A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Índice de estações
...
Engenheiro Benévolo

Pocinhos
Puxinanã
...

Ramal de C. Grande-1958
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: S/D
...
 
Rede Ferroviária do Nordeste (1958-1975)
RFFSA (1975-1997)
POCINHOS
Município de Pocinhos, PB
Ramal de Pocinhos - km 263 (1960)   PB-3572
Altitude: -   Inauguração: 1958
Uso atual: moradia   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1958
 
 
HISTORICO DA LINHA: O ramal de Campina Grande teve seu primeiro trecho entregue em 2 de outubro de 1907, entre a estação de Itabaiana, na linha da Great Western que ligava Recife a Natal, e a cidade paraibana de Campina Grande. Do outro lado do Estado da Paraíba, entre 1923 e 1926, a Rede de Viação Cearense alcançava a cidade de Souza, partindo de sua linha-tronco que ligava Fortaleza a Crato, no Ceará, a partir da estação de Arrojado. De Souza, a RVC avançou até Pombal (1932) e depois a Patos (1944). O trecho de 164 km entre Patos e Campina Grande somente seria entregue ao tráfego em 1958, e era justamente esta a linha que ligava o Nordete Ocidental ao Oriental, ou seja, o Ceará ao resto do Brasil. Hoje este ramal é um dos mais movimentados, em termos de cargueiros, do Nordeste, ligando Recife a Fortaleza e dali a São Luiz do Maranhão. O tráfego de passageiros no ramal foi desativado nos anos 1980.
 
A ESTAÇÃO: Por muitos anos, desde os anos 1920, a cidade de Pocinhos esteve destinada a ser passagem da linha que ligaria a Paraíba ao Ceará (E. F. Ceará-Paraíba). Em 1922, havia intensas obras da ferrovia na região, abandonadas logo em seguida. Quem cuidava na época de boa parte das ferrovias do Nordeste, inclusive dali, era o IFOCS (Instituto Federal de Obras contra as Secas) e a ferrovia ali estava sendo contruída não somente como ligação dos dois Estados como também para facilitar a construção dos diversos açudes no Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte que também

ACIMA: Obras da E. F. Ceará-Paraíba, próximas a Pocinhos, em 1922. Tudo foi abandonado poucos meses depois, com a posse do Presidente da República, Arthur Bernardes, em novembro desse ano (Revista Illustração Brasileira, setembro de 1922). ABAIXO: Em cena do filme "Cinema, Aspirinas e Urubus", de 2005, aparece a estação de Pocinhos, supostamente tendo se passado em 1942, e a chegada de uma RSA da Great Western. Erro histórico enorme. Em primeiro lugar, a estação somente foi inaugurada em 1958. Em segundo lugar, em 1942 a Great Western não tinha locomotiva diesel alguma. Na verdade, a estação tendo sido aberta em 1958, a Great Western jamais passou com seus trens por ali, somente o fez a RFN. Por fim, no filme, o trem se dirigia a Fortaleza, que, na época, não tinha qualquer ligação ferroviária com Pocinhos. Enfim... (Fotograma do filme citado, cessão: Carlos R. Almeida).

estavam sendo construídos na época. Com o abandono do projeto todo por Artur Bernardes, Presidente da República empossado em novembro de 1922, alegando falta de dinheiro, a ligação tamém parou, sendo retomada somente nos anos 1950, porém, não a ligando Alagoa Grande a Pocinhos, como seria em 1922, mas sim Campina Grande a Pocinhos, e dali a Patos, onde a ferrovia já estava desde os anos 1920. A estação de Pocinhos foi inaugurada em 1958 (ou em 1954, quatro anos antes da linha funcionar ofidialmente, segundo Jonatas Rodrigues) pela RFN, na ligação ferroviária Patos-Campina Grande. Por muito tempo a estação serviu de parada para passageiros no ramal de Campina Grande. Também era por ela que se exportava o maior produto da região, o sisal, para o porto de Cabedelo, proporcionando inúmeros benefícios

ACIMA: (esquerda) Casa do agente da estação. (direita) Armazém da estação em ruínas (Fotos Jonatas Rodrigues, 30/9/2009). ABAIXO: Cidade de Pocinhos em 2014. A estação está no canto superior esquerdo (Foto Eduardo Araújo).
para a cidade de Pocinhos. Infelizmente depois da privatização da RFFSA em 1997, o produto não pôde ser mais exportado através da estação. A estação é semelhante estruturalmente com as estações de Puxinanã, Soledade e Juazeirinho. A estação de Pocinhos foi desativada na década de 1990, pela RFFSA. O prédio hoje serve como moradia. A vila ferroviária também está de pé. Já o armazém estava em ruínas, sem o teto, em 2006. A estação serviu de cenário no final do filme "Cinema, Aspirinas e Urubus", de 2005, ambientado, entre outros locais, em Pocinhos. Com três erros históricos graves: em 1942, nem a estação existia, nem havia linha ali, nem o trem poderia ir dali a Fortaleza (como aparecia no filme), nem a Great Western tonha locomotivas diesel (nessa época de 1942, apenas a VFFLB, na Bahia, as possuía no Brasil). Além do mais, a pintura não condiz com nenhuma pintura da GWBR, sendo esta uma pintura moderna.
(Fontes: Jonatas Rodrigues; Eduardo Araujo; Carlos Roberto de Almeida; filme "Cinema, Aspirinas e Urubus", 2005; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

Desenho da estação de Pocinhos na época de sua abertura. Autor: Jonatas Rodrigues

Estação de Pocinhos, em 2005, em fotograma do filme Cinema, Aspirinas e Urubus, cessão: Carlos R. Almeida

Estação de Pocinhos, em 2005, em fotograma do filme Cinema, Aspirinas e Urubus, cessão: Carlos R. Almeida

A estação em 30/9/2009. Foto Jonatas Rodrigues

A estação em 30/9/2009. Foto Jonatas Rodrigues

A estação em 30/9/2009. Foto Jonatas Rodrigues
     
Atualização: 03.05.2014
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.