A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Itaguaba
Morro do Ferro
Pratápolis
...

ramal de Passos - 1950

Guia Levi - 1941
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (n/d -1958)
MORRO DO FERRO
Município de Pratápolis, MG
Ramal de Passos - km 118,683 (1937)   MG-2503
  Inauguração: n/d
Uso atual: n/d   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Passos foi inaugurado em seu primeiro trecho de 15 quilômetros ligando Guaxupé a Guaranésia, em 1912. Foi sendo prolongado aos poucos, chegando a Passos, onde terminava, somente em 1921. Em 1976, o tráfego de passageiros foi eliminado, sobrando os cargueiros, que, com o tempo, passaram a atender somente ao carregamento de cimento da fábrica de Itaú de Minas, e vindo não por Guaxupé, mas por São Sebastião do Paraíso, ali chegando pela antiga linha da São Paulo-Minas. Com isso, o trecho entre Guaxupé e S. S. Paraíso foi abandonado, e teve os trilhos retirados por volta de 1990. O trecho entre Paraíso e Itaú de Minas ainda tem seus trilhos, mas as cargas de cimento deixaram de circular já há anos e o abandono da linha é total. O trecho final até Passos teve também os trilhos retirados.
 
A ESTAÇÃO: A estação do Morro do Ferro foi inaugurada em data não definida, mas é sabido que uma publicação oficial da Mogiana de 1937 já acusava a sua existência. Era, na verdade, uma parada. "No quilômetro 136, perto do Morro do Ferro, uma chuva que Deus dará. Os aterros cederam. Na primeira descida, logo no início, ouvimos dois apitos distintos da locomotiva, que significava: "socorro!", porque o trem não oferecia segurança. O guarda, senhor já de idade bem avançada para exercer tal função, quase nada pôde fazer. Então, eu sai do lugar onde estávamos sentados, ou seja, em cima do vagão, e, muito assustado, comecei a apertar os freios manuais de todos os veículos, e o maquinista ajudando com o freio da dita locomotiva, o que nada resolvia. A essa altura, só se via fumaça e um barulho semelhante à trovoa-da. Apesar de ser dia, notava-se também fagulhas e fumaça provocadas pelo atrito das rodas no trilho. A descida se prolonga-va a uns cinco quilômetros, muito acentuada e, além disso, tinha que passar sobre uma ponte de uns dez metros, em curva. Com freios a vácuo e manuais apertados e os recursos da locomotiva, assim que terminou a demorada descida, ainda que a noventa por

ACIMA: A família, possivelmente do chefe da estação da época, posa junto à estação de Morro do Ferro, nos anos 1950 (Acervo Paulo Filomeno).
hora em precários trilhos, acabou o medo. Mas as batidas acele-radas do coração continuaram. O trem continuou subindo, mesmo com os freios apertados, indo parar na estação que ficava mais ou menos a um quilômetro. Alguns de nós, com os olhos rasos d'água, considerando uma graça alcançada, recebíamos o pessoal vizinho da estação que veio ao nosso encontro e olhava para o trecho percorrido querendo saber a causa do carreirão naquela descida que ficou toda enfumaçada. Ofereciam-nos água para acalmar o susto. A partir daquele momento, nós mesmos gradua-mos todos os freios dos vagões. Engraxamos todas as correntes dos breques e conseguimos levar o trem sem mais acidentes
" (Olavo Amadeu de Assis, "O Ferroviário nos trilhos da saudade", 1985). O posto do Morro do Ferro foi fechado em 1958, de acordo com o relatório da Mogiana desse ano. O relatório da Fepasa de 1986 já não o citava mais.
(Fontes: Paulo Filomeno; Olavo Amadeu de Assis: O Ferroviário nos trilhos da saudade, 1985; Relação oficial de estações da Cia. Mogiana, 1937; Guia Levi, 1941; Fepasa: Relatório de Instalações Fixas, 1986; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     
     
     
     
Atualização: 21.04.2009
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.