A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
São Gonçalo
Alcântara
Guaxindiba
...

...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Leopoldina (1927-1975)
RFFSA (1975-1996)
ALCÂNTARA
Município de São Gonçalo, RJ
Linha do Litoral - km 92,843 (1960)   RJ-1489
    Inauguração: 09.07.1927
Uso atual: moradia   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O que mais tarde foi chamada "linha do litoral" foi construída por diversas companhias, em épocas diferentes, empresas que acabaram sendo incorporadas pela Leopoldina até a primeira década do século XX. O primeiro trecho, Niterói-Rio Bonito, foi entregue entre 1874 e 1880 pela Cia. Ferro-Carril Niteroiense, constituída em 1871, e depois absorvida pela Cia. E. F. Macaé a Campos. Em 1887, a Leopoldina comprou o trecho. A Macaé-Campos, por sua vez, havia consttuído e entregue o trecho de Macaé a Campos entre 1874 e 1875. O trecho seguinte, Campos-Cachoeiro do Itapemirim, foi construído pela E. F. Carangola em 1877 e 1878; em 1890 essa empresa foi comprada pela E. F. Barão de Araruama, que no mesmo ano foi vendida à Leopoldina. O trecho até Vitória foi construído em parte pela E. F. Sul do Espírito Santo e vendido à Leopoldina em 1907. Em 1907, a Leopoldina construiu uma ponte sobre o rio Paraíba em Campos, unindo os dois trechos ao norte e ao sul do rio. A linha funciona até hoje para cargueiros e é operada pela FCA desde 1996. No início dos anos 80 deixaram de circular os trens de passageiros que uniam Niterói e Rio de Janeiro a Vitória.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Pedro de Alcântara foi inaugurada em 1927. Hoje é somente Alcântara. Chamou-se também Lampadosa. "É quinta-feira, 26 de agosto (de 1999) e a saída do trem (da estação de Visconde de Itaboraí) das 9h15 está ameaçada. Há problemas na escova da locomotiva. Os mecânicos tentam um gatilho e os funcionários, amontoados numa sala suja e quase sem móveis, torcem, Acostumados aos atrasos e cancelamentos, alguns usuários, em pé, esperam pacientemente na plataforma. Outros desistem e vão para a parada de ônibus. Meia hora depois o problema está resolvido e os três vagões, com capacidade para 200 passageiros, partem levando pouco mais de 30 pessoas. A maioria das portas defeituosas segue aberta, enquanto outras já nem existem mais. Como a via é irregular e o trem balança muito, deve-se tomar cuidado para não cair. Os acidentes são freqüentes, apesar da baixa velocidade. O maquinista vai o tempo todo apitando para que as pessoas saiam da linha. Não há proteção e em alguns lugares o trem passa junto aos prédios. Outro motivo de atraso constante é o uso do leito da ferrovia para estacionamento de automóveis. Como o trem passa só a cada três horas - e nem sempre regularmente - muitos motoristas deixam os veículos sobre a linha e vão fazer compras ou entregas. Diante do abandono da linha, alguns acham até que o ramal está desativado. As paradas vão se sucedendo e o panorama não muda: Amaral, Itambi, Guaxindiba, Laranjal, Jardim Catarina. Em alguns pontos há pedras servindo de apoio para que os passageiros subam aos vagões, ou então bancadas e escadas de madeira, aterros e até alguma plataforma. Não há proteção para sol ou chuva. Banheiro e água, nem pensar. E segue o trem: Alcântara, Melado, Estrela do Norte, Rodoviária de São Gonçalo, São Gonçalo, Madama, Maricá". Há diversas outras paradas mas recentes na linha, como Amaral, entre Visconde de Itaboraí e Itambi, e mais outras entre Guaxindiba e Alcântara (Jardim Catarina, Laranjal e Santa Luzia), e entre esta e São Gonçalo (Estrela do Norte, São Miguel e Trindade), e mais algumas entre esta última e Niterói. Totalmente abandonada e pichada, o prédio da estação continuou ali ao lado da linha vendo o trem passar até 2006, quando ele parou. Continuava servindo de moradia em 2010 e o dístico com o nome antigo (Lampadosa) ainda existia!
(Fontes: Carlos Latuff; Cleiton Pieruccini; Revista da Semana, 1934; Relato (fonte desconhecida), 1999; O Dia, 2003; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 1934. O prédio era diferente do atual. Ou teria sido reformado e diminuído? Revista da Semana, 14/4/1934

A estação de Alcantara, em 09/2004. Foto Carlos Latuff

A estação em 9/2009. Foto Cleiton Pieruccini
 
     
Atualização: 05.10.2012
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.