A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Araras
Loreto
Elihu Root
...

ramal Descalvado-1935

IBGE-1960
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2009
...

 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1899-1971)
FEPASA (1971-1997)
LORETO
Município de Araras, SP
Ramal de Descalvado - km 138,780   SP-2279
Altitude: 595,000   Inauguração: 08.12.1899
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: Em 1877, a Paulista abria o primeiro trecho, partindo de Cordeiros até Araras, do que seria o prolongamento de seu tronco. Em 1880, a linha, com o nome de Estrada do Mogy-Guassú, atingia Porto Ferreira, na mesma época em que a autorização para cruzar o Mogi e chegar a Ribeirão Preto foi indeferida pelo Governo Provincial, em favor da Mogiana. A linha, então, foi desviada para oeste e atingiu Descalvado no final de 1881, seu ponto final. Em 1916, as modificações da Paulista na área entre Rio Claro e São Carlos, na linha da antiga Rio-Clarense, fizeram com que o trecho fosse considerado como novo tronco, deixando a linha a partir de Cordeiros como o Ramal de Descalvado. Desde o começo em bitola larga (1,60m), ele funcionou para trens de passageiros até julho de 1976 (Pirassununga-Descalvado) e até fevereiro de 1977 (Cordeirópolis-Pirassununga). Trens cargueiros andaram pela linha até o final dos anos 1980. Abandonado, o ramal teve os trilhos arrancados entre 1996 e 2003.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Loreto foi aberta em 1899, sem merecer uma linha sequer de citação sobre isso no relatório anual da Companhia Paulista. A estação situava-se onde hoje estão o bairro e a igreja do mesmo nome. Um dos mais importantes hortos da Paulista, o Horto de Loreto, era atendido por esta estação, e, nos anos 30, o maestro e compositor Villa-Lobos teria composto a música Trenzinho Caipira baseado nesta estação, depois de ter nela desembarcado para visitar a Fazenda Santo Antonio, da família Silva Telles, que costumava seguir dali para o seu destino em carruagens. Ao redor da igreja costumava-se fazer festas em

ACIMA: A família de Victor Ceron, chefe da estação de Loreto, posando na estação, provavelmente anos 1950. ABAIXO: Inspeção na estação, provavelmente anos 1960. Tudo isso mostrado nas fotografias é hoje uma avenida de asfalto (Acervo Vinicius Ceron Pereira).
homenagem a Nossa Senhora do Loreto, todos os anos, festas para as quais a Paulista cedia trens especiais que carregavam os convidados. Nos anos 1970, isso acabou. A estação foi desativada em 1962, de acordo com o relato de seu último chefe, depois removido para a estação de Cordeirópolis (onde trabalhou de 1963 até 1966, quando se aposentou), Isaías Barreto, em 2000 com 82

ACIMA: O trem para em Loreto, 1965 (Foto Plinio da Silva Telles).
anos. O depoimento de João de Mello, hoje veterinário em Araras, e nascido na frente da estação, é nostálgico: "Eu costumava entrar no armazém com meus amigos e galgava os sacos de açúcar; deitados lá em cima deles, ficávamos observando o carregamento dos trens. Eu morava na casa na frente da estação, e participava de todas aquelas festas; trens especiais da Paulista traziam quem

ACIMA: Entre as estações de Araras e de Loreto, o pequeno viaduto ferroviário que hoje não mais existe: tudo embaixo foi aterrado, quando a linha ainda existia, por volta de 1990. Sua posição exata pode ser vista na imagem abaixo, retirada do Google Maps em dezembro de 2009 - a rotatória quase ai centro da fotografia, da rua dos Coroados, esta aterrada, mostra o ponto exato do viaduto já retirado, vê-se o leito da linha, sem trilhos, cruzando de suoeste a nordeste (Fotos Plinio da Silva Telles e Google Maps).
quisesse participar. Hoje a casa, que tivemos de vender, foi totalmente descaracterizada, e o pomar, destruído
". A igreja hoje está fechada, sendo uma das poucas construções que sobraram na vila, semi-abandonada. Em 1986, a estação ainda estava de pé, abandonada; foi demolida pouco tempo depois. Perto dali fica a

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1899 a 1977. Na foto à esquerda, o trem do ramal está parado em Loreto. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1964 (Guias Levi).
sede do Horto de Loreto, da Paulista, hoje semi-abandonado e invadido pelos sem-terra, embora a casa tenha sido recentemente restaurada. Os trilhos foram retirados em outubro de 1997. A pintora Célia Barcellos imortalizou a estação a partir de uma velha fotografia, em dois desenhos em branco e preto. Por fim, como Cartago que foi salgada para que ali jamais florescesce outra civilização, todo o pátio da antiga estação de Loreto, inclusive as fundações das plataformas da estação e armazém (ver fotos abaixo) viraram uma avenida asfaltada. A memória? Ora, a memória... delenda a memória!
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; João de Mello; Plinio da Silva Telles; Vinicius Ceron Pereira; Filemon Peres; Google Maps, dezembro de 2009; Cia. Paulista: Álbum 50 Anos, 1918; FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1986; Ralph Mennucci Giesbrecht: Caminho para Santa Veridiana, Editora Cidade, 2003; Cia. Paulista: Relatórios oficiais, 1872-1969; IBGE, 1960; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Loreto, 1918. Foto do álbum dos 50 anos da Paulista

A estação, em 1947. Foto cedida por João Mello; acervo Vinicius Ceron Pereira

Plataforma de Loreto, 1950. Foto cedida por João Mello, que é o menino menor que aí aparece

A estação, apinhada de gente, provavelmente anos 1960. Autor desconhecido

Estação abandonada em 1986. Foto do relatório da Fepasa, 1986

Restos da plataforma da estação de Loreto, maio de 2000. Foto João de Mello
     
Atualização: 24.10.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.