A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Italva
Cardoso Moreira
Doutor Matos
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
Cia. E. F. Carangola (1878-1890)
Cia. Barão de Araruama (1890)
E. F. Leopoldina (1890-1975)
RFFSA (1975-1973)
CARDOSO MOREIRA
Município de Cardoso Moreira, RJ
Linha de Carangola - km 390,085 (1960)   RJ-0564
    Inauguração: 29.11.1878
Uso atual: Câmara Municipal   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Companhia Estrada de Ferro do Carangola foi constituída em 20 de março de 1875. Tinha a concessão para diversas linhas nas Províncias do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Entre essas, o que viria a ser mais tarde a linha de Carangola, incorporado pela Cia. Leopoldina em 1890, foi aberto entre as estações de Murundu e de Santo Antonio do Carangola (Porciúncula) entre os anos de 1878 e 1886. A Linha de Carangola foi extinta pela RFFSA em 31/12/1973 no trecho entre Porciúncula e Itaperuna, e em 1/11/1977 no trecho restante.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Cachoeiro foi inaugurada em 1878 (há fontes que citam a data de 4 de dezembro do mesmo ano e não 29 de novembro). Era então a estação terminal da linha que vinha de Campos e Murundu, e assim ficou por alguns anos até que fosse definitivamente prolongada até Porciúncula. Como é sabido, o trecho entre Murundu e Campos da E. F. Carangola mais tarde tornou-se parte da linha do litoral, sendo denominado de Linha do Carangola o trecho entre Murundu e Porciúncula. Na inauguração da estação, compareceu o casal imperial. O imperador teria acompanhado a comitiva até as cachoeiras do rio Muriaé e ficado apreciando o belo espetáculo, como conta a história. As obras estiveram paradas nessa estação de 1878 a 1881, quando seguiram para Porto Alegre (Itaperuna) e mais algum tempo nessa estação até finalmente serem terminadas, alcançando Porciúncula, devido a disputas de interesses entre a E. F. Leopoldina e esta ferrovia no trecho próximo a Carangola. A localidade de Cachoeiro, que deu o nome inicial da estação, ficava na margem oposta do rio. Mais tarde o nome foi alterado para Cardoso Moreira, fazendeiro, comendador e principal acionista da E. F. Carangola, além de

ACIMA: A cidade de Cardoso Moreira e o rio Muriaé. Em janeiro de 2012, a cidade sofreu mais uma vez com as cheias. Não tem mais ferrovia, mas, na época desta, várias vezes o tráfego ficou interrompido no ramal e trilhos foram levados pelas águas (O Estado de S. Paulo, 15/1/2012).
grande investidor em obras na região. A ferrovia foi vendida em 1890 para a E. F. Barão de Araruama, que poucos meses depois a repassou para a Leopoldina, embora essa venda apareça como tendo ocorrido em 1888, segundo alguns autores. A cidade acabou se desenvolvendo em torno da estação, mas somente em 1993 houve a transformação em município autônomo. Trens de passageiros foram desativados em 1/11/1977, quando a estação foi fechada. Nessa época, o trem saía diariamente de Murundu às 8:25 da manhã e chegava em Cardoso Moreira às 9:35. Às 16:49, o trem passava de volta para Murundu, onde se encontrava com o trem que ia para Niterói. O prédio da estação está inteiro em setembro de 2007, foi repintado sem a preocupação de se manter os símbolos, mas está de pé, ocupada por destacamento da Polícia Militar do Estado do Rio. Também se indica que ali seria a Câmara Municipal. Fica a dúvida.
(Fontes: Gutierrez L. Coelho; Guia Geral das Estradas de Ferro, 1960; Guias Levi, 1932-80; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Antiga estação de Cardoso Moreira, em 9/9/2007. Foto Gutierrez L. Coelho

Antiga estação de Cardoso Moreira, em 9/9/2007. Foto Gutierrez L. Coelho

Antiga estação de Cardoso Moreira, em 9/9/2007. Foto Gutierrez L. Coelho
 
     
Atualização: 29.06.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.