paulo, 1986; A. Soukhef e V. D'Alessio: Leopoldina Railway, 2005; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; Jornal do Brasil, 1980; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Conrado nos anos 1980. Embora pareça ser uma foto mais antiga, ela foi tirada quando de uma viagem da locomotiva 327 da antiga Leopoldina, recém-reformada em Porto Novo. Foto extraida do livro Leopoldina Railway, de A. Soukhef e V. D'Alessio, 2005

A estação, c. 1998. Acervo Thiago Costa

A estação em 2002. Foto Newton Carneiro

A estação em 2002. Foto Newton Carneiro

A estação em 2012. Foto Halley Oliveira
 
     
Atualização: 30.08.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.