A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Bento Pedro
Guarujá
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 2007
...
 
Cia. Balneária da Ilha de Santo Amaro (1893-1901)
Cia. Guarujá (1901-1927)
S. P. Guarujá/Repart. Saneamento de Santos (1927-1935)
GUARUJÁ
Município de Guarujá, SP
"Tramway do Guarujá" - km   SP-1975
    Inauguração: 02.09.1893
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1893
 
 
HISTORICO DA LINHA: A história do tramway do Guarujá se confunde com a própria história da cidade. Construída em 1893 para levar a alta sociedade paulista para suas casa de veraneio recém-construídas na praia de Pitangueiras, no Guarujá, a linha da Cia. Balneária da Ilha de Santo Amaro ligava o porto de Santos, via balsa, até a estação inicial de Itapema, e daí seguia para a estação final, em Pitangueiras. A propriedade da linha mudou de mãos várias vezes, até se tornar estatal, em 1927. Em 1925, com a eletrificação da linha, bondes elétricos passaram a circular com as locomotiva a vapor. A linha seguiu funcionando ininterruptamente até a sua desativação, em 1956. Os bondes foram transferidos para a E. F. Campos de Jordão, onde trabalham até hoje, e uma de suas locomotivas está exposta na avenida Leomil, em Pitangueiras, no Guarujá.
 
A ESTAÇÃO: A estação do Guarujá foi inaugurada com festas em 1893, e se confunde com a fundação da cidade, transformada em município em 1934, separando-se de Santos. "...o trem inaugural (...) em pouco tempo passava em frente ao Grande Hotel, entre entusiásticas vivas e aclamações, ao som do Hino Nacional, executado pela banda do Corpo Policial." A estação original ficava em frente ao hotel, junto à praia das Pitangueiras. Eduardo Etzel, no seu livro "O Guarujá e Eu", escreve que quando o trem se

ACIMA: O trem a vapor chega à estação do Guarujá em 1916. Do lado esquerdo, o Grande Hotel de La Plage, o estabelecimento que deu origem à cidade e construiu a ferrovia. Tanto um como a outra foram demolidos e erradicados. É assim que se faz memória no Brasil (Acervo Paulo Kramer).
aproximava da estação, "Por fim, uma rua com algumas casas, uma curva à direita e o mar visto através de um jardim, o Grande Hotel e finalmente uma simples estação". Realmente, a linha chegava perpendicular à praia, pela atual avenida Puglisi, e no final fazia uma curva de 90 graus para a direita, para atingir a estação. A estação durou lá até 1935, quando, já "caindo aos pedaços", foi desativada e substituída por outra, a dois quarteirões da praia, na avenida Leomil. Um ano antes, parte do telhado da plataforma havia desabado. Logo que mudado o ponto de embarque, a velha estação foi demolida. (ver também GUARUJÁ-NOVA)
(Fontes: Paulo Kramer; Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Gerodetti/Cornejo: Lembranças de São Paulo-II, de Waldemar Stiel, "História dos Transportes Coletivos de São Paulo", 1978; Guia Histórico do Guarujá, verão 2002)
     

A estação do Guarujá, 1905. Foto do livro Lembranças de São Paulo-II, de Gerodetti/Cornejo

Vista da varanda do Grande Hotel, a estação do Guarujá, à esquerda, ao fundo, em 1905. Foto do livro Lembranças de São Paulo-II, de Gerodetti/Cornejo

À direita, a plataforma da estação do Guarujá, em 1915. Foto do livro Lembranças de São Paulo-II, de Gerodetti/Cornejo
     
     
Atualização: 15.12.2012
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.