A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Rubião Júnior
Serra D'água
Paula Souza
...

Tronco EFS - 1935
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: SIM
ÚLTIMA VEZ: 2001
...
 
E. F. Sorocabana (1920-1953)
SERRA D'ÁGUA
(antiga AMÉRICO DE CAMPOS)

Município de Botucatu, SP
Linha-tronco original - km 323,535 (1924); km 311,499 (1931) (*)   SP-2847
Altitude: 800 m   Inauguração: 1920
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1926 (já demolido)
(*) As quilometragens foram alteradas em 1928, devido às retificações feitas entre São Paulo e Iperó neste ano
 
 
HISTORICO DA LINHA: A E. F. Sorocabana foi fundada em 1872, e o primeiro trecho da linha foi aberto em 1875, até Sorocaba. A linha-tronco se expandiu até 1922, quando atingiu Presidente Epitácio, nas margens do rio Paraná. Antes, porém, a EFS construiu vários ramais, e passou por trocas de donos e fusões: em 1892, foi fundida pelo Governo com a Ytuana, na época à beira da falência. Em 1903, o Governo Federal assumiu a ferrovia, vendida para o Governo paulista em 1905. Este a arrendou em 1907 para o grupo de Percival Farquhar, desaparecendo a Ytuana de vez, com suas linhas incorporadas pela EFS. Em 1919, o Governo paulista voltou a ser o dono, por causa da situação precária do grupo detentor. Assim foi até 1971, quando a EFS foi uma das ferrovias que formaram a estatal FEPASA. O seu trecho inicial, primeiro até Mairinque, depois somente até Amador Bueno, desde os anos 20 passaram a atender principalmente os trens de subúrbio. Com o surgimento da CPTM, em 1994, esse trecho passou a ser administrado por ela. Trens de passageiros de longo percurso trafegaram pela linha-tronco até 16/1/1999, quando foram suprimidos pela concessionária Ferroban, sucessora da Fepasa. A linha está ativa até hoje, para trens de carga.
 
A ESTAÇÃO: Em 1918, o relatório da Sorocabana afirmava que "para facilitar a marcha dos trens foi construído um desvio no km 325 do Ramal de Tibagy, numa extensão de 360 metros".

A estação foi inaugurada em 1920 sem nome - era o "km 323,535", e recebeu o nome de Américo de Campos no ano seguinte.

Em 1926, a estação ganhou seu edifício definitivo.

Em 1946, teve o nome alterado para o atual, e em 01/09/1953, foi desativada, com a abertura da variante Rubião Junior-Ezequiel Ramos. "Um tio meu que reside em Botucatu me garantiu que Paula Souza-velha ainda existia e resolví conferir. Chegando em Rubião Junior, segui o leito da antiga linha sentido Paula Souza-velha. Hoje é uma estrada de terra. Depois de uns oito ou dez km a estrada faz um pequeno desvio para a esquerda e retorna no leito novamente a uns 500 metros adiante. Segundo meu tio, que percorreu muito aquele trecho, pois cortava lenha por ali, ele me disse que havia um prédio pequeno no local. Acredito que seja a antiga Serra D'Água. Hoje não há mais nada no local. A estrada está em boas condições de tráfego, havendo em alguns trechos vários pedregulhos" (Adriano Martins, 09/2001).

Em 2/11/2001, Adriano e eu andamos de novo por ali e entramos na área onde supostamente teria existido a estação. Nada foi encontrado, num lugar onde o leito da linha é hoje uma picada que passa por mata fechada. "A ex-estação de Serra D'Água está localizada exatamente no lugar onde está descrita (acima). Se procurarmos ou cavarmos encontraremos vestigios da estação. Eu a conheci, conheço muitas pessoas que estudaram no lugar, pois quando foi desativada virou escola rural e um tio meu administrava uma fazenda cujas terras ficavam encostada na escola-estação" (Antonio Fernando Pereira, 2007).

OBRAS OCORRIDAS NA ESTAÇÃO E SEU PÁTIO DE ACORDO COM RELATÓRIOS DA EFS: 1926 - Extensão dos desvios para 298 m


Acima, mapa mostrando a linha nova e a velha da Sorocabana na região de Botucatu e de Avaré. Por ele dá para se ter uma idéia de como Serra D'Água, no mapa ainda como Américo de Campos, e outras saíram da linha e ficaram isoladas. A linha nova (estilizada, pois não mostra todas suas curvas) é a que está com barras (Acervo Ralph M. Giesbrecht).

(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local; Antonio C. Belviso; Antonio Fernando Pereira; Adriano Martins; E. F. Sorocabana: relatórios anuais, 1900-69; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A estação de Américo de Campos, sem data. Autor desconhecido. Cessão Antonio C. Belviso
   
     
     
Atualização: 06.11.2016
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.