A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
Indice de estações
...
Brete de Cerro Chato
Cerro Chato
Alfredo Avila
...

Mapa da linha - 1940
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
Southern Brazilian R. G. do Sul Ry. Co. Ltd. (1884-1905)
Cie. Auxiliaire des Chemins de Fer au Brésil (1905-1920)
V. F. Rio Grande do Sul (1920-1968)
CERRO CHATO
Município de Herval, RS
Linha Cacequi-Maritima - km 962,088 (1960)   RS-0250
Altitude: 99 m   Inauguração: 02.12.1884
Uso atual: moradia   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1884
 
 
HISTORICO DA LINHA: A linha foi construída em partes: pela Southern Brazilian Rio Grande do Sul Railway Company Limited, sucessora de uma série de concessões anteriores, a Bagé-Marítima, em 1884. De Cacequi a São Gabriel, em meados de 1896 e de São Sebastião a Bagé, no final do mesmo ano, ambos pela pela E. F. Porto Alegre-Uruguaiana. Em 1900, a união São Sebastião-São Gabriel completaria o trecho Bagé-Rio Grande. Era uma linha de grande utilidade pois transportava gado e charque para o porto do Rio Grande, apesar de, no final do século 19, ter baixo movimento por causa dos altos preços do frete, dos maus serviços e da interrupção do serviço dos trens pela Revolução Federalista. Os trens de passageiros partiam de Livramento, em outra linha, chegavam a Cacequi e dali até Bagé. Em Bagé, havia que se trocar de trem para chegar a Rio Grande. Uma série de variantes foi entregue entre 1968 e os anos 1980 - Pedras Altas, Três Estradas, Pedro Osório, Pelotas - que encurtaram e melhoraram seu traçado, eliminando diversas das estações originais. Até 1982 as linhas ainda transportavam passageiros, quando o serviço foi interrompido devido ao desabamento de uma ponte em Pedro Osorio; uma nova linha foi construída logo depois. O transporte de passageiros retornou algum tempo depois mas com trens mistos, que duraram até meados dos anos 1990.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Cerro Chato foi inaugurada em 1884.

"Em Cerro Chato, os excursionistas somente passavam
pela estação e algumas vezes paravam para um almoço. Eles não permaneciam muito tempo, pois a localidade não possuía atrativos. Com a entrega da variante de Pedras Altas, em abril de 1968, a estação ficou fora da nova linha. Hoje está ainda de pé, já bastante descaraterizada e servindo aparentemente de moradia, junto à estrada de terra que passa pelo leito da antiga linha retirada. Quando foi construída a variante de Pedras Altas a estação foi desativada. O acesso é complicado pois fica dentro de estâncias e só conhecendo muito bem o proprietário é que se consegue alguma coisa, pois ali há muito roubo de gado. Há um tempo atrás eu seguidamente ia a uma estância nesta região (Serra do Erval).

Nos fundos desta estância ficava a antiga linha que, quando visitei, já havia sido erradicada. Pedi para me mostrarem as estações, porém me enrolaram e não me mostraram nada. Diziam que ficava longe, acesso difícil etc. Posteriormente segui de carro pelo antigo leito da estrada de ferro e cheguei até a estação do Cerro Chato. Para ter uma idéia para chegar a essa estação, tive de abrir e fechar umas seis ou sete porteiras, todas dentro das estâncias. O prédio ainda existe e está meio mal conservado. No local, na época em que lá estive (1996), ali funcionava um bolixo, espécie de armazém de campanha
" (Alfredo Rodrigues, 12/2005).

Porém, há acessos mais fáceis e livres por outros caminhos, segundo informava Rita Fagonde em 2007.


(ver também CERRO CHATO-NOVA)

CERRO CHATO NO FINAL DO SÉCULO XIX - ESTRADA DE FERRO Southern Brazilian Rio Grande do Sul GRANDE FESTA EM BAGE No dia 25 do corrente DIA DE NATAL Haverá um trem de excursão de 1ª classe para Bagé. Que partira do Rio Grande as 7 h. de Pelotas as 8, 35 e chegara a Bagé as 5,25 [...] Em Cerro-Chato haverá uma demora de meia hora para os Srs. passageiros que quiserem almoçar. – No dia do Natal não haverá nenhum outro trem alem d’este trem de excursão. Rio Grande, 15 de dezembro de 1885. Augusto Duprat, Director geral

1885
AO LADO:
A cidade na época (Diário de Pelotas, 16/12/1885, p. 3).
1923
AO LADO:
Fechamento da linha na revolução de 1923 (
O Estado de S. Paulo, 14/6/1923).
1923
AO LADO:
Fechamento da linha na revolução de 1923 (O Estado de S. Paulo, 15/6/1923).
Dirceu Gonçalves, Engenheiro Civil, formado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, turma de 1951, era meu pai. Recém casado, no início de 1957 enveredou-se junto com minha jovem mãe e eu com apenas 3 anos a tiracolo para um lugar bem diferente, para não dizer estranho, bem lá no sul do Rio Grande do Sul, uma região chamada Cerro Chato, objetivando concluir a construção de "uma estrada de ferro". Contava-me ele, e disso me lembro bem, de que os homens andavam armados, com "revólver na cinta", costume da região. Em Santos, minha avó materna recebia cartas chorosas de saudades e perplexidade escritas por minha mãe. Quando saímos de Santos, meu irmão Paulo tinha nada mais que 6 meses e em decorrência das distâncias a serem percorridas e o tempo gasto até chegarmos em Pelotas e depois nos assentarmos na vila dos operários, meus pais acharam melhor deixar meu irmão aos cuidados de minha avó materna. Eu, meu pai e minha mãe moramos por um curto período na estação de Cerro Chato. Ainda, recordo-me de algumas passagens: o piso cimentado recém acabado, morno, escorpiões sobre a plataforma. Aranhas não faltavam. Antes de calçar as botas, meu pai as sacudia e às vezes saía de dentro delas um escorpião. Minha mãe acostumada com o calor de Santos e dos banhos de mar nas praias, fazia um esforço enorme para habituar-se com a frio dos pampas e esquecer o apartamento frente ao mar. Os caminhões Chevrolet, carrocerias de madeira e lataria pintada de cor bem escura, motor a gasolina, utilizados para a construção da ferrovia, durante o inverno tinham enorme dificuldade para ligar de manhã cedinho. Havia necessidade de retirar a água do radiador e do motor no final do expediente para que de manhã cedo aquela água não congelasse dentro do motor. Meu pai preferia as carroças com mulas e cavalos para o transporte de cargas a serviço da ferrovia. Certa vez numa feira em Pelotas, quando comprou 1 cavalo para utilizar na ferrovia, o proprietário chorou ao se despedir do cavalo. Minha mãe, não acostumada com o frio, chorava copiosamente quando esquecia as roupas no tanque, pois as placas de gelo demoravam para descongelar. As peças de roupas úmidas ficavam " duras" de gelo. Certa vez quando voltávamos para a vila, meu pai se perdeu, pois a estrada de terra mesclava-se com o pasto. Da preocupação dele em achar o caminho a tempo antes que a noite caísse. Lembro-me da construção de um túnel. A mulher do capataz às vezes levava-me para passear e um dia deixou-me sozinho não mais que alguns minutos, sentado dentro de uma escavadeira de esteiras, estacionada bem próxima a entrada do túnel. Chorei muito, tive medo ao ver aquele monstro de aço. Lembro-me do cachorro da raça Collie, das ovelhas, dos pastos, do céu azul e das chuvas fortes. Das mulheres e homens trajando roupas diferentes daquelas de Santos. Do chimarrão quente e amargo. Minha mãe foi bem acolhida pela esposa e filhas de um fazendeiro da região. Com elas passava o tempo costurando e contando histórias e costumes de São Paulo e Santos. Lembro-me das aves grandes, de pescoço comprido, soltas nos campos, avestruzes ou emas. Das ovelhas e dos cães pastores que as conduziam ao cercado. Essa era o Erval que conheci. Talvez aquela tenha sido minha primeira moradia fora de casa. Lembro-me que para chegarmos lá, saíamos de carro de Santos e íamos até o aeroporto de Congonhas. Lá, pegávamos um avião da Panair ou da Varig, não me lembro ao certo, um Douglas DC3 ou um C47, dois motores a gasolina barulhentos e descíamos em Porto Alegre após várias horas de vôo e paradas ao longo do percurso. Uma vida alegre, selvagem, bonita. Povo acolhedor e sincero. Parte do que aqui narrei foi contado por minha mãe, hoje com 78 anos
anos 1950
AO LADO:
Como era a vida em Cerro Chato (Dirceu Gonçalves Filho, novembro de 2008).
ACIMA: Acidente em Cerro Chato, sem maiores detalhes de data e do que o causou (Acervo Alfredo Rodrigues). ABAIXO: (esquerda) Hotel próximo à estação, onde também funcionava um restaurante e onde também aconteciam bailes de carnaval na época de juventude do meu pai, hoje com 70 anos. (direita) prédio onde funcionava um gerador de energia que era fornecida ao hotel e à estação (Fotos Rita Fagonde, 02/2009).

(Fontes: Alfredo Rodrigues; Itabajara da Silva Vaz; Rita Fagonde; Dirceu Gonçalves Filho; Revista Refesa, maio-jun 1968; Dalila Müller e Dalila Rosa Hallal: Viagens de Recreio: as excursões em Pelotas no século XIX, 2008; Diário de Pelotas, 1885; IPHAE: Patrimônio Ferroviário do Rio Grande do Sul, 2002;
Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Guias Levi, 1940-81; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação em 1996. Foto Alfredo Rodrigues

A estação de Cerro Chato, c. 2002. Foto do livro Patrimônio Ferroviário do Rio Grande do Sul, IPHAE, p. 146

A estação em 04/2007. Foto Itabajara da Silva Vaz

A estação em 04/2007. Foto Itabajara da Silva Vaz

A estação em 04/2007. Foto Itabajara da Silva Vaz

A estação em 02/2009. Foto Rita Fagonde
     
Atualização: 14.02.2018
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.