A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Taquaral
Piracicaba Paulista
...

ramal de Piracicaba-1935

Planta da cidade, 1995
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2008
...
 
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1922-1971)
FEPASA (1971-1998)
PIRACICABA PAULISTA
Município de Piracicaba, SP
Ramal de Piracicaba - km 123,593   SP-2734
Altitude: 540,300 m   Inauguração: 30.07.1922
Uso atual: sede de parques e quadras da Prefeitura existentes no pátio   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1922
 
 
HISTORICO DA LINHA: Embora idealizado desde o fim do século XIX para ligar Limeira a Piracicaba, somente em 1916 o ramal de Piracicaba começou a ser construído pela Cia. Paulista, mas saindo de Recanto, estaçãozinha logo após Nova Odessa. Em 1917 chegou a Santa Barbara para aí estacionar até 1922, quando se o prolongou até a estação terminal de Piracicaba Paulista. O ramal tinha bitola larga e não se ligava com o ramal do mesmo nome, da Sorocabana, cruzando-se na entrada da cidade em desnível. Em 1922, tencionava-se o prolongamento até Bauru, idéia abandonada em 1925 por causa das dificuldades das serras no caminho. Apesar disso, em 1969 voltou a se falar na ligação Piracicaba-Torrinha, que também não saiu. Em 20 de fevereiro de 1977, o tráfego de passageiros foi suprimido, e nos anos 90, o ramal foi abandonado. Os trilhos estão lá até hoje e a concessionária Ferroban estuda uma possível reativação dos cargueiros pela linha, hoje coberta pelo mato.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Piracicaba Paulista foi aberta em 1922, depois de mais de vinte anos de espera e promessas de chegada
do ramal da Cia. Paulista à cidade, em terreno doado pelo sr. João Baptista da Rocha Conceição, dono da fazenda Algodoal, a

ACIMA: Locomotiva a vapor da Paulista no pátio de Piracicaba, anos 1940 ou 1950 (Acervo Paulo Filomeno, autor desconhecido). ABAIXO: Trem de passageiros na estação de Piracicaba (Foto J. Erdberg em 14/08/1938 - Acervo Leandro Guidini).
nordeste da cidade, e que por causa dela se havia metido dez anos antes em uma briga jurídica com a Prefeitura por causa da construção do matadouro modelo em terras de sua fazenda. O

TRENS - Os trens de passageiros pararam nesta estação de 1922 a 1977. Na foto à esquerda, o trem do ramal está ainda no pátio de Nova Odessa, de onde todos partiam, puxados geralmente por uma U-9B. Clique sobre a foto para ver mais detalhes sobre esses trens. Veja aqui horários em 1964 (Guias Levi).

ACIMA: A estação em final de construção: "Ferragem das thesouras da plataforma - Estação da Companhia Paulista em Piracicaba - 16/5/1922". Assim está escrito na placa pendurada nas ferragens na própria fotografia (Autor desconhecido).
nome da estação tinha a terminação "Paulista" para diferenciá-la da estação da Sorocabana, situada a não mais de dois quilômetros cerca de 1990, mas, com a supressão quase total dos cargueiros e

ACIMA: Em 1986, uma das poucas fotos que mostram a bitola mista na estação de Piracicaba, para então receber os cargueiros da Sorocabana, cuja estação, no centro da cidade, já estava desativada. Na bitola métrica, uma diesel da Fepasa ex-Mogiana (Acervo MF)
Piracicaba é a terra natal de meu avô materno, Sud Mennucci (1892-1948). Quarto filho de Amedeo Mennucci (1860-1930) e de Teresa Lari (1866-1937), italianos que se estabeleceram na cidade em 1888, saiu da cidade em 1910 para ser professor em Cravinhos, SP. Dali foi para Piracaia e depois para Dourado, seguiu para Belém do Pará, de onde retornou para lecionar em Porto Ferreira, SP, em 1914, onde se casou três anos depois com a ferreirense Maria da Silva Oliveira. Depois de morar 3 anos na cidade, mudou-se para Campinas e depois Piracicaba, de onde foi em 1925 com a esposa e a filha para a cidade de São Paulo, de onde nunca mais saiu (Ralph M. Giesbrecht).
dali, no centro da cidade. As linhas da Paulista e da Sorocabana não se encontravam; apenas se cruzavam (a da CP passando sobre uma ponte sobre a linha da EFS) um pouco antes de chegar à estação nova. A arquitetura da estação era a mesma da de Jaú, construída poucos anos antes no ramal de Jaú, da mesma CP. Como esta, Piracicaba Paulista era a estação terminal do ramal. Após a supressão dos trens de

ACIMA: Localização da estação de Piracicaba Paulista em 1950 (CLIQUE SOBRE A FOTO PARA VER A CIDADE TODA) (IGC-Instituto Geografico e Cartografico de São Paulo).
de trens de passageiros do ramal, em 1976, a estação ainda seguiu aberta até na linha, acabou sendo fechada. Esteve anos abandonada, e a linha idem. Hoje, 2009, a linha continua abandonada e com parte dos trilhos roubados; a estação esteve em reforma para ser um sambódromo, mas, no pátio, hoje existem campo de futebol, ciclovia, pista para caminhada de pedestres e parque para crianças. Ficou pronta em dezembro de 2005.
"Desde criança tenho paixão pelos trens (...) Nasci em 1966, quando os trens já estavam em processo de decadência no país, e nasci numa casa que se localizava na rua de trás da estação da Cia. Paulista de Estradas de Ferro, no bairro que emblematicamente leva o nome de "Paulista". Assim, desde muito cedo convivi com os trens e tenho memórias afetivas muito nítidas daquele tempo. Lembro-me que aguardávamos a chegada das composições que traziam gado - quando criança eu não sabia que o gado era destinado ao Matadouro Municipal, e os adultos não me revelavam isso - e era uma festa ver os animais descendo dos vagões, pois isso constituía uma movimentação especial, já que o trem saía fora da estação para descarregar (havia um prolongamento dos trilhos para além da porteira da estação, que seguiam para o quarteirão seguinte, no qual havia estruturas de madeira para receber e conter o gado). Lembro-me do apito das locomotivas, seu ruído intenso, o cheiro de óleo diesel misturado com o cheiro de estrume. Meu pai sempre levava a mim e meu irmão para assistirmos o desembarque do gado, e isso atraía não só as crianças, mas vários homens adultos. A estação da Cia. Paulista está muito ligada à trajetória de minha família. Meu tio-avô possuiu um armazém exatamente em frente à estação, que foi muito conhecido na cidade pelo sorvete que fazia. Sua freguesia era formada principalmente pelos usuários da Paulista. Este tio-avô residia no andar superior do prédio, uma bela casa em estilo "art-deco" construída na década de 1920. Esta construção existe ainda hoje, como uma escola de inglês. O bairro onde a estação se situa desenvolveu-se muito devido aos trens, não sendo por acaso que acabou concentrando majoritariamente famílias de imigrantes, italianos em sua maioria, mas também japoneses, alemães e suíços (...) (Júlio Amstalden, 1/2/2009).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Leonardo Patara; J. Erdberg; Leandro Guidini; Paulo Moretti; Leandro Polezzi; Adriano Martins; Júlio Amstalden; Marli T. G. Perecin: Síntese Urbana (1822- 1930), Piracicaba, 1998; Sala de Espera, 1922; Cia. Paulista: relatórios oficiais, 1890-1969; Mapas e plantas - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Planta da estação de Piracicaba Paulista. Acervo Ralph M. Giesbrecht

A estação no dia da inauguração (30/07/1922). Foto da revista Sala de Espera no. 5, 1922

A estação, anos 1920. Autor desconhecido

Na escadaria da estação, Sud Mennucci recebe a cantora Alzira Vargas, em março de 1924. Acervo Ralph Mennucci Giesbrecht

A estação em 1930. Autor desconhecido

A estação nos anos 1940. Cartão postal

A estação, provavelmente anos 1950. Cartão-postal da época

Estação de Piracicaba Paulista, já fechada, em 28/05/1996. Foto Ralph M. Giesbrecht

Estação de Piracicaba Paulista, já fechada, em 28/05/1996. Foto Ralph M. Giesbrecht

Plataforma da estação, em 28/05/1996. Foto Ralph M. Giesbrecht

A estação em reforma, em 09/2005. Foto Adriano Martins

A estação restaurada, em 12/2005. Foto Paulo Moretti


Plataforma da estação em 3/2011. Foto Leonardo Patara
   
     
Atualização: 24.12.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.