A B C D E
F G H I JK
L M N O P
Q R S T U
VXY Mogiana em MG
...
Jales
Urânia
Santa Salete
...

Tronco EFA-1970
...
ESTIVE NO LOCAL: NÃO
ESTIVE NA ESTAÇÃO: NÃO
ÚLTIMA VEZ: N/D
...
 
E. F. Araraquara (1952-1971)
FEPASA (1971-1998)
URÂNIA (antiga TUPILANDIA)
Município de Urânia, SP
Linha-tronco - km 386,252 (1960)   SP-2948
Altitude: 452 m   Inauguração: 18.10.1952
Uso atual: oficina de móveis (2003)   com trilhos
Data de construção do prédio atual: 1959
 
 
HISTORICO DA LINHA: A Estrada de Ferro de Araraquara (EFA) foi fundada em 1896, tendo sido o primeiro trecho aberto ao tráfego em 1898. Em 1912, já com problemas financeiros, a linha-tronco chegou a São José do Rio Preto. Somente em 1933, depois de ter sido estatizada em 1919, a linha foi prolongada até Mirassol, e em 1941 começou a avançar mais rapidamente, chegando a Presidente Vargas em 1952, seu ponto final à beira do rio Paraná. Em 1955, completou-se a ampliação da bitola do tronco para 1,60m, totalmente pronta no início dos anos 60. Em 1971 a empresa foi englobada pela Fepasa. Trens de passageiros, nos últimos anos somente até São José do Rio Preto, circularam até março de 2001, quando foram suprimidos.
 
A ESTAÇÃO: A estação foi inaugurada como um galpão de madeira em 1952, com o nome de Tupilândia.

Mais tarde, teve o nome alterado para Urânia, e o município de mesmo nome foi criado em 1956.

É hoje uma estação de padrão distinto das outras da antiga EFA e teve o prédio atual entregue em 1959, substituindo a então estação original e provisória.

Em 1960, a estação e a cidade viveram momentos de festa política com a chegada do trem do então candidato a Presidente, Jânio Quadros.

Em 2003, a estação, que fica em frente à rodoviária da cidade, era ocupada por uma pessoa que reformava estofados e trabalhava com couro.


"Muitas cidades foram construídas ao longo da picada feita para demarcar o traçado da Estrada de Ferro Araraquara (EFA) que se estendeu pela região. Assim aconteceu com Jales, Urânia e Santa Fé do Sul (...). O traçado urbano era reproduzido de cidade para cidade, com características muito comuns, como duas avenidas largas, quarteirões com planos ortogonais e ruas traçadas de forma paralela às avenidas. Implantou-se, dessa forma, uma "fábrica de cidades" no extremo Noroeste Paulista, a partir da década de 1940, com o objetivo de promover a venda de terras" (Sederval Nardoque: Apropriação capitalista da terra e a formação da pequena propriedade em Jales-SP, UNESP, 2002).


1977
ACIMA: (CLIQUE SOBRE A NOTÍCIA):
Problemas com erosão na linha próxima à estação no ano de 1977 (O Estado de S. Paulo, 5/4/1977).

1952
À ESQUERDA: notícia do jornal Folha da Manhã (atual Folha de S. Paulo) publicada em 17/10/1952 anunciando a abertura das cinco estações entre Jales e a terminal, Presidente Vargas, pela E. F. Araraquara.

ACIMA: Trem da EFA passando por Urania sentido interior, possivelmente anos 1960 (Autor desconhecido).

(Fontes: Silvio Rizzo; Rodrigo Cabredo; Hermes Y. Hinuy; Rafael Correa; Antonio Alberto Ravagnani; Folha da Manhã, 1952; O Estado de S. Paulo, 5/7/1959 e 1977; Sederval Nardoque: Apropriação capitalista da terra e a formação da pequena propriedade em Jales-SP, UNESP, 2002; EFA: Relatórios anuais, 1940-69; Guia Geral das Estradas de Ferro do Brasil, 1960; Mapa - acervo R. M. Giesbrecht)
     

O prédio original de madeira, em 1956. Foto Antonio Alberto Ravagnani

A estação na inauguração do novo prédio, em 1959. Foto Antonio Alberto Ravagnani

A estação na inauguração do novo prédio, em 1959. Foto Antonio Alberto Ravagnani

Em cima e à direita, a espera e a chegada do trem do candidato Jânio Quadros na estação de Urânia, em 1960. Fotos Antonio Alberto Ravagnani

Carros de madeira e de aço-carbono na chegada de Jânio Quadros à estação, em 1960. Foto Antonio Alberto Ravagnani

Estação de Urânia, em 09/2001. Foto Rodrigo Cabredo

A estação em 20/11/2001. Foto Hermes Y. Hinuy

A estação em 03/2009. Foto Rafael Correa

A estação em 03/2009. Foto Rafael Correa

A estação em 12/9/2015, por Silvio Rizzo
 
     
Atualização: 04.09.2017
Página elaborada por Ralph Mennucci Giesbrecht.