A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Suinana
Sotero
Quilômetro 129
...

ram. Nova Granada-1950
...
ESTIVE NO LOCAL: SIM
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: 2003
...
 
 
Cia. Ferroviária São Paulo-Goiaz (1941-1950)
Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1950-1969)
SOTERO
Município de Onda Verde, SP
Linha-tronco SPG - km 122,127   SP-2854
Ramal de Nova Granada - km 122,127   Inauguração: 02.1941
Uso atual: demolida   sem trilhos
Data de construção do prédio atual: 1942 (já demolido)
 
HISTORICO DA LINHA: A Companhia Estrada de Ferro São Paulo-Goiaz começou a operar em 1910 ou 1911, dependendo da fonte, com a intenção de levar os trilhos até Goiás, partindo da estação de Bebedouro. As linhas também seguiriam dessa estação da Paulista até a estação de Passagem nos anos seguintes. Em 1914, a empresa faliu e em 1916 foi constituída a partir da massa falida, que continuava operando, a Cia. Ferroviária São Paulo-Goiaz. Nessa altura, a linha seguia de Passagem a Villa Olímpia (Olímpia), passando por Bebedouro, com um ramal saindo de Ibitiúva a Terra Roxa. Em 1927, a Paulista comprou todo o trecho entre Passagem e Bebedouro, incluindo o pequeno ramal; a CFSPG passou a operar apenas o trecho Bebedouro-Olímpia, que em 1931 foi esticado até Nova Granada. A ferrovia, de bitola métrica, que deveria cruzar a fronteira próximo a Icem, na Cachoeira do Marimbondo, nunca passou de Nova Granada nem chegou a Goiás. Em 1950, a Cia. Paulista a adquiriu e a transformou no ramal de Nova Granada. Este, depois de receber pesados investimentos durante os dez anos seguintes, acabou por ter o trecho final (Olímpia-Nova Granada) suprimido pela Paulista já estatal, em 1966, e em 2/1/1969, todo a linha restante também foi extinta. Os trilhos e as propriedades foram arrancados e vendidas pouco tempo depois. Dela pouca coisa restou, tendo a grande maioria das estações sido demolida.
 
A ESTAÇÃO: Segundo o relatório da Companhia São Paulo-Goiaz para 1943: "Foram abertos, a partir do dia 15 de outubro, os postos telegráficos dos kms. 116 e 129. Na mesma data, foi fechado o posto telegráfico km 121, ou Chave do Turvo". A seguir, o relatório continua: "Foi autorizada, a partir de outubro, a parada dos trens na antiga Chave do Turvo, km 121". Estranho, não? Fecha-se o posto mas se autoriza imediatamente a parada dos trens no mesmo. De qualquer forma, pela quilometragem, este seria o "Posto Sotero", mesmo com sua quilometragem sendo oficialmente 122,127, número este constante dos relatórios da Cia. Paulista de 1958, quando esta já detinha a ferrovia com o nome de Ramal de Nova Granada (desde 1950). A Paulista dava como data de abertura do posto fevereiro de 1942, mas este pode ser o nome do "batismo" do posto, ou de alguma melhora na sua infraestrutura. O relato de Cesar Monteiro, no entanto, põe uma dúvida: "Neste posto, logo depois que a linha cruzava o rio Turvo, havia uma caixa d'água e ao lado uma casinha, quase de pau-a-pique, em que morava um sujeito que que tomava conta da bomba da caixa d'água. Mas ele nem mesmo era funcionário da ferrovia. Hoje nada mais existe por lá." (César Monteiro, Nova Granada, 16/04/2001). Seria aqui a velha Chave do Turvo e logo em seguida, alguns metros à frente, sido instalado em 1941 o posto Sotero? Estive, em 4 de maio de 2003, no suposto local. Fotografei a ponte metálica, que ainda existe sobre o rio Turvo, embora, do lado de Onda Verde, ela esteja com a cabeceira sem comunicação com a margem. Existem ali umas pequenas casinhas, dos dois lados do rio, mas parecem ser construções recentes. Não vi, realmente, caixa d'água alguma. Nem no suposto quilômetro 121, nem no quilômetro 122, nada. "A caixa dágua perdida encontra-se situada a 4 km antes (de quem vem de Onda Verde) da ponte metálica sobre o Rio Turvo. Tive o capricho de fotografá-la quando por lá passava a trabalho e ela deve ter uma capacidade próxima a uns 5.000 litros. Há um posto danificado junto a ela, lembrando mais uma guarita do que propriamente uma estação. Em tamanho, não chega a ser nem metade de Suinana" (Arthur Steagall Condé, 21/2/2009).
(Fontes: Ralph M. Giesbrecht, pesquisa local, 2003; Arthur Steagall Condé, 2009; César Monteiro, 2001; Relatórios da E. F. São Paulo-Goiaz, 1932-1948; Relatórios da Cia. Paulista, 1949-1969; Mapa: acervo R. M. Giesbrecht)
     

A ponte próxima a Sotero, em 04/05/2003. Foto Ralph M. Giesbrecht

A ponte próxima a Sotero, em 04/05/2003. Foto Ralph M. Giesbrecht

Caixa d´água e "posto" junto aonde era Sotero, em 03/2009. Foto Arthur Steagall Condé
     
     
Atualização: 03.04.2009
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.