A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Urânia
Santa Salete
Pimenta Bueno-nova
...

Tronco EFA-1970
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Araraquara (1957-1971)
FEPASA (1971-1998)
SANTA SALETE
Município de Santa Salete, SP
Linha-tronco - km 391,112 (1960)   SP-2891
Altitude: 438 m   Inauguração: 01.02.1957
Uso atual: abandonada   com trilhos
Data de construção do prédio atual: n/d (já demolido)
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Estrada de Ferro de Araraquara (EFA) foi fundada em 1896, tendo sido o primeiro trecho aberto ao tráfego em 1898. Em 1912, já com problemas financeiros, a linha-tronco chegou a São José do Rio Preto. Somente em 1933, depois de ter sido estatizada em 1919, a linha foi prolongada até Mirassol, e em 1941 começou a avançar mais rapidamente, chegando a Presidente Vargas em 1952, seu ponto final à beira do rio Paraná. Em 1955, completou-se a ampliação da bitola do tronco para 1,60m, totalmente pronta no início dos anos 60. Em 1971 a empresa foi englobada pela Fepasa. Trens de passageiros, nos últimos anos somente até São José do Rio Preto, circularam até março de 2001, quando foram suprimidos.
 
A ESTAÇÃO: A estação de Santa Salete foi inaugurada em 1957, cinco anos após a entrega do prolongamento ligando Jales a Presidente Vargas (1952). Em 1986, já era apenas uma plataforma com cobertura em mau estado, e o relatório da Fepasa afirmava "ter existido uma estação que foi demolida há muito tempo". Em 09/2001, Santa Salete continuava sendo um vilarejo muito pequeno e modesto onde andar de chapéu e cumprimentar a todos era cotidiano. Em 2006, cinco anos depois, a paradinha ficava no meio de um pasto e ainda tinha os banquinhos simples de madeira para o passageiro sentar. A cidade tem - ou tinha - a sua estação no final de uma ruazinha. À primeira vista, nem se nota que existe alguma construção que, na realidade, é uma pequena cobertura, para chegar até ela, é preciso deixar o carro em frente a algumas casas e seguir a pé no meio do matagal, quase intransponível; ainda é possivel sentar-se nos bancos de madeira que sobreviveram ao tempo. De baixo da ponte do acesso da cidade, enxerga-se bem ao fundo a pequena cobertura, perdida no meio do mato" (Darlei Teixeira, 2006).
(Fontes: Rafael Correa; Rodrigo Cabredo; Hermes Y. Hinuy; Darlei Teixeira; FEPASA: Relatório de Instalações Fixas, 1986; EFA: Relatórios anuais, 1940-69; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

A plataforma da parada em 1986. Foto do relatório da Fepasa desse ano


A plataforma da parada em 1986. Foto do relatório da Fepasa desse ano


A parada em 09/2001. Foto Rodrigo Cabredo

A parada em 20/11/2001. Foto Hermes Y. Hinuy

A paradinha em 03/2009. Foto Rafael Correa
 
     
Atualização: 02.02.2013
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.