Siga Siga
A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Espera Feliz
Divisa
Pimentel
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...

 
E. F. Leopoldina (1913-1971)
DIVISA
Município de Dores do Rio Preto, ES
Ramal Sul do Espírito Santo - km 610,234 (1960)   ES-1719
Altitude: 774 m   Inauguração: 24.11.1913
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: O Ramal Sul do Espírito Santo, assim denominado pela Leopoldina teve sua origem na E. F. Sul do Espírito Santo, que tinha uma linha construída na região de Vitória e pertencia ao Governo do Estado do Espírito Santo, e na E. F. Caravelas, ambas adquiridas pela Leopoldina em 1908. A Caravelas partia de Vitória para Castelo, de um lado, e para Rive, do outro, bifurcando na estação de Matosinhos (Coutinho). Estes trechos estavam prontos desde 1887. Para chegar a Minas Gerais, na linha do Manhuaçu, como rezava o contrato, a Leopoldina levou cinco anos, abrindo o trecho Rive-Alegre em 1912 e até Espera Feliz, ponto final, em 1913. No final dos anos 60, o trecho Cachoeiro-Guaçuí foi suspenso para passageiros e finalmente erradicado em 26/10/1972. O outro trecho, Espera Feliz-Guaçuí, transportou passageiros até a sua erradicação, em 05/11/1971. Sobram ainda trilhos desde Cachoeiro até próximo à estação de Coutinho, para transportar mármore e granito das diversas serrarias dessas pedras que existem na região.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Divisa foi inaugurada em 1913, no prolongamento do ramal, aberto entre Alegre e Espera Feliz, esta última na linha do Manhuaçu, em Minas Gerais e ponto de chegada do ramal e já em território mineiro.

Trens de passageiros circularam por Divisa até novembro de 1971, quando o trecho Espera Feliz-Guaçuí teve o tráfego suspenso.

A estação foi demolida em 1985, para dar passagem a uma rua, segundo Joceni Gouvêa e Alex Amaral Lobato. Antes disso, já descaracterizada, havia servido de sede para a Prefeitura de Dores do Rio Preto, nome atual da cidade. Ronaldo F. Zini afirma que a estação foi destruída por causa de rixas políticas na cidade.

ACIMA: Trem passa pela cidade de Divisa, possivelmente anos 1950 (Fotografia extraída do livro Resenha Histórica de Dores do Rio Preto, de Carlos Magno Rodrigues Bravo - Cessão Instituto Histórico e Geográfico de Alegre - IHGA).

(Fontes: Marcos A. Farias; Ronaldo Ferreira Zini; Instituto Histórico e Geográfico de Alegre - IHGA; Carlos Magno Rodrigues Bravo: Resenha Histórica de Dores do Rio Preto, 2002; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação de Divisa, talvez anos 1950. Do livro Resenha Histórica de Dores do Rio Preto, de Carlos Magno Rodrigues Bravo - Cessão Instituto Histórico e Geográfico de Alegre (IHGA)

Já sem trilhos e desfigurada, provavelmente nos anos 1970, a antiga estação aparece como o primeiro prédio à esquerda. Cessão Marcos A. Farias

Nesta praça ficava a estação de Divisa, onde está a barraquinha de hamburguers. Foto Marcos A. Farias
 
     
Atualização: 24.12.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.