A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Retiro
Ibaté
Tamoio
...

Tronco CP-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2005
...
 
Cia. Rio-Clarense (1885-1888)
Rio Claro Railway (1888-1892)
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1892-1971)
FEPASA (1971-1998)
IBATÉ
(antiga VISCONDE DE PINHAL)

Município de Ibaté, SP
Linha-tronco - km 221,210 (1958)   SP-2033
Altitude: 825,730 m   Inauguração: 18.01.1885
Uso atual: abandonada e em ruínas (2016)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1948
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Cia. Paulista foi aberta com seu primeiro trecho, Jundiaí-Campinas, em 1872. A partir daí, foi prolongada até Rio Claro, em 1876, e depois continuou com a aquisição da E. F. Rio-Clarense, em 1892. Prosseguiu por sua linha, depois de expandi-la para bitola larga, até São Carlos (1922) e Rincão (1928). Com a compra da seção leste da São Paulo-Goiaz (1927), expandiu a bitola larga por suas linhas, atravessando o rio Mogi-Guaçu até Passagem, e cruzando-o de volta até Bebedouro (1929), chegando finalmente a Colômbia, no rio Grande (1930), onde estacionou. Em 1971, a FEPASA passou a controlar a linha. Trens de passageiros trafegaram pela linha até março de 2001, nos últimos anos apenas no trecho Campinas-Araraquara.
 
A ESTAÇÃO: Inaugurada em 1885, como Visconde do Pinhal. Em 1908, teve o nome alterado para Ibaté, que acabou mais tarde sendo sede de um novo município com esse nome. Nos anos 1940, a estação esteve ameaçada de ser desativada, quando a Paulista estudou um projeto de retificação da linha entre Retiro e Tamoio, que deixaria o prédio fora do leito (ver box mais abaixo). Em 1986, o prédio já estava em mau estado, e a FEPASA recomendava a sua demolição. Milagrosamente, ele continuou em pé, depois de abandonado por anos, com as portas e janelas fechadas com tijolos, e as poucas janelas que restaram com seus vidros quebrados. Em agosto de 2001 estava ocupada por uma empacotadora de alho, "Bom Alho"... Fica nos limites da área urbana de Ibaté. "Segundo meu avô, num dia de vento da década de 1940 a cobertura dessa estação voou quando um trem de passageiros parou por lá. A CP então mandou plantar uma barreira de bambus ao longo da estação para evitar o problema..." (Antonio Gorni, 2001). Em maio de 2005, estava abandonada e rondada por drogados. "Ao conversar com meu tio este fim de semana, em São Carlos, soube que um pequeno trecho da linha tronco da CP foi retificada no final dos anos 1940 perto de Ibaté. Esse meu tio era moleque na época e se divertia no aterro em
construção, para desespero de sua mãe, pois voltava imundo... A terra para o aterro vinha de um corte da estrada. Era usado um sistema cíclico de burricos, os quais traziam automaticamente a terra do corte para o aterro. A cada 500 metros ficava um peão supervisionando o "tráfego". Ao chegar no local indicado, um peão pegava o burrico, despejava a carga, dava-lhe um tapinha e ele voltava ao ciclo... A nova linha foi inaugurada em 1949 (informação confirmada por meu pai). Isso fez com que a estação de Ibaté fosse mudada para um pouco mais longe da cidade. E, ao que parece, a estação antiga ainda existiria! Foi na nova estação que houve o "pé de vento" que fez levantar a cobertura da plataforma, logo no início do seu funcionamento. Ao que parece o incidente foi um pouco sério, na medida que as telhas, ao caírem de volta, atingiram as vidraças de um trem de passageiros que estava estacionado, quebrando-as e ferindo alguns passageiros. Por isso foi plantada uma fileira de bambus, que tive oportunidade de ver pessoalmente na minha única visita a essa estação, no (incrível!!) já longínquo ano de 1976
" (A. Gorni, 2005). Em 2016 estava em ruínas.

Por uma informação obtida num jornal de julho de 1948, confirma-se que, realmente, a estação de Ibaté atual já estava funcionando havia pouco tempo: "Com o término da retificação das linhas da Cia. Paulista em Ibaté, já se acha funcionando a nova estação dessa localidade. Situada distante da vila, com a qual se comunica por um caminho em más condições, impõe-se o estudo da abertura de uma rua que facilite o acesso do público à nova estação" .

AO LADO: Folha da Manhã, 25/7/1948)
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Diogo Bronzati; Hermes Y. Hinuy; Antonio A. Gorni; Rafael Correa; Ocimar Pratavieira; Roberto Camargo; Folha da Manhã, 1948; Filemon Peres: Cia. Paulista, 50 anos, 1918; Cia. Paulista: Relatórios oficiais, 1890-1969; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Ibaté em 1918, prédio original em local diferente da atual. Álbum dos 50 anos da Paulista, Museu de Jundiaí

Em 21/08/1998, a estação fechada e abandonada. Foto Ralph M. Giesbrecht

Em 21/08/1998, a estação fechada e abandonada. Foto Ralph M. Giesbrecht

Em 21/08/1998, a estação fechada e abandonada. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação, já pintada de amarelo, em 01/08/2001, e como depósito de alho. Foto Hermes Y. Hinuy

A estação de Ibaté em 05/2005. Foto Roberto Camargo

A estação em 21/12/2008. Foto Rafael Correa

Locomotiva da RUMO passa em frente à estação de Ibaté em 2012. Foto Ocimar Pratavieira

A estação em ruínas em 23/1/2016. Foto Diogo Bronzati
     
Atualização: 18.05.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.