A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Santana da Barra
Barra do Piraí
Aristides Lobo
...
Saída para o ramal de São Paulo: Pulverização
...
Entroncamento com a RMV - linha da Barra:
Prosperidade
Barra do Piraí
Santana-RMV
...

...

Mapa da cidade e suas linhas, em 1928
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2008
...
 
E. F. Dom Pedro II (1864-1889)
E. F. Central do Brasil (1889-1975)
RFFSA (1975-1996)
MRS (1996-2013)
BARRA DO PIRAÍ
Município de Barra do Piraí, RJ
Linha do Centro - km 108,222 (1928)   RJ-1371
    Inauguração: 07.08.1864
Uso atual: estação   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1864
 
 
HISTORICO DA LINHA: Primeira linha a ser construída pela E. F. Dom Pedro II, que a partir de 1889 passou a se chamar E. F. Central do Brasil, era a espinha dorsal de todo o seu sistema. O primeiro trecho foi entregue em 1858, da estação Dom Pedro II até Belém (Japeri) e daí subiu a serra das Araras, alcançando Barra do Piraí em 1864. Daqui a linha seguiria para Minas Gerais, atingindo Juiz de Fora em 1875. A intenção era atingir o rio São Francisco e dali partir para Belém do Pará. Depois de passar a leste da futura Belo Horizonte, atingindo Pedro Leopoldo em 1895, os trilhos atingiram Pirapora, às margens do São Francisco, em 1910. A ponte ali constrruída foi pouco usada: a estação de Independência, aberta em 1922 do outro lado do rio, foi utilizada por pouco tempo. A própria linha do Centro acabou mudando de direção: entre 1914 e 1926, da estação de Corinto foi construído um ramal para Montes Claros que acabou se tornando o final da linha principal, fazendo com que o antigo trecho final se tornasse o ramal de Pirapora. Em 1948, a linha foi prolongada até Monte Azul, final da linha onde havia a ligação com a V. F. Leste Brasileiro que levava o trem até Salvador. Pela linha do Centro passavam os trens para São Paulo (até 1998) até Barra do Piraí, e para Belo Horizonte (até 1980) até Joaquim Murtinho, estações onde tomavam os respectivos ramais para essas cidades. Antes desta última, porém, havia mudança de bitola, de 1m60 para métrica, na estação de Conselheiro Lafayete. Na baixada fluminense andam até hoje os trens de subúrbio. Entre Japeri e Barra Mansa havia o "Barrinha", até 1996, e finalmente, entre Montes Claros e Monte Azul esses trens sobreviveram até 1996, restos do antigo trem que ia para a Bahia. Em resumo, a linha inteira ainda existe... para trens cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Barra do Piraí foi inaugurada em 1864 pelo Imperador, para ser o maior entroncamento ferroviário do Brasil. Havia na estação, até 1912, uma passarela ligando as duas plataformas, que foi retirada nesse ano com a construção de um subterrâneo, que recebeu o nome de Condessa de Frontin, em homenagem à esposa do consagrado engenheiro. Dali partia o ramal de São Paulo, o trecho mais rentável da EFCB. Também ali

ACIMA: A estação da Barra - então o nome da cidade e da estação - em 1881 (Colecção de 44 vistas photográphicas da Estrada de Ferro Pedro 2º, 1881).

TRENS - Os trens de passageiros pararam nesta estação de 1864 até 1996. Ao lado, o trem Barrinha, que fazia o percurso Japeri-Barra do Piraí até 1996. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1978. Paravam também trens Rio-SP e Rio-BH. (Guias Levi).
cruzava a linha da Barra, ramal da Rede Mineira de Viação que ligava Soledade de Minas a Passa-Três, na serra fluminense, mas que tambám dava correspondência com toda a Rede Mineira, tendo uma estação própria, hoje desaparecida. Em 1928, dezesseis trens diários ligavam a cidade ao Rio de Janeiro. Até 1996, passava por ali o Barrinha, trem de passageiros e também cargueiro que ligava Barra do Piraí a Japeri, no pé da serra. O trem para Belo Horizonte parou em 1980, o de São Paulo em 1998. Hoje o entroncamento ainda existe, sem entretanto a linha da Barra, dali eliminada nos anos 1960. (Veja também BARRA DO PIRAÍ-RMV)
(Fontes: José Emilio Buzelin; Jorge A. Ferreira; Renato Cesar Favero; Eduardo Gonçalves David: EFCB - A Ferrovia e Sua História, AENFER, 1998; Colecção de 44 vistas photográphicas da Estrada de Ferro Pedro 2º, 1881; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação no início do século XX. Foto cedida por Jorge Alves Ferreira

Plataforma da estação em 1989. Foto José Emilio Buzelin

Ponto em que se bifurcam as linhas. Para a esquerda, o ramal de São Paulo. Foto José Emilio Buzelin

A estação, sem data. Acervo de Francino Salzer Rodrigues, cessão Jorge A. Ferreira

A estação em 2001. Foto Jorge Alves Ferreira

A estação em 2001. Foto Jorge Alves Ferreira

Parte do pátio da estação em 10/2010, mostrando uma das plataformas de embarque dos antigos trens de passageiros (à esquerda). Foto Jorge A. Ferreira
   
     
Atualização: 06.07.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.