A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Maristela
Pereiras
Conchas
...

Tronco EFS - 1935

IBGE-1960
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 1998
...

 
E. F. Sorocabana (1896-1892)
Cia. União Sorocabana e Ytuana (1892-1907)
Sorocabana Railway (1907-1919)
E. F. Sorocabana (1919-1971)
FEPASA (1971-1998)
PEREIRAS
Município de Pereiras, SP
Linha-tronco - km 197,588   SP-2055
Altitude: 490 m   Inauguração: 1896
Uso atual: moradia nas ruínas (2015)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1928
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Pereiras foi construída em 1895 e inaugurada em 1896. Consta nos relatórios da E. F. Sorocabana que a data seria a de 21.07.1887, mas os historiadores de Pereiras contam que nessa data, quando ali chegaram os trilhos, o que foi erigido ali foi uma pequena parada, apenas. Nessa época, Pereiras já era município (villa) e a ela pertencia a atual cidade de Conchas. Foi em Conchas, na época apenas um bairro, que foi aberta uma estação nesse mesmo dia, pois, ali, a ferrovia passava junto à cidade, ao contrário de Pereiras, onde os trilhos passavam longe da cidade. Muitas histórias são contadas para tentar explicar por que Pereiras, que originalmente estava no projeto da Sorocabana para ter a linha junto a ela, foi preterida mesmo sendo a sede do município. O fato é que somente em 1896 é que o prédio da estação foi construído; aliás, pela população local, que o entregou à Sorocabana, que por sua vez o inaugurou no ano seguinte. Esse prédio é o que ali está até hoje, infelizmente em ruínas. Em agosto de 1918, a estação foi o palco de uma denúncia de "abandono de sacas de café ao relento" no seu pátio, notícia publicada no jornal O Estado de S. Paulo; porém, o próprio jornal se retratou alguns dias depois, corrigindo-se e afirmando que os armazéns de madeira caindo aos pedaços que apareciam nas fotografias eram na verdade galpões de particulares a 6 km da estação; publicou ele, então, as fotos da estação, que na época estava em excelente estado, fotos estas que são reproduzidas abaixo. Em 1928, o pátio sofreu uma reforma, mas manteve-se o prédio. Com o fechamento da estação, já nos anos 1970, o abandono veio logo, agravado pelo fato de o bairro - "Estação de Pereiras" - ficar a cinco quilômetros da cidade. Em meados dos anos 1980, o prédio já estava em ruínas. Na última vez em que lá estive (1998), crianças jogavam bolinha-de-gude no seu interior. Em 2015, boa parte da estação já havia sido destruída, o que restava virou um barraco descaracterizado. A velha estação está sendo destruída aos poucos.

AO LADO: A estação de Pereiras não tinha água para beber em 1916 (O Estado de S. Paulo, 7/2/1916).

AO LADO: E as reclamações continuavam (O Estado de S. Paulo, 14/2/1916).

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1934 - Construção de um desvio de lenha

(Fontes: Ralph Giesbrecht, pesquisa local; Daniel Gentili; Adriano Martins; Paulo Fraletti; Carlos Cornejo; Foto Greco; O Estado de S. Paulo, 1918; FEPASA: relatório de Instalações Fixas, 1986; O Estado de S. Paulo, 1916; E. F. Sorocabana: Relatórios anuais, 1875-1969; IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, 1958; Sorocabana Railway Company: Apreciações da Imprensa, 1918; IBGE, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Pereiras em 1918. Foto Greco, cedida por Carlos Cornejo

Estação de Pereiras em 1918. Foto Greco, cedida por Carlos Cornejo

Estação de Pereiras em 1918. Foto Greco, cedida por Carlos Cornejo

Estação de Pereiras em 1918. Foto Greco, cedida por Carlos Cornejo

Estação de Pereiras, ainda com telhado, em 1986. Foto do relatório de Instalações Fixas da Fepasa, 1986

Estação em 19/06/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

Estação em 19/06/1998. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em ruínas em maio de 2008. Foto Adriano Martins

Vamos assistindo à não tão lenta destruição da antiga estação... Pereiras em 24/11/2009. Foto Daniel Gentili

Restos da estação em 23/9/2015. Foto Daniel Gentili
   
     
Atualização: 31.03.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.