A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Esmeralda
Fernão Dias
Gália
...

Tronco oeste CP-1970

IBGE-1970
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1999
...
 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1928-1971)
FEPASA (1971-1976)
FERNÃO DIAS
Município de Fernão, SP
tronco oeste - km 409,300 (1957)   SP-0554
Altitude: 501,048 m   Inauguração: 01.01.1928
Uso atual: AGROFER (2013)   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: O chamado tronco oeste da Paulista, um enorme ramal que parte de Itirapina até o rio Paraná, foi constituído em 1941 a partir da retificação das linhas de três ramais já existentes: os ramais de Jaú (originalmente construído pela Cia. Rio-clarense e depois por pouco tempo de propriedade da Rio Claro Railway, comprada pela Paulista em 1892), de Agudos e de Bauru. A partir desse ano, a linha, que chegava somente até Tupã, foi prolongada progressivamente até Panorama, na beira do rio Paraná, onde chegou em 1962. A substituição da bitola métrica pela larga também foi feita progressivamente, bem como a eletrificação da linha, que alcançou seu ponto máximo em 1952, em Cabrália Paulista. Em 1976, já com a linha sob administração da FEPASA, o trecho entre Bauru e Garça que passava pelo sul da serra das Esmeraldas, foi retificado, suprimindo-se uma série de estações e deixando-se a eletrificação até Bauru somente. Trens de passageiros, a partir de novembro de 1998 operados pela Ferroban, seguiram trafegando pela linha precariamente até 15 de março de 2001, quando foram suprimidos.
 
A ESTAÇÃO: O núcleo da vila que surgiu durante a construção da estação da Paulista chamava-se Aparecidinha das Antas. A estação foi inaugurada, em 1928, como Fernão Dias, para seguir o alfabeto - era a vez da letra "F" - provavelmente por causa da serra das Esmeraldas, perto da cidade, considerando-se que Fernão Dias Paes era o "caçador de esmeraldas". Era, então, uma

ACIMA: A linha entre Duartina e Marília em 1948 (IGC - Instituto Geografico e Cartografico de São Paulo). ABAIXO: A estação e, ao fundo, o armazém, em 1989 - ambos já sem uso e sem trilhos: a estação parece estar sendo usada como moradia nessa época (Foto Nilton Gallo).
das estações do então ramal de Agudos, que, em 1941, passou a fazer parte do tronco oeste. Em 1976, com a eliminação da linha antiga entre Bauru e Garça, a estação foi desativada. O antigo bairro de Gália acabou se tornando município em 1995 com o nome de Fernão. A estação foi restaurada em 2001 depois de anos de abandono e passou a servir de sede para a Prefeitura Municipal. Foi novamente restaurada em 2007 para abrigar a casa da associação da agro-industria (AGROFER) local.
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht: pesquisa local; José H. Bellorio; Kleber Santos; José Pascon Rocha; Cia. Paulista: relatórios anuais, 1920-69; IGC - Instituto Geografico e Cartografico de São Paulo; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Fernão Dias, ainda operacional, em 1976. Foto José Pascon Rocha

A estação de Fernão Dias, em 1997, abandonada. Foto Kleber Santos

A estação sendo restaurada, em 09/10/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação sendo restaurada, em 09/10/1999. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação, já restaurada, em 15/05/2001. Foto José H. Bellorio

A estação, já restaurada, em 15/05/2001. Foto José H. Bellorio

A estação como AGOFER em 9/2013. Foto Mario Favaretto

A estação como AGOFER em 9/2013. Foto Mario Favaretto
 
     
Atualização: 15.12.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.