A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Marechal Floriano
Domingos Martins
Pedra do Vento
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
Cia. E. F. Sul do Espírito Santo (1900-1907)
E. F. Leopoldina (1907-1975)
RFFSA (1975-1996)
DOMINGOS MARTINS
(antiga SANTA IZABEL e GERMÂNIA)
Município de Domingos Martins, ES
Linha do Litoral - km 596,154 (1960)   ES-1915
Altitude: 381 m   Inauguração: 01.01.1900
Uso atual: agência dos Correios e posto telefônico (2006)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O que mais tarde foi chamada "linha do litoral" foi construída por diversas companhias, em épocas diferentes, empresas que acabaram sendo incorporadas pela Leopoldina até a primeira década do século XX. O primeiro trecho, Niterói-Rio Bonito, foi entregue entre 1874 e 1880 pela Cia. Ferro-Carril Niteroiense, constituída em 1871, e depois absorvida pela Cia. E. F. Macaé a Campos. Em 1887, a Leopoldina comprou o trecho. A Macaé-Campos, por sua vez, havia constrtuído e entregue o trecho de Macaé a Campos entre 1874 e 1875. O trecho seguinte, Campos-Cachoeiro do Itapemirim,foi construído pela E. F. Carangola em 1877 e 1878; em 1890 essa empresa foi comprada pela E. F. Barão de Araruama, que no mesmo ano foi vendida à Leopoldina. O trecho até Vitória foi construído em parte pela E. F. Sul do Espírito Santo e vendido à Leopoldina em 1907. Em 1907, a Leopoldina construiu uma ponte sobre o rio Paraíba em Campos, unindo os dois trechos ao norte e ao sul do rio. A linha funciona até hoje para cargueiros e é operada pela FCA desde 1996. No início dos anos 80 deixaram de circular os trens de passageiros que uniam Niterói e Rio de Janeiro a Vitória.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Santa Izabel foi inaugurada em 1900 ainda pela E. F. Sul do Espírito Santo. Ficava então no município capixaba do mesmo nome.

A pedido da Leopoldina, que já administrava a linha na época, em 1910 a estação teve o nome alterado para Germânia, pois havia outra estação com o mesmo nome de Santa Izabel - esta outra seria a de Santa Izabel do Rio Preto, da V. F. Sapucaí, mais tarde, da RMV, no Estado do Rio de Janeiro. O novo nome foi dado somente à estação e homenageava a grande colônia alemã que povoava a cidade então.

Finalmente, em 18/10/1917, passou a chamar-se Domingos Martins, também a pedido da Leopoldina - provável consequência da guerra de 1914-18. Em 1921, o município passou a também ter o nome da estação, homenagem a um capixaba de nome Domingos José Martins (1781-1817) que combateu e foi fuzilado na revolução pernambucana de 1817.

A estação ficava em região de embarques de café.

Até hoje, fica longe do centro da cidade e é atração turística. No dístico, o nome "Vale da Estação". O prédio abrigava em 2006 um posto telefônico e uma agência dos Correios.
ACIMA: Próximo a Domingos Martins, um túnel escavado na terra desde o princípio do século XX (Foto Roberto Sarti) em 2012).

(Fontes: Altair Malacarne; Ronald Colombini Jr.; Marcos A. Farias; Roberto Sarti; O Estado de S. Paulo, 19/10/1917; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação nos anos 1910, ainda com o nome de Germânia. Acervo Altair Malacarne, São Gabriel da Palha, ES

A estação em 29/12/2003. No dístico: "Vale da estação". Foto Ronald Colombini Jr.

A estação em 02/2006. Foto Marcos A. Farias
 
     
Atualização: 10.01.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.