A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Vila Paulicéia
Parada Inglesa
Tucuruvi
...

Cantareira-1950

Mapa de S. Paulo-1951
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 1999

...
 
Cia. Cantareira (1927 -1941)
E. F. Sorocabana (1941-1965)
PARADA INGLESA
Município de São Paulo, SP
Ramal de Guarulhos - km 6,390 (1960)   SP-2651
Altitude: 761 m   Inauguração: 21.11.1927
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Guarulhos começou como um ramal da E. F. da Cantareira, que, aberto em 15/11/1910, saía da estação do Areal e atingia o Asilo dos Inválidos, no Guapira (depois Jaçanã). Somente em 1913 foi aberta a primeira estação intermediária, Tucuruvi, e aos poucos outras estações passaram a ser abertas na linha, que atingiu Guarulhos em 1915. Em 1947 a linha teve a bitola ampliada de 60 cm para 1 metro, quando esta já atingia o aeroporto militar de Cumbica. Em 31/05/1965, o tráfego do ramal foi suprimido, um ano depois de o trecho Areal-Cantareira ter sido suprimido. Os trilhos foram retirados logo depois e diversas estações foram demolidas.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Parada Inglesa ficava não muito longe da atual estação com o mesmo nome, do Metrô. Deu o nome ao bairro em volta, e à estação atual do Metrô. "O nome vem do proprietário do lugar, o inglês William Harding, proprietário da gleba por onde passava a linha do tramway da Cantareira com destino ao Guapira. Para descarga de material foi construído ali um ponto de parada do tramway. Mais tarde foi construída a estação Parada Inglesa, inaugurada em 1927, com uma curiosidade, não tinha bilheteria, o bilhete era comprado a bordo do trem" (Werner Vana, 04/2003). Segundo Paulo Manoel Cruz, que chegou a vê-la ainda de pé já nos anos 1970, a estação era um prédio pequeno, simples,

ACIMA: Na velha Parada Inglesa de 1962, a camioneta roubada foi largada sobre oe trilhos e depois abalroada por um trem (Folha de S. Paulo, 20/2/1962).
esquina da rua do Tramway com a rua Natalino Righeto, e em seu de alvenaria, que ficava onde hoje é a lugar há um prédio de apartamentos. Nela somente havia uma linha - ali trens não cruzavam - e ela depois da desativação ficou um bom tempo abandonada. A estação, no ramal de Guarulhos, foi desativada com o fim do ramal em 1965, e posteriormente demolida. "Só queria fazer uma correção. A estação da Parada Inglesa ficava um pouco antes do orelhão que aparece na foto. Na esquina onde está o orelhão tinha um bar; um pouco antes do bar, mais ou menos na posição da pessoa que tirou a foto, ao lado esquerdo, ficava a estação. Depois havia a casa do Sr. Pascual e o colégio Frei Antonio Santana Galvão, onde estudei a primeira série. Depois havia a igreja, que raramente era usada, e hoje no local existe um convento. Nesta igreja morava dona Saturnina e o Sr. Joaquim, que tomavam conta dela. Ele vendia groselha na porta do colégio, era a melhor groselha do mundo. Lá na frente, do outro lado da esquina onde há aquele arbusto verde, havia outro bar que era do

ACIMA: CONTRASTE: Na estação do Metrô atual, com o mesmo nome de Parada Inglesa, a composição I19 mostra a modernidade, ali, bem pertinho da antiga estação da Cantareira (Foto Breno Dornelles em 2013).
'seu Chico' e ao lado, já descendo a rua Inglesa, havia uma barbearia e depois a quitanda da dona Maria. Eu acredito que a estação foi demolida em 68. Ela servia como abrigo para mendigos quando foi abandonada. Lembro-me que uma vez houve um crime lá. O bar da esquina do orelhão era muito movimentado, sempre com muitas pessoas bebendo e comendo peixes fritos. Na Copa de 1970 houve uma grande festa lá. Ao lado oposto da estação havia um corredor que corria no alto de um barranco, de onde apreciávamos o trem quando passava. Os moleques corriam atrás do trem e se penduravam no último vagão para ir nadar e caçar jaçanãs, onde hoje é o baiiro do Jaçanã. Aqueles foram os últimos anos da linha de trem e eram os primeiros da minha infância
" (Antonio Silva, 05/01/2007).
(Fontes: Breno Dornelles; Werner Vana; Paulo Manoel Cruz; Antonio Silva; Antonio Carlos Gallani Gonçalves; Rogério Nunes; Mapas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação por volta de 1950. Autor desconhecido. Cortesia Rogério Nunes

A estação ficava ao lado do prédio, à esquerda na foto, junto onde está a entrada de energia elétrica. Foto de julho de 2005, de Antonio Carlos Gallani Gonçalves
 
     
     
Atualização: 28.02.2015
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.