A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Barcelos
São João da Barra
Atafona
...

...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1996
...
 
E. F. Campista (c.1900-1902)
E. F. Leopoldina (1902-1962)
SÃO JOÃO DA BARRA
Município de São João da Barra, RJ
Ramal de Campista - km 355,267 (1960)   RJ-1862
Altitude: 11 m   Inauguração: c.1900
Uso atual: centro cultural   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Campista foi constituída em 16/10/1894, e inaugurou a linha entre Campos e Atafona em 3/9/1897. Foi vendida à Leopoldina em 1902, passando a se chamar ramal de Campista. Os trens de passageiros rodaram até cerca de 1962. A linha, ainda parcialmente assentada em diversos trechos em 1996, nunca foi oficialmente suprimida.
 
A ESTAÇÃO: A estação de São João da Barra foi a última a ser inaugurada no ramal, entregue até Atafona em 1897, e passou a ser sua estação terminal. Já existia em 1906, mas não consegui achar sua data de abertura. Nesse ano, a imprensa registrava de

ACIMA: Mapa dos anos 1950, mostrando parte do município de São João da Barra, com a estação no centro e muito próxima à foz do rio Paraíba do Sul. Reparar que a linha, no mapa, não segue até Atafona (falha do mapa, na época). Também pode-se notar um ramal com ramificações partindo da estação de Barcelos (IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, vol. VI, 1958).
forma irônica a precariedade do prédio então existente: "Olhai bem a plataforma esburacada, cheia de altos e baixos, a cobertura de zinco furado, sob que figura a sineta, provavelmente rachada. Admirai a elegante varanda de balaústres a machado, as severas linhas architectonicas periclitando, cai não cai, sobre a estacaria podre. Por fim, pensae nisto: trata-se da importante cidade de São João da Barra e de uma estação que todos os dias tem não pequeno movimento de passageiros... Quanto à Leopoldina, dá gordos dividendos aos seus accionistas de Londres" (O Malho, 1/12/1906). Em 1962, nos domingos, o trem partia da estação de Campos às 5:45 da manhã e chegava a São João da Barra às 7:29. O prédio atual, embora pouco maior do que o inicial de madeira, criticado em 1906, foi construído mais tarde em alvenaria, mas também não consegui ter uma data para esta construção. A estação fica dentro da cidade de São João da Barra, servindo em

ACIMA: A primitiva estação de São João da Barra, em 1906. A revista que publicou esta foto falava jocosamente do prédio, ironicamente criticando a sua fragilidade - era, ao que tudo indica, um casebre de madeira: "Que pensam os leitores que é isto? Uma casa de seringueiro no Acre? (...) Pois não é nada disso: é pura e simplesmente a estação de São João da Barra, da Leopoldina Railway Company" (O Malho, 01/12/1906). ABAIXO: A vila de São João da Barra por volta de 1915. É possível (mas não é conclusivo) que a estação seja o prédio que aparece do lado esquerdo, quase em frente ao caminho de terra que aparece também à esquerda, mais abaixo, na fotografia, indo debaixo para cima na mesma (A Careta, edição não identificada, certamente por volta de 1915).

1996 como delegacia de polícia. Em 2008, havia sido restaurado e transformado na "Estação das Artes", um centro cultural.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local, 1996; André Pinto; O Malho, 1906; A Careta, c. 1915; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1932-1979; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de São João da Barra em 1906. Foto da revista O Malho, de 1/12/1906

A estação de São João da Barra, em 14/12/1996. Foto Ralph Mennucci Giesbrecht

A estação em 2/12/2008. Foto André Pinto
 
     
Atualização: 30.03.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.