A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
(1909-1955)
Santa Adélia
Pindorama
Catanduva
...
(1955-2001)
Santa Adélia-nova
Pindorama
Catanduva
...

Tronco EFA-1970
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Araraquara (1909-1971)
FEPASA (1971-1998)
PINDORAMA (antiga PALMARES)
Município de Pindorama, SP
Linha-tronco - km 149,027 (1933) Linha-tronco (bitola larga) - km 128,327 (1960)   SP-2693
Altitude: 496 m   Inauguração: 31.12.1909
Uso atual: abandonada (2016)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Estrada de Ferro de Araraquara (EFA) foi fundada em 1896, tendo sido o primeiro trecho aberto ao tráfego em 1898. Em 1912, já com problemas financeiros, a linha-tronco chegou a São José do Rio Preto. Somente em 1933, depois de ter sido estatizada em 1919, a linha foi prolongada até Mirassol, e em 1941 começou a avançar mais rapidamente, chegando a Presidente Vargas em 1952, seu ponto final à beira do rio Paraná. Em 1955, completou-se a ampliação da bitola do tronco para 1,60m, totalmente pronta no início dos anos 1960. Em 1971 a empresa foi englobada pela Fepasa. Trens de passageiros, nos últimos anos somente até São José do Rio Preto, circularam até março de 2001, quando foram suprimidos.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi inaugurada em 1909, como Palmares. O jornal O Estado de S. Paulo anunciava em 19/8/1909 que "foram aceitas pelo Governo as denominações de Pindorama e Catanduva para as estações dos quilômetros 65,880 e 76,700 do prolongamento de Taquaritinga a S. José do Rio Preto".

Mesmo com a retificação do trecho entre Pindorama e Catanduva aberto em 20/10/1953 e o alargamento de bitola em todo o trecho entre Araraquara e São José do Rio Preto em 1955, a estação continuou no mesmo local. Ainda conservava seus desvios em 2003.

"Segundo histórias na cidade, o prefeito da cidade, na época da retificação, lutou muito para que a ferrovia continuasse passando dentro da cidade, pois a idéia da EFA era desviá-la para facilitar o tráfego, como ocorreu em várias estações do trecho, como em Fernando Prestes e outras mais. A campanha de sedução da ferrovia incluía a promessa de construção de uma estação maior e mais bonita, ainda que bem longe do centro. O prefeito não caiu na conversa, inclusive porque o tráfego terminado e gerado na cidade era muito significativo, e temeu que a distância maior prejudicasse o movimento. Homem de visão..." (Douglas Razaboni, 07/2005).

Em 2005, desativada já havia vários anos, abrigava uma escola (Centro Educacional de Ensino Fundamental) do município. "Uma G12, ainda na última pintura da Fepasa, estava estacionada no pátio local junto à algumas máquinas socadeiras e niveladoras de linha. Pelo que me recordo, vi esta mesma locomotiva em 1999, passando pelo mesmo local tracionando um dos últimos trens de passageiro, com apenas 2 carros, vindos de São José do Rio Preto. Foi uma visão meio bizarra, aquele trenzinho minúsculo passar apitando sem parar, com meia-dúzia de gatos pingados lá dentro" (Douglas Razaboni, 07/2005).

Em 2016, a cobertura da plataforma não existia mais e vigas de madeira ficavam penduradas, oferecendo perigo para quem ali estivesse. Não devia mais ser escola. Parecia abandonada.

ACIMA: A cidade de Pindorama, revoltada em 1949 com a supressão de alguns trens de passageiros na cidade (Folha da Manhã, 24/7/1949). ABAIXO: Placa clássica da EFA com o nome da estação em relevo no concreto (Foto Douglas Razaboni, maio de 2013).


ACIMA: Na estação de Pindorama, carros Budd-Mafersa do trem de passageiros da EFA. Anos 1960 (Autor desconhecido).

ACIMA: Uma Dash-9 de número 9044 passa ao lado do antigo armazém ferroviário no pátio de Pindorama (Foto Rafael Corrêa em 2/3/2009). ABAIXO: Junto à estação, um antigo carro de passageiros de aço Budd, um auto de linha... (Foto Douglas Razaboni, fevereiro de 2012).


ACIMA: Estação de Pindorama, 2012: cerca de 20 vagões sinistrados largados no pátio. Alguns ainda contendo produto dentro e exalando cheiro. Muitos vagões rasgados com riscos de acidentes se algum desavisado for transitar por ali. O prédio é utilizado pela prefeitura, mas precisa de uma nova pintura. Na plataforma havia diversos cobertores indicando que indigentes dormem ali. Como em Eng. Schmitt, as PNs possuem controle manual. Provavelmente, funcionários da prefeitura e não da concessionária. (Texto e foto Carlos Roberto Almeida).

(Fontes: Silvio Rizzo; Rafael Corrêa; Hermes Y. Hinuy; Douglas Razaboni; Carlos Roberto Almeida; O Estado de S. Paulo, 1909; IBGE: Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, 1958; Folha da Manhã, 1949 e 1953; E. F. Araraquara: Listagem oficial das estações, 1933; Guia Geral de Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapas - acervo Ralph M. Giesbrecht)
     

A estação em 1956. Foto da Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, IBGE, 1956

Estaçào de Pindorama em 12/04/2001. Foto Hermes Y. Hinuy

A estação em 20/09/2003. Foto Douglas Razaboni

A estação em 2/3/2009. Foto Rafael Corrêa

A estação em 2/3/2009. Foto Rafael Corrêa

A estação, já sem cobertura na plataforma, em 3/11/2016. Foto Silvio Rizzo
     
Atualização: 13.02.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.