A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Osvaldo Cruz
Bento Ribeiro
Marechal Hermes
...

...

CLIQUE SOBRE O MAPA ACIMA PARA VER AS LINHAS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO POR VOLTA DE 1955
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 1972
...

 
E. F. Central do Brasil (1914-1975)
RFFSA (1975-1997)
Supervia (1997-)
BENTO RIBEIRO
Município de Rio de Janeiro, RJ
Linha do Centro - km 19,278 (1928)   RJ-1370
Altitude: 19 m   Inauguração: 07.11.1914
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: Primeira linha a ser construída pela E. F. Dom Pedro II, que a partir de 1889 passou a se chamar E. F. Central do Brasil, era a espinha dorsal de todo o seu sistema. O primeiro trecho foi entregue em 1858, da estação Dom Pedro II até Belém (Japeri) e daí subiu a serra das Araras, alcançando Barra do Piraí em 1864. Daqui a linha seguiria para Minas Gerais, atingindo Juiz de Fora em 1875. A intenção era atingir o rio São Francisco e dali partir para Belém do Pará. Depois de passar a leste da futura Belo Horizonte, atingindo Pedro Leopoldo em 1895, os trilhos atingiram Pirapora, às margens do São Francisco, em 1910. A ponte ali constrruída foi pouco usada: a estação de Independência, aberta em 1922 do outro lado do rio, foi utilizada por pouco tempo. A própria linha do Centro acabou mudando de direção: entre 1914 e 1926, da estação de Corinto foi construído um ramal para Montes Claros que acabou se tornando o final da linha principal, fazendo com que o antigo trecho final se tornasse o ramal de Pirapora. Em 1948, a linha foi prolongada até Monte Azul, final da linha onde havia a ligação com a V. F. Leste Brasileiro que levava o trem até Salvador. Pela linha do Centro passavam os trens para São Paulo (até 1998) até Barra do Piraí, e para Belo Horizonte (até 1980) até Joaquim Murtinho, estações onde tomavam os respectivos ramais para essas cidades. Antes desta última, porém, havia mudança de bitola, de 1m60 para métrica, na estação de Conselheiro Lafayete. Na baixada fluminense andam até hoje os trens de subúrbio. Entre Japeri e Barra do Piraí havia o "Barrinha", até 1996, e finalmente, entre Montes Claros e Monte Azul os trens de passageiros sobreviveram até 1996, restos do antigo trem que ia para a Bahia. Em resumo, a linha inteira ainda existe... para trens cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Bento Ribeiro foi inaugurada em 1914, homenageando um prefeito carioca.
"Quando passava de trem por Bento Ribeiro observava uma linha que terminava no muro. Era o ramal do Campo dos Afonsos. A linha, que já foi retirada, saía da linha do canto esquerdo e atravessava a rua e seguia sobre o mercado Sendas. Entrei por essas ruas com o mapa na mão seguindo essa linha e não encontrei vestígios nenhum. Dentro do Campo dos Afonsos (base Aérea) parece existir uma cobertura para as locomotivas. As únicas informações que tenho são de meu pai: essa linha tinha 3 km, foi eletrificada em 1944 e a confirmação de que ali ela passava. Seu caminho está hoje debaixo de várias residências" (Anderson S. Novaes, 03/2007).

"Havia sim um ramal para o Campo dos Afonsos. Eu me lembro muito bem que moravamos na rua Jatobá, e no caminho para a Escola Publica Francisco Palheta (não sei se ainda existe), cruzávamos a linha do trem com muito cuidado, pois na época (1967-68) ainda havia trafego no ramal" (Gerson Oliveira, 03/2009). Este ramal, com 4 quilômetros, foi eletrificado, tendo sido inaugurada esta melhoria em fevereiro de 1944 (Gazeta de Noticias, 16/2/1944).

É hoje uma das estações de trens metropolitanos da Supervia.

1924
AO LADO:
Acidente atrasa a chegada do trem à estação de Itatiba em 31 de janeiro (O Estado de S. Paulo, 1/2/1924). Seria o mesmo acidente das fotos abaixo?


ACIMA e ABAIXO: Acidente com o trem em Bento Ribeiro, ocorrido em 1924. Os carros ficaram como está acima, enquanto a locomotiva ficou sem a parte de frente da caldeira. Era um dia chuvoso, como pode se ver na foto de cima (Revista A Careta, 09/02/1924).



ACIMA: Nas duas fotografias, em diferentes pontos próximos à estação de Bento Ribeiro, o asfalto desceu e podemos ver outra vez trechos dos trilhos que eram do ramal para o Campo dos Afonsos (Fotos Anderson S. Novaes, 03/2009). ABAIXO: No mapa, no canto direito superior, a estação de Bento Ribeiro. À esquerda dela, sai o ramal do Campo dos Afonsos. O mapa é de um guia de ruas de 1996, mas é pouco provável que a linha ainda existisse, ou que pelo menos não estivesse coberta por asfalto ou por construções já nessa época. Notar no canto inferior esquerdo parte do nome "Campo dos Afonsos", para onde a linha se dirige (Cortesia Anderson S. Novaes, 2007).
(Fontes: Anderson S. Novaes; Gerson Oliveira; Silvio Deodono; A Rua, 1921; Gazeta de Noticias, 1944; A Careta, 1924; O Estado de S. Paulo, 1924; Diario da Noite, 1959; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Comunicação, 1928; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Bento Ribeiro em 1921. Acervo Fabio Cezar. A Rua, 21/1/1921

Militares na estação. Diario da Noite, 10/9/1959.

Estação de Bento Ribeiro, 12/2002. Foto Silvio Deodono

A estação em 03/2009. Foto Anderson S. Novaes

A estação em 03/2009. Foto Anderson S. Novaes
 
     
Atualização: 05.10.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.