A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Dona Luiza
Rosário
Monte Azul
...

ram. Nova Granada-1950

IGG-SP-1945
 
 
Cia. E. F. São Paulo-Goiaz (1911-1916)
Cia. Ferroviária São Paulo-Goiaz (1916-1950)
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1950-1969)
ROSÁRIO (antiga GRANADA)
Município de Bebedouro, SP
Linha-tronco SPG - km 26,128   SP-2270
Ramal de Nova Granada - km 26,128   Inauguração: 03.1911
Uso atual: moradia e escritório   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d
 
HISTORICO DA LINHA: A Companhia Estrada de Ferro São Paulo-Goiaz começou a operar em 1910 ou 1911, dependendo da fonte, com a intenção de levar os trilhos até Goiás, partindo da estação de Bebedouro. As linhas também seguiriam dessa estação da Paulista até a estação de Passagem nos anos seguintes. Em 1914, a empresa faliu e em 1916 foi constituída a partir da massa falida, que continuava operando, a Cia. Ferroviária São Paulo-Goiaz. Nessa altura, a linha seguia de Passagem a Villa Olímpia (Olímpia), passando por Bebedouro, com um ramal saindo de Ibitiúva a Terra Roxa. Em 1927, a Paulista comprou todo o trecho entre Passagem e Bebedouro, incluindo o pequeno ramal; a CFSPG passou a operar apenas o trecho Bebedouro-Olímpia, que em 1931 foi esticado até Nova Granada. A ferrovia, de bitola métrica, que deveria cruzar a fronteira próximo a Icem, na Cachoeira do Marimbondo, nunca passou de Nova Granada nem chegou a Goiás. Em 1950, a Cia. Paulista a adquiriu e a transformou no ramal de Nova Granada. Este, depois de receber pesados investimentos durante os dez anos seguintes, acabou por ter o trecho final (Olímpia-Nova Granada) suprimido pela Paulista já estatal, em 1966, e em 2/1/1969, todo a linha restante também foi extinta. Os trilhos e as propriedades foram arrancados e vendidas pouco tempo depois. Dela pouca coisa restou, tendo a grande maioria das estações sido demolida.
 
A ESTAÇÃO: Rosário, também chamada a partir dos anos 50 de Rosário de São Paulo, foi inaugurada em 1911, mas com o nome de Granada, por causa da existência nessa vila de uma colônia de imigrantes espanhóis, no primeiro trecho aberto pela São Paulo-Goiaz. Dali partiram, nos anos 20, parte desses imigrantes para fundar a cidade de Nova Granada, que em 1931 se tornaria o ponto final da linha da mesma São Paulo-Goiaz. O nome da vila e da estação pouco tempo depois foram alterados para Rosário. A partir de 1950, com a aquisição da ferrovia pela Companhia Paulista, passou a fazer parte do ramal de Nova Granada, onde funcionou até ser desativada no início de 1969, e ter os trilhos retirados logo depois. Pouco tempo após a desativação, a ferrovia vendeu a propriedade da estação e parte da vila ferroviária para particulares. A estação de Rosário foi preservada e hoje serve de moradia e também de escritório administrativo de uma fazenda do local. À sua volta, ainda se mantém a pequena vila.
     

Antiga plataforma da estação, em 21/10/2000. Foto do autor

Detalhe da estação, em 21/10/2000. Foto do autor

A estação, lateral, em 21/10/2000. Foto do autor
     
     
Atualização: 08.08.2010
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.