A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Barra do Piraí
Aristides Lobo
Bacia de Pedras
...

...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1998
...
 
E. F. Dom Pedro II (1865-1889)
E. F. Central do Brasil (1889-1975)
RFFSA (1975-1996)
ARISTIDES LOBO
(antiga YPIRANGA)
Município de Vassouras, RJ (veja o bairro)
Linha do Centro - km 115,592 (1937)   RJ-1375
Altitude: 354 m   Inauguração: 13.04.1865
Uso atual: abandonada e em ruínas (2007)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: Primeira linha a ser construída pela E. F. Dom Pedro II, que a partir de 1889 passou a se chamar E. F. Central do Brasil, era a espinha dorsal de todo o seu sistema. O primeiro trecho foi entregue em 1858, da estação Dom Pedro II até Belém (Japeri) e daí subiu a serra das Araras, alcançando Barra do Piraí em 1864. Daqui a linha seguiria para Minas Gerais, atingindo Juiz de Fora em 1875. A intenção era atingir o rio São Francisco e dali partir para Belém do Pará. Depois de passar a leste da futura Belo Horizonte, atingindo Pedro Leopoldo em 1895, os trilhos atingiram Pirapora, às margens do São Francisco, em 1910. A ponte ali constrruída foi pouco usada: a estação de Independência, aberta em 1922 do outro lado do rio, foi utilizada por pouco tempo. A própria linha do Centro acabou mudando de direção: entre 1914 e 1926, da estação de Corinto foi construído um ramal para Montes Claros que acabou se tornando o final da linha principal, fazendo com que o antigo trecho final se tornasse o ramal de Pirapora. Em 1948, a linha foi prolongada até Monte Azul, final da linha onde havia a ligação com a V. F. Leste Brasileiro que levava o trem até Salvador. Pela linha do Centro passavam os trens para São Paulo (até 1998) até Barra do Piraí, e para Belo Horizonte (até 1980) até Joaquim Murtinho, estações onde tomavam os respectivos ramais para essas cidades. Antes desta última, porém, havia mudança de bitola, de 1m60 para métrica, na estação de Conselheiro Lafayete. Na baixada fluminense andam até hoje os trens de subúrbio. Entre Japeri e Barra do Piraí havia o "Barrinha", até 1996, e finalmente, entre Montes Claros e Monte Azul esses trens sobreviveram até 1996, restos do antigo trem que ia para a Bahia. Em resumo, a linha inteira ainda existe... para trens cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Aristides Lobo foi aberta em 1865 com o nome de Ypiranga, às margens da Estrada do Presidente Pedreira, localização que constava, no decreto 4373 de 20 de maio de 1869, ou seja, 4 anos depois da abertura da estação.

"Nota-se as mesmas faltas que na estação de Vassouras" (Relatório apresentado a S. Ex. o Sr. Conselheiro Joaquim Antão Fernandes Leão, Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Agricultura, Commercio e Obras Públicas, pelo Conselheiro Manoel da Cunha Galvão, em 29/10/1868) (ou seja, a estação precisava ser assoalhada, pois era apenas ladrilhada de cimento).

O nome, que se conservou até os anos 1940, deu origem à vila homônima que produzia telhas e tijolos para toda a região.

Em 1990 já as cerâmicas estavam todas desativadas e a cidade abandonada. A estação já estava em ruínas.

O nome Ipiranga, no entanto, ainda denominava em 2007 a paupérrima vila que insiste em lá permanecer ainda hoje.

1941
AO LADO:
Descarrilamento próximo à estação de Ypiranga (O Estado de S. Paulo, 22/4/1941).

ACIMA: Estação de Ypiranga - provavelmente anos 1940 (Autor desconhecido).


ACIMA: A estação e os arredores em 1960, com os prédios ainda inteiros e o trem de passageiros à sua frente, sentido Três Rios (Foto IBGE).
ACIMA: A estação e os arredores em junho de 2007, vistos quase do mesmo ponto: tudo deteriorado. O rio parece menos cheio e mais longe da estação. Do belo casarão somente restam os pilares. A estação em ruínas. A linha não tem mais o desvio, somente a linha principal. Algumas casas ainda estão de pé. A vista ficou muito mais feia. Somos nós acabando com a nossa própria casa (Foto Jorge Alves Ferreira).

TRENS - Os trens de passageiros pararam nesta estação de 1865 até 1980. Ao lado, o trem Rio-Belo Horizonte, que fazia esse percurso. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1968 (Guias Levi).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Gutierrez L. Coelho; Jorge Alves Ferreira; O Estado de S. Paulo, 1990; Central do Brasil: relatório oficial, 1937; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928; IBGE; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 1960. Foto IBGE

A estação já em ruínas, em 1989. Foto de O Estado de S. Paulo

Em 1998, ela estava ainda pior. Foto Ralph M. Giesbrecht

Em 1998, ela estava ainda pior. Foto Ralph M. Giesbrecht

Em 02/2006, ainda de pé. Foto Gutierrez L. Coelho
 
     
Atualização: 08.10.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.