A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Guaçuí
Celina
Alegre
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2008
...
 
E. F. Leopoldina (1913-1972)
CELINA
Município de Alegre, ES
Ramal Sul do Espírito Santo - km 561,707 (1960)   ES-1717
    Inauguração: 24.11.1913
Uso atual: cartório e correios   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O Ramal Sul do Espírito Santo, assim denominado pela Leopoldina teve sua origem na E. F. Sul do Espírito Santo, que tinha uma linha construída na região de Vitória e pertencia ao Governo do Estado do Espírito Santo, e na E. F. Caravelas, ambas adquiridas pela Leopoldina em 1908. A Caravelas partia de Vitória para Castelo, de um lado, e para Rive, do outro, bifurcando na estação de Matosinhos (Coutinho). Estes trechos estavam prontos desde 1887. Para chegar a Minas Gerais, na linha do Manhuaçu, como rezava o contrato, a Leopoldina levou cinco anos, abrindo o trecho Rive-Alegre em 1912 e até Espera Feliz, ponto final, em 1913. No final dos anos 60, o trecho Cachoeiro-Guaçuí foi suspenso para passageiros e finalmente erradicado em 26/10/1972. O outro trecho, Espera Feliz-Guaçuí, transportou passageiros até a sua erradicação, em 05/11/1971. Sobram ainda trilhos desde Cachoeiro até próximo à estação de Coutinho, para transportar mármore e granito das diversas serrarias dessas pedras que existem na região.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Celina foi inaugurada em 1913 (*), no prolongamento do ramal, aberto entre Alegre e Espera Feliz, na linha do Manhuaçu, em Minas Gerais. Há fontes que citam a data de 24 de setembro desse mesmo ano, e até em maio do ano anterior, 1912. "Consegui através de uma Sociedade dos Amigos de Celina (SOCELI) salvar e restaurar a nossa estação ferroviária, motivo de muito orgulho para todos nós celinenses. Hoje ela está totalmente restaurada, como os ingleses a construíram no inicio

ACIMA e ABAIXO: Bela casa em frente à antiga estação ferroviária, em Celina. No dístico sobre as janelas, a data da construção: 1926. Oitenta e dois anos depois, ela está abandonada, mas mantém a imponência (Fotos Ralph M. Giesbrecht, outubro de 2008).
do século passado, e abriga o cartório de registro civil e a agência dos Correios do distrito de Celina. Em breve ainda este ano, vamos também instalar no seu interior, um posto bancário do BANESTE. A sua inauguração ocorreu em maio de 1912, segundo dados que encontrei nos arquivos da rede ferroviária federal no Rio de Janeiro. O trem de passageiros foi desativado em 1967, os trilhos foram arrancados em 1972 e presenciados por mim, que lá morava, com muita tristeza
" (Joseni Gouvêa, 11/2005). A estação estava em bom estado em outubro de 2008. A vila em volta, sede do distrito de Celina, é pequena e extremamente calma (*segundo o Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960).
     

A vila de Celina nos anos 1950. No centro, ao fundo, a estação. Autor desconhecido

A estação no dia da retirada dos trilhos com a máquina a vapor ao lado dela, em 1973. Foto Adilson Cazelli

A estação de Celina no início da reforma, em 1991, depois de anos abandonada. Acervo Marcos A. Farias

A estação de Celina em 2005. Foto Marcos A. Farias

A estação de Celina em 2005. Foto Marcos A. Farias

A estação de Celina em 2005. Foto Marcos A. Farias

A estação de Celina em 2005. Foto Marcos A. Farias

A estação em 18/10/2008. Foto Ralph M. Giesbrecht
 
     
Atualização: 11.05.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.