Estados de Minas Gerais, do Rio de Janeiro e do Espírito Santo

E. F. Leopoldina - Linha de Manhuaçu
E. F. Leopoldina - Ramal de Muriaé
E. F. Leopoldina - Ramal de Paraoquena
E. F. Leopoldina - Linha de Carangola
E. F. Leopoldina - Ramal do Poço Fundo
E. F. Leopoldina - Ramal Sul do Espírito Santo
E. F. Leopoldina - Ramal de Castelo


HISTÓRICO DAS LINHAS:

LINHA DE MANHUAÇU: A linha que ligava a estação de Recreio a Santa Luzia (Carangola) teve a sua concessão e construção a cargo da Companhia Alto Muriaé, estabelecida em 1880. Em 2/5/1883, a empresa foi incorporada pela E. F. Leopoldina. Uma alteração de traçado da linha original para Muriaé levou a Leopoldina a passar por uma pequena extensão dentro de território fluminense, onde estava Santo Antonio (Porciúncula), retornando para Minas, seguindo para Carangola, onde chegou em 1887. De 1911 a 1915, a Leopoldina prosseguiu a linha até Manhuaçu, seu ponto final. O trecho Manhuaçu-Carangola foi fechado em 23/07/1975. Porciúncula-Carangola foi fechado em 1977, e em 1979, fechou-se a linha entre Cisneiros e Porciúncula. O pequeno trecho Recreio-Cisneiros nunca foi oficialmente suprimido.
mapa do ramal em 1961

LINHA DE CARANGOLA: A Companhia Estrada de Ferro do Carangola foi constituída em 20 de março de 1875. Tinha a concessão para diversas linhas nas Províncias do Rio de Janeiro e do Espírito Santo. Entre essas, o que viria a ser mais tarde a linha de Carangola, incorporado pela Cia. Leopoldina em 1890, foi aberto entre as estações de Murundu e de Santo Antonio do Carangola (Porciúncula) entre os anos de 1878 e 1886. A Linha de Carangola foi extinta pela Refesa em 31/12/1973 no trecho entre Porciúncula e Itaperuna, e em 1/11/1977 no trecho restante.
mapa do ramal em 1961

RAMAL DE PARAOQUENA: O ramal de Paraoquena foi aberto entre os anos de 1883 e 1891. Era na verdade uma ligação entre a linha de Manhuaçu, em Cisneiros, e a linha de Campos e Miracema, em Paraoquena. Nestas duas últimas linhas, os trens de passageiros circulavam independentemente, e para se fazer a curta distância entre as duas linhas (uma hora de trem), havia que se baldear nas duas estações. Somente no final dos anos 60 é que se pôde tomar trens diretos de Recreio para Campos, eliminando-se as duas baldeações. Este pequeno trecho, antigo ramal, nunca foi suprimido, tendo pouquíssimo movimento de cargueiros, mas ajudando a ligar a região de Cataguazes, em Minas Gerais, a Campos, no Estado do Rio.
mapa do ramal em 1961

RAMAL DE MURIAÉ: O ramal de Muriaé foi entregue entre os anos de 1885 e 1886, com apenas duas estações, para ligar a linha de Manhuaçu à cidade de São Paulo de Muriaé (Muriaé), conforme planos originais da E. F. Alto do Muriaé, comprada pouco antes pela Leopoldina. O ramal foi extinto em 31/05/1966.
mapa do ramal em 1961

RAMAL DO POÇO FUNDO: O ramal do Poço Fundo foi aberto em 1908 para facilitar a ligação da estação de Patrocínio do Muriaé, na linha de Manhuaçu, em Minas, e de Poço Fundo (Cândido Froes), na linha de Carangola, no Estado do Rio. Foi fechado pela Refesa em 11/04/1974.
mapa do ramal em 1961

RAMAL SUL DO ESPÍRITO SANTO: O Ramal Sul do Espírito Santo, assim denominado pela Leopoldina teve sua origem na E. F. Sul do Espírito Santo, que tinha uma linha construída na região de Vitória e pertencia ao Governo do Estado do Espírito Santo, e na E. F. Caravelas, ambas adquiridas pela Leopoldina em 1908. A Caravelas partia de Vitória para Castelo, de um lado, e para Rive, do outro, bifurcando na estação de Matosinhos (Coutinho). Estes trechos estavam prontos desde 1887. Para chegar a Minas Gerais, na linha do Manhuaçu, como rezava o contrato, a Leopoldina levou cinco anos, abrindo o trecho Rive-Alegre em 1912 e até Espera Feliz, ponto final, em 1913. No final dos anos 60, o trecho Cachoeiro-Guaçuí foi suspenso para passageiros e finalmente erradicado em 26/10/1972. O outro trecho, Espera Feliz-Guaçuí, transportou passageiros até a sua erradicação, em 05/11/1971.
mapa do ramal em 1961

RAMAL DE CASTELO: Esse trecho fazia parte da E. F. Caravelas, que deveria constituir toda a linha entre Castelo e Marataizes, no litoral, passando por Cachoeiro do Itapemirim. O trecho entre esta última e Castelo foi aberto em 1887, e parte dele (a partir de Coutinho) foi transformado no ramal de Castelo. O restante até Marataízes foi aberto apenas anos mais tarde. O ramal foi erradicado em 6/12/1963, tanto para caragas quanto para passageiros.
mapa do ramal em 1961

LINHA DE MANHUAÇU RAMAIS
ESTADO DE MINAS GERAIS
Recreio >> >> (entroncamento com a Linha do Centro da Leopoldina)
Angaturama
Cisneiros >> >> RAMAL DE PARAOQUENA
Tapirussu
Celidônio
ESTADO DO RIO DE JANEIRO  
Paraoquena >>
>> (entroncamento com a linha de Campos a Miracema)
Celeste  
Palma
Banco Verde
Silveira Carvalho
Barão de Monte Alto
Patrocínio do
Muriaé
>>
>> RAMAL DO POÇO FUNDO
>> RAMAL DE MURIAÉ
Ivaí
Muriaé
Eugenópolis  
Coelho Bastos  
Antonio Prado  
ESTADO DO RIO DE JANEIRO  
Dona Emília  
Porciúncula >> >> >> LINHA DE CARANGOLA
ESTADO DE MINAS GERAIS ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Tombos   Natividade
Faria Lemos   Bananeiras
Carangola RAMAL DO POÇO
FUNDO <<
<< Cândido Froes
Retiro do Muriaé
Comendador Venâncio
ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Patrocínio do Muriaé
Lacerdina   Itaperuna
General Aré
Ernestina
Caiana Nossa Senhora da Penha
Espera Feliz >> >> RAMAL SUL DO ESPÍRITO SANTO Paraíso
ESTADO DO ESPÍRITO SANTO
Divisa
Pimentel
São Romão
Guaçuí

A ponte que ligava a ferrovia de Guaçuí a Divisa, em 11/2005. Foto Marcos A. Farias
Celina

O túnel de 1915 que ligava a ferrovia de Celina a Guaçuí, em 11/2005. Foto Marcos A. Farias
Alegre
Rive
Vala do Souza
Cristal
Flora
Pacotuba
São João da Mata
Coutinho >> >> RAMAL DE CASTELO
Conduru
Araçuí
Castelo
Morro Grande
Cachoeiro do Itapemirim (entroncamento com a linha do Litoral)
Pedra Menina   Italva
Caparaó   Cardoso Moreira
Taquaruna
Vista Bela
Presidente Soares   Doutor Matos
Palmares
Manhumirim
Próximo a Manhuaçu, um dos últimos comboios de passageiros da Leopoldina. Foto enviada
por Cristoffer R.
Murundu (entroncamento com a linha do Litoral)
Reduto    
Manhuaçu    
     
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.