...
Véu de Noiva
Banhado
Roça Nova
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2002
...
 
E. F. Paraná (1885-1942)
Rede de Viação Paraná-Santa Catarina (1942-1975)
RFFSA (1975-1996)
BANHADO
Município de Piraquara, PR
linha Curitiba-Paranaguá - km 73,400 (1936)   PR-0298
Altitude: 858,000 m   Inauguração: 05.02.1885
Uso atual: pernoite da ALL (2006)   com trilhos
Data de abertura do prédio atual: c.1943
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha unindo Curitiba a Paranaguá, a mais antiga do Estado, foi aberta pela E. F. Paraná de Paranaguá a Morretes em 1883, chegando a Curitiba em fevereiro ded 1885. Durante seus 120 anos de existência ela pouco mudou, apenas dentro de Curitiba e na mudança de um ou outro túnel na serra. É considerada um dos marcos da engenharia ferroviária nacional, projetada por André Rebouças e construída por Teixeira Soares, depois de firmas estrangeiras recusarem a obra devido à dificuldade do trecho da serra, entre Morretes e Roça Nova. É também uma das poucas linhas que continua ter trens de passageiros, embora de forma turística apenas, desde os anos 1990, hoje explorado por uma concessionária privada, a Serra Verde. Em 1942, a E. F. Paraná foi englobada pela R. V. Paraná-Santa Catarina, e esta, em 1975, transformada em uma divisão da RFFSA. Em 1996, o trecho passou a ser operado pela ALL, que obteve a concessão da antiga RVPSC.
 
HISTÓRICO DA ESTAÇÃO: A estação do Banhado foi aberta em 1885.

O velho prédio de madeira foi substituído nos anos 1940 pelo atual, de alvenaria.

A partir dos anos 1950, a linha eletrificada que partia de Curitiba terminava em Banhado, onde havia um triângulo para manobra, que existia até 2002 pelo menos. A eletrificação deveria ter continuado até Paranaguá, de um lado, e até Engenheiro Bley, de outro, fato que nunca aconteceu; nos anos 1980, a eletrificação já estava abandonada. Na estação existia certamente troca de locomotivas durante o tempo em que ela foi final de eletrificação. O triângulo devia servir para retorno das elétricas e também para retorno no trem de subúrbio que, segundo algumas testemunhas da época, teria chegado até lá e não somente até Roça Nova.

Em 2001, a estação de Banhado estava de pé e em bom estado, sendo usada pela ALL. As casas da vila ferroviária, por sua vez, estavam abandonadas. Em 2006, parecia estar sendo utilizada como pernoite pelo pessoal da conserva de linha da ALL e que se utilizava do triângulo da estação para não obstruir a linha com seus equipamentos. Enfim, um posto de cruzamento.









AO LADO: Modificações nos pátios das estações da linha em 1913 (O Estado de S. Paulo, 8/6/1913).

ACIMA: No triângulo da estação de Banhado existe uma série de vagões de madeira abandonados, como os mostrados acima (Foto Jean Carlos Kuester em 21/12/2007).
ACIMA: Estação de Banhado - em sentido horário de baixo para cima: ruínas da antiga escola; casas da vila ferroviária ao fundo; guarita do guarda-chaves; poço tendo ao fundo a estação (Fotos Ricardo Melo Araújo em fevereiro de 2010). CLIQUE PARA AMPLIAR

(Fontes: Ralph Giesbrecht, pesquisa local; Ricardo Melo Araújo; Jean Carlos Kuester; Wanderley Duck; Ricardo Pinto da Rocha; Nilson Rodrigues; Dirceu Cavalcanti; O Estado de S. Paulo, 1913; Boletim Informativo da Casa Romário Martins: Rebouças - o bairro na história da cidade, 05/2000; RVPSC: relatórios anuais, 1920-60; RVPSC: Horário dos Trens de Passageiros e Cargas, 1936; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960)
     

A estação original, em foto de 1909. Cessão: Wanderley Duck

Estação antiga de Banhado, sem data. Foto cedida por Ricardo Pinto da Rocha

A atual estação em construção, em 1942. Foto dos relatórios da RVPSC

Fachada da estação de Banhado, em 1982. Foto Nilson Rodrigues

A estação em 1984. Foto Dirceu C. Cavalcanti

A estação depois de reformada em 03/2006. Foto Jean C. Kuester

A estação em 2/2010. Foto Ricardo Melo Araujo
   
     
Atualização: 08.08.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.