A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
(1878-1979)
Urutuba
Orissanga
Mato Seco
...

Tronco CM-1935
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1899-1971)
FEPASA (1971-1979)
ORISSANGA
Município de Mogi-Guaçu, SP
Linha-tronco original - km 104,595   SP-0752
    Inauguração: 01.08.1899
Uso atual: moradia   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1899?
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da Mogiana teve o primeiro trecho inaugurado em 1875, tendo chegado até o seu ponto final em 1886, na altura da estação de Entroncamento, que somente foi aberta ali em 1900. Inúmeras retificações foram feitas desde então, tornando o leito da linha atual diferente do original em praticamente toda a sua extensão. Em 1926, 1929, 1951, 1960, 1964, 1972, 1973 e 1979 foram feitas as modificações mais significativas, que tiraram velhas estações da linha e colocaram novas versões nos trechos retificados. A partir de 1971 a linha passou a ser parte da Fepasa. No final de 1997, os trens de passageiros deixaram de circular pela linha.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Orissanga foi inaugurada em 1899. Ficou fora do trecho com a abertura da variante Guedes-Mato Seco, em 1979. Não consegui chegar até o local em que a estação supostamente ainda estaria de pé, quando estive na região em 31/12/1999. "É claro que nós não nos conhecemos. Moro em São Paulo-Capital. Porém, vivi do meu 41º dia até meus 9 anos de idade nesse local maravilhoso. Minha irmã mandou-me a página contendo a estação de Orissanga, onde seu texto informava que não tinha conseguido localizá-la e fotografá-la. Pois bem, eu não iria te deixar sem tais fotos. Juntei o útil ao agradável e fui até lá matar a saudade e registrei a ida. Estou enviando-lhe as fotos. Afinal, meu avô, José Corrêa da Fonseca, foi inspetor de quarteirão no local por quase 40 anos. Para chegar hoje até onde era a antiga estação, deve-se ir pela rodovia Mogi-Guaçu-Aguaí até a entrada para o bairro Itaqui. Nesse local, há um posto de gasolina à direita. Entre à direita, deixe o posto à sua esquerda e siga a estrada de terra por aproximadamente 1 km. Nessa altura,

ACIMA: Esquema do pátio de Orissanga em novembro de 1968 (Clique sobre a figura para ter maiores informações) (Acervo Museu da Companhia Paulista, Jundiaí, SP - Reprodução Caio Bourg).
a estrada desemboca em outra, que é a antiga estrada de terra que liga Mogi a Aguaí. Entre à esquerda e siga mais 2 km, onde está Orissanga. Vivi no local de 1947 a 1957. Eu vi a linha ainda no apogeu. O trem era o meio de locomoção mais usado naquela época. Havia cerca de 3 a 4 trens de passageiros por dia além dos de carga. Para se ter uma idéia, ônibus só havia uma vez ao dia, uma jardineira Mogi-Guaçu a Cascavel (Aguaí) e vice versa. No local ainda há um aglomerado de aproximadamente seis casas. O leito da ferrovia sentido Aguaí virou laranjal. Do vilarejo de minha época, sobrou, além da estação, a casa-sede da fazenda Santa

ACIMA: Trem da Mogiana chega à estação de Orissanga, nos anos 1940 (Acervo Thomas Correa).
Helena, de meu avô, herdada por meu falecido pai Onofre Corrêa, e a casa de meu tio Orlando Corrêa. Havia 3 vendas (armazéns de secos e molhados) que pertenciam a Orlando Franco, Hermínio Brunheroto e Tilde Silveira. Não há mais nenhuma, nem mesmo os prédios onde se situavam. Ainda existe o prédio da Escola Mista da estação de Orissanga, transformada em moradia, onde cursei até o 3.º ano primário. Ela foi construida com recursos fornecidos por meu avô e fica atrás da estação, e a fita de inauguração da escola foi cortada por minha irmã Vera. A professora, Dna. Mariinha, Maria Leopoldina da Mata Antunes, mora em Mogi-Mirim até hoje. O Zé do Pito era o feitor da Mogiana. Em toda estação havia o chefe e o feitor, que era o responsável pela verificação periódica e sistemática de um trecho do leito da ferrovia, para conservação e manutenção. Para isso, ele possuia um carrinho composto de 4 rodas de ferro e um sistema de movimentação por um processo de alavanca. Com esse carrinho ele percorria o seu trecho sempre em horários que não havia trem. A criançada gostava muito de dar um voltinha no carrinho"
(José Onofre Barreto Fonseca, 01/11/2002).
(Fontes: João Carlos Reis Pinto; José Onofre Barreto Fonseca; Marcelo Mathias; Thomas Correa; Caio Bourg; Museu da Cia. Paulista, Jundiaí; Cia. Mogiana: Álbum, 1910; Cia. Mogiana: relatórios oficiais, 1875-1969; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Orissanga, c. 1910. Foto do álbum da Mogiana

A estação nos anos 1940. Acervo Thomas Correa

A estação em 1974. Foto cedida por Marcelo Mathias, de Ribeirão Preto, SP

A estação de Orissanga, em 2002. Foto José Onofre Barreto Fonseca

A estação de Orissanga, em 2002. Foto José Onofre Barreto Fonseca

A estação de Orissanga, ao fundo, em 2002. Foto José Onofre Barreto Fonseca

A estação de Orissanga, em 2002. Foto José Onofre Barreto Fonseca

Escola rural de Orissanga, em 2002. Foto José Onofre Barreto Fonseca

A estação de Orissanga, em 2002. Foto José Onofre Barreto Fonseca

A estação em 2011. Foto João Carlos Reis Pinto
   
     
Atualização: 10.12.2011
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.