A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Barão de Camargos
Sinimbu
Dona Euzébia
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Leopoldina (1878-1975)
RFFSA (1975-1996)
SINIMBU
Município de Cataguases, MG
Linha do Centro - km 362,544 (1960)   MG-0803
    Inauguração: 01.11.1878
Uso atual: em reforma   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: O trecho entre Porto Novo do Cunha, ponta do ramal de Porto Novo da EFCB em 1871, e a cidade de Ubá foi a própria origem da E. F. Leopoldina. O primeiro trecho foi aberto em 1874, de Porto Novo a Volta Grande, e no ano seguinte os trilhos já chegavam a Santa Izabel (Abaíba). Em 1879, a estrada já atingia Ubá, passando por Cataguazes, e tendo um ramal para a cidade de Leopoldina, esta sim, a origem do nome da ferrovia. Em Ubá, a linha do Centro se juntava com a linha Três Rios-Caratinga. A partir daí, com a compra de outras ferrovias e diversos prolongamentos em várias linhas, a Leopoldina se desenvolveu até ter uma das maiores malhas ferroviárias do País, entrando pelo Estado do Rio de Janeiro, atingindo a então capital federal e também chegando a Vitória, no Espírito Santo. A linha-mestra foi chamada de Linha do Centro e vinha da cidade do Rio de Janeiro por Petrópolis, e mais tarde pela Linha Auxiliar da EFCB, que nos anos 60 acabou por ser incorporada à rede da Leopoldina. Em 1971, a Leopoldina desapareceu, incorporada de vez pela Refesa; hoje mais da metade da sua antiga malha viária está desativada. A Linha do Centro somente tem em atividade real para cargueiros basicamente o trecho entre Cataguazes e Porto Novo, enquanto que os trens de passageiros que por ali passavam já não existem desde os anos 70.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Sinimbu foi inaugurada em 1878. Outras fontes dão como data de abertura o ano de 1880. A linha que por ali passa está sem utilização há anos, embora esteja de posse da concessionária FCA. "Infelizmente a estação de Sinimbu somente pode ser fotografada deste lado. Do outro o atual morador já a desfigurou completamente. Os trilhos ainda estão lá, parte submersos num alagado que se formou ao lado do prédio, parte semi-enterrados. A estação deve ter sido construída apenas para atender a fazenda Sinimbu, que existe até hoje. O local não evoluiu, são 3 ou 4 casas minguadas (provavelmente construídas

ACIMA: A estação e, ao fundo, casa da vila de Sinimbu. ABAIXO: Casa-sede da fazenda Sinimbu (CLIQUE SOBRE ESTA IMAGEM PARA VER EM TAMANHO MAIOR) (Fotos Ricardo Quintero de Mattos, 11/2010).
pela Leopoldina). Com a chegada do asfalto na segunda metade dos anos 1960 e a construção de uma ponte de acesso sobre o Rio Pomba a estação perdeu o sentido e creio que tenha sido abandonada pela própria RFFSA
" (Gutierrez L. Coelho, 12/2004). Em dezembro de 2009 o rio Pomba transbordou e causou a maior enchente da Zona da Mata mineira. A estação de Sinimbu que fica a 100 metros do rio ficou muito danificada. As águas atingiram 1,5 m e o prédio; a força da correnteza arrancou suas pesadas portas. Em novembro de 2010 a prefeitura de Cataguases, através do repasse do ICMS Cultural do governo de Minas Gerais, recuperou o prédio e entregou a comunidade local que o utilizará como espaço cultural.
(Fontes: Ricardo Quinteiro de Mattos, 2010; Hugo Caramuru; Edmundo Siqueira: Resumo Histórico da Leopoldina Railway, 1938; Cyro Pessoa Jr.: Estudo Descritivo das Estradas de Ferro do Brasil, 1886; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-80)
     

A estação em 1990. Foto Hugo Caramuru

A estação em 12/2004. Foto Gutierrez L. Coelho

A estação em 11/2010. Foto Ricardo Quintero de Mattos
     
     
Atualização: 14.11.2010
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.