A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Murutinga
Planalto
Andradina-nova
...

Tronco NOB - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
E. F. Noroeste do Brasil (1937-1975)
RFFSA (1975-1996)
PLANALTO
Município de Andradina, SP
Variante de Jupiá - km 132,300 (1937)
Linha-tronco - km 413,300 (1949)
  SP-1703
Altitude: 395 m   Inauguração: 11.07.1937
Uso atual: em ruínas (2013)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1937
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Estrada de Ferro Noroeste do Brasil foi aberta em 1906, seguindo a partir de Bauru, onde a Sorocabana havia chegado em 1905, até Presidente Alves, em setembro de 1906. Em janeiro de 1907 atingia Lauro Müller, em 1908 Araçatuba e em 1910 atingia as margens do rio Paraná, em Jupiá, de onde atravessaria o rio, de início com balsas, para chegar a Corumbá, na divisa com o Paraguai, anos depois. O trecho entre Araçatuba e Jupiá, que até 1937 costeava o rio Tietê em região infestada de malária, foi substituído nesse ano por uma variante que passou a ser parte do tronco principal, enquanto a linha velha se tornava o ramal de Lussanvira. Em 1957, a Noroeste passou a fazer parte da RFFSA. Transportou passageiros até cerca de 1995, quando esse transporte foi suprimido. Em 1996, a Refesa deu a concessão da linha para a Novoeste, que transporta cargas até hoje.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Planalto foi aberta em 1937 na variante de Jupiá.

Em 1940 passou a integrar a linha-tronco da Noroeste.

No jornal Folha da Região, de Andradina, janeiro de 2001, o assunto era o abandono da estação: "A estação ferroviária do patrimônio de Planalto está em ruínas e pode ficar fora de programas oficiais de restauração e preservação. A entidade responsável pela preservação de patrimônios do município e a Rede Ferroviária Federal alegam falta de recursos para investir na estação. Hoje, o terminal ferroviário de Planalto está abandonado, com o teto parcialmente arrancado e as paredes pichadas. A estação serviu no passado a trabalhadores rurais e como pátio de manobras de trens que percorriam a variante, lembra o ex-funcionário da NOB Vivaldo Pitta, residente hoje em Bauru: "Era uma época de ouro, de intensa movimentação. Por ela passavam gente de todo país e mercadorias, desde filmes para cinema a caixas com peixes congelados", explica Pitta. Ela foi desativada na década de 70. Responsável pela conservação das estações do município, a Associação Cívica, Cultural e Histórica de Andradina (ACCHA) reconhece a necessidade de preservar o terminal de Planalto, mas alega falta de recursos. "Para a estação de Planalto não temos planos nem dinheiro", confessa o presidente da associação, Fernando Magno. O diretor do Setor de Cultura do município, João Wesley Antero da Silva, destacou que o prédio pertence à rede ferroviária, e por isso o município não pode fazer investimentos diretos" (Jean Oliveira, janeiro de 2001, no site folhanet.com.br).

Em 2015, a estação de Planalto estava acabando aos poucos. Parte do telhado já havia caído e buracos haviam sido abertos nas paredes, além da sujeira e do mato que tomava conta do local. Somente os pássaros alegravam um pouco o lugar, que um dia já foi o ponto de encontro daquela comunidade com movimento intenso.

TRENS - De acordo com os guias de horários, os trens de passageiros pararam nesta estação de 1937 a 1993. Veja aqui horários em 1948 (Guias Levi).
ACIMA: O Estado de S. Paulo, 18/7/1937.

(Fontes: José H. Bellorio; André Luiz Ramos; Odilio Pereira de Queiroz Neto; Jean Oliveira; Marcos Farias de Freitas; folhanet.com.br; O Estado de S. Paulo, 1937; Folha da Região, Andradina, 2001; Folha da Região, Araçatuba, 13/9/2009; E. F. Noroeste do Brasil: relações de estações, 1937 e 1949; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Estação de Planalto em 10/1979. Foto José H. Bellorio

Estação de Planalto em 10/1979. Foto José H. Bellorio

A estação em janeiro de 2001. Foto Jean Oliveira, do jornal Folha da Região, de Andradina

A estação em 2006. Foto Marcos Farias de Freitas

A estação em 9/2009. Foto André Luiz Ramos

A estação em 2014. Esta parte do telhado já caiu; Foto Odilio Pereira de Queiroz Neto
     
Atualização: 15.03.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.