A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Cascadura
Madureira
Osvaldo Cruz
...

...

CLIQUE SOBRE O MAPA ACIMA PARA VER AS LINHAS NO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO POR VOLTA DE 1955
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 1997
...

 
E. F. Central do Brasil (1890-1975)
RFFSA (1975-1997)
Supervia (1997-2014)
MADUREIRA
Município de Rio de Janeiro, RJ
Linha do Centro - km 16,680 (1928)   RJ-2321
Altitude: 27 m   Inauguração: 15.06.1890
Uso atual: estação de trens metropolitanos   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: Primeira linha a ser construída pela E. F. Dom Pedro II, que a partir de 1889 passou a se chamar E. F. Central do Brasil, era a espinha dorsal de todo o seu sistema. O primeiro trecho foi entregue em 1858, da estação Dom Pedro II até Belém (Japeri) e daí subiu a serra das Araras, alcançando Barra do Piraí em 1864. Daqui a linha seguiria para Minas Gerais, atingindo Juiz de Fora em 1875. A intenção era atingir o rio São Francisco e dali partir para Belém do Pará. Depois de passar a leste da futura Belo Horizonte, atingindo Pedro Leopoldo em 1895, os trilhos atingiram Pirapora, às margens do São Francisco, em 1910. A ponte ali constrruída foi pouco usada: a estação de Independência, aberta em 1922 do outro lado do rio, foi utilizada por pouco tempo. A própria linha do Centro acabou mudando de direção: entre 1914 e 1926, da estação de Corinto foi construído um ramal para Montes Claros que acabou se tornando o final da linha principal, fazendo com que o antigo trecho final se tornasse o ramal de Pirapora. Em 1948, a linha foi prolongada até Monte Azul, final da linha onde havia a ligação com a V. F. Leste Brasileiro que levava o trem até Salvador. Pela linha do Centro passavam os trens para São Paulo (até 1998) até Barra do Piraí, e para Belo Horizonte (até 1980) até Joaquim Murtinho, estações onde tomavam os respectivos ramais para essas cidades. Antes desta última, porém, havia mudança de bitola, de 1m60 para métrica, na estação de Conselheiro Lafayete. Na baixada fluminense andam até hoje os trens de subúrbio. Entre Japeri e Barra do Piraí havia o "Barrinha", até 1996, e finalmente, entre Montes Claros e Monte Azul os trens de passageiros sobreviveram até 1996, restos do antigo trem que ia para a Bahia. Em resumo, a linha inteira ainda existe... para trens cargueiros.
 
A ESTAÇÃO: Na fazenda do Campinho, na Freguesia do Irajá, vivia um boiadeiro, Lourenço Madureira. Após sua morte, em 1851, a faenda começou a se desenvolver como um bairro. Apesar de os trilhos terem chegado lá em 1858 com a E. F. Dom Pedro II, somente em 1890, já como Central do Brasil, a ferrovia instalou ali

ACIMA: Estação de Madureira, 1952 (A Cigarra, abril de 1952). ABAIXO: Acidente envolvendo uma locomotiva Prado Uchoa (Foto Jankiel em 23/9/1954, Jornal Ultima Hora - acervo Arquivo Público do Estado de S. Paulo).

uma estação, com o nome do antigo proprietário: Madureira. Até então, a estação utilizada pelos moradores era a o do bairro de Cascadura, distante cerca de 1.200 metros dali. "A inauguração da estação de Madureira foi no dia 15 de junho de 1890. (...) Até esta data os trens só iam até Cascadura e voltavam para a estação do Campo de Sant'Anna, numa operação giratória vagão por vagão. Mais tarde, no final do século XIX, foi inaugurada a estação de Dona Clara, que acabou com o sistema giratório, pois a linha

ACIMA: Parte do pátio da estação de Madureira em 1909. Reparar nas casas ao fundo, de construção bem típica da Central do Brasil nessa época. Alguma ainda existiria hoje? (Foto Augusto Malta). ABAIXO: Estação de Madureira, anos 1950 (Foto Gilson Costa).
férrea saia da sua rota normal, para fazer uma grande curva em torno dessa estação, que ficava onde hoje é a Praça Patriarca, em Madureira. Essa estação foi construída na antiga chácara de Dona Clara Simões. Todas as terras de Madureira, do Campinho até a Estrada da Portela, pertenciam a Dona Rosa Maria dos Santos, era a Fazenda do Campinho. Dona Rosa faleceu em 1846. Ainda em vida, dividiu parte da sua propriedade a parentes e pessoas amigas. Uns que receberam lotes foram o inventariante Domingos Lopes Cunha e o amigo de Dona Rosa, Vitorino Simões. Mais tarde,
ACIMA: A plataforma da estação de Madureira em 1975 (Autor desconhecido). ABAIXO: A plataforma da estação de Madureira mostra em 2011 a seu lado um quase sexagenário TUE da Série 1000 (antigo 200 da EFCB "modernizado" (Foto Rafael Asquini, 9/4/2011).


Domingos Lopes casou-se com a filha do Vitorino, Dona Clara Simões. Em 1937, com a eletrificação da E. F. Central do Brasil, a estação de Da. Clara foi desativada, já que os trens elétricos não precisavam dar a volta
" (www.wsc.jor.br/jacarepagua/1.htm). Há fontes que citam a data de 1896 como a da chegada da estação. De qualquer forma, ela hoje serve como estação de trens metropolitanos.
(Fontes: Rafael Asquini; Hélio Suevo Rodrigues; Augusto Malta; Maria Thereza Kahl Fonseca; Gilson Costa; Ignacio Ferreira; Anderson --; Jankiel/Ultima Hora, 1954; Arquivo Público do Estado de S. Paulo; http://pt.wikipedia.org; A Cigarra, 1952; www.wsc.jor.br/jacarepagua/1.htm; Max Vasconcellos: Vias Brasileiras de Communicação, 1928; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Madureira em 1937. De um lado o trem a vapor, de outro, o elétrico. Acervo Hélio Suevo Rodriguez

Estação de Madureira, anos 1940. Autor desconhecido

Estação de Madureira, anos 1940. Autor desconhecido

Estação de Madureira, em 1954. Autor desconhecido

A estação em 2006. Foto Ignacio Ferreira

A estação em 2007. Foto Anderson
     
Atualização: 22.06.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.